Dívida pública federal cai 1,29% em outubro com resgate expressivo de papéis prefixados

Valor desceu a R$ 5,373 trilhões no mês passado.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

Dívida pública federal caiu a R$ 5,373 trilhões no mês passado

Acessibilidade


A dívida pública federal do Brasil caiu 1,29% em outubro sobre setembro, a R$ 5,373 trilhões, em mês marcado pelo volume expressivo de resgates.

A dois meses do fim do ano, o estoque ainda não bateu no limite inferior da banda estabelecida para 2021 no Plano Anual de Financiamento, de R$ 5,5 trilhões a R$ 5,8 trilhões.

LEIA TAMBÉM: É importante perseguir meta de inflação, mesmo com limitações da crise, diz Campos Neto

Segundo dados informados pelo Tesouro Nacional hoje (24), as emissões de dívida mobiliária interna no mês foram as maiores desde maio, alcançando R$ 146,4 bilhões.

Mas os R$ 271,4 bilhões em resgates –segundo maior valor da série histórica– fizeram a dívida interna fechar o mês com resgate líquido de R$ 125 bilhões.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Em nota sobre o resultado, o Tesouro chamou a atenção para a volta da emissão de títulos prefixados em volumes maiores: R$ 45,4 bilhões, frente a R$ 17,9 bilhões em setembro e apenas R$ 7,8 bilhões em agosto.

Contudo, como houve vencimento de R$ 267,71 bilhões em LTNs, os prefixados terminaram o mês com resgate líquido. Eles passaram a responder por 29,04% da dívida total, abaixo dos 32,58% de setembro e do intervalo de 31% a 35% estabelecido para o ano, conforme Plano Anual de Financiamento.

Os títulos que variam com a Selic, representados pelas LFTs, aumentaram seu peso na dívida pública federal, a 36,15% do total, ante 33,95% em setembro. No PAF, a meta para o ano é de 33% a 37%.

Já os papéis indexados à inflação elevaram a fatia sobre a dívida para 29,57% da dívida total, ante 28,48% em setembro, sendo que a referência para este ano é de 26% a 30%.

Em relação aos detentores, a participação dos investidores estrangeiros na dívida mobiliária interna subiu a 10,46% em outubro, sobre 10,05% no mês anterior.

Mais uma vez o custo médio das emissões de dívida interna aumentou, chegando a 7,5% ao ano, sobre 6,9% ao ano em setembro. O custo médio do estoque da dívida pública federal acumulado em 12 meses foi na mesma direção, passando a 8% sobre 7,8% no mês anterior.

Olhando para novembro, o Tesouro destacou que ao longo do mês, a maior estabilidade nos mercados permitiu que iniciasse a retomada gradual das emissões, “voltando a ofertar prefixados e índice de preços em quantidades mais próximas da normalidade”. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: