Ibovespa e Wall Street fecham em forte queda com temores sobre nova variante da Covid-19

Bolsa brasileira chegou à mínima do ano e companhias aéreas registraram perdas de mais de 10%.

Isabella Velleda
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


O Ibovespa fechou hoje (26) em forte queda de 0,89%, a 102.122 pontos, em sessão de aversão ao risco global por conta de receios sobre a nova variante da Covid-19, possivelmente resistente a vacinas. Nenhum dos papéis encerrou o pregão em alta. As contribuições negativas de maior peso ao índice foram Vale (VALE3) e Petrobras (PETR3 e PETR4), que caíram 2,64%, 4,36% e 3,88%, respectivamente, afetadas pelo recuo dos preços das commodities.

Pouco se sabe sobre a nova cepa, que já foi detectada na África do Sul, Botswana, Bélgica e Hong Kong, além de que ela tem uma combinação atípica de mutações, pode ser mais transmissível e capaz de evitar respostas imunológicas.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

No Brasil, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) recomendou a suspensão de voos vindos de países do sul do continente africano; o presidente Jair Bolsonaro descartou fechar os aeroportos do país. O Ministério da Saúde recomendou que estados e municípios aumentem a testagem e o rastreamento de casos, e que notifiquem imediatamente suspeitas da variante.

Azul (AZUL4), CVC (CVCB3) e Gol (GOLL4) estão entre os destaques negativos da sessão, com baixas de 13,78%, 11,17% e 10,95%, respectivamente, refletindo o impacto da nova cepa no turismo mundial. O Ibovespa encerrou a semana com queda acumulada de 1%.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“O medo da variante é só a gota que fez transbordar o copo cheio”, diz Simone Pasianotto, economista-chefe da Reag Investimentos, em referência ao cenário local, com inflação crescente, incertezas fiscais e ciclo de alta de juros. O andamento da PEC dos Precatórios, esperada para ser votada na semana que vem em comissão no Senado, segue no radar do mercado.

Em Wall Street, os índices também registraram fortes perdas. O Dow Jones cedeu 2,53%, a 34.899 pontos, o S&P 500 teve baixa de 2,27%, a 4.594, e o Nasdaq caiu 2,23%, a 15.491 pontos.

Todos os setores do S&P 500 recuaram por conta da nova variante, com o setor de energia liderando as perdas em 4,04%, e o setor de saúde sofrendo o impacto mais ameno, 0,45%. As operadoras de cruzeiros Carnival Corp, Royal Caribbean Cruises e Norwegian Cruise Line despencaram mais de 10% cada. United Airlines, Delta Air Lines e American Airlines também afundaram mais de 8%.

Apesar da liquidação, os participantes do mercado observaram que a queda foi provavelmente exagerada pelo volume reduzido de negociação nesta sessão, que teve menos horas de duração por causa do feriado de Ação de Graças de ontem (25).

O dólar fechou em alta de 0,54%, negociado a R$ 5,5948 na venda, em linha com a fraqueza internacional das moedas emergentes nesta sexta-feira e a busca dos investidores por segurança. Ainda assim, a cotação ficou bem distante das máximas intradiárias, o que alguns especialistas atribuíram à alta taxa de vacinação da população brasileira.

O dólar acumula queda de 0,18% na semana, e 0,60% no mês. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: