Inflação é menos inercial e pode mudar muito ao longo do próximo ano, diz Kanczuk, do BC

Kanczuk justificou que a alta expressiva da inflação foi calcada no avanço de preços de bens industriais, alimentos e combustíveis.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Amanda Perobelli/Reuters
Amanda Perobelli/Reuters

Pessoas caminham na rua 25 de Março em São Paulo

Acessibilidade


O diretor de Política Econômica do Banco Central, Fábio Kanczuk, afirmou hoje (30) que a visão na autoridade monetária é de que a inflação é menos inercial e pode mudar muito ao longo do próximo ano, no sentido de que pode surpreender para baixo.

Ao participar virtualmente de evento promovido pelo JP Morgan, ele também pontuou que o BC vê as mudanças nas expectativas para o PIB (Produto Interno Bruto) em 2022 menos ligadas à política monetária em si, e mais conectadas a questionamentos sobre o crescimento potencial do país.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Segundo Kanczuk, a grande questão no BC é mais relacionada à projeção de inflação, e menos ao crescimento. Ele complementou, inclusive, que a política monetária ainda não teria tido tempo de afetar a atividade.

“[A grande questão] é mais relacionada à projeção de inflação e a não concordarmos com a visão de que temos uma fenômeno muito inercial como o que tivemos na desinflação prévia”, afirmou.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Inflação é menos inercial e pode mudar muito ao longo do próximo ano”, complementou ele, falando em inglês.

Kanczuk pontuou que as alterações nas perspectivas para o crescimento econômico não são “um grande negócio” nas questões de tradeoff analisadas pelo BC.

“O que é um grande negócio, ao invés disso, é a questão sobre o que vai acontecer com a inflação num prazo mais longo”, disse.

“Agora todo mundo está vendo a inflação subir loucamente. Ok. Mas não vemos isso como algo muito inercial”, complementou.

Kanczuk justificou que a alta expressiva da inflação foi calcada no avanço de preços de bens industriais, alimentos e combustíveis. Mas a inflação de serviços ainda está baixa e a inércia está neste setor.

“Achamos que isso pode mudar, então podemos terminar com uma política monetária muito apertada e então, de repente, não sei quando, em algum momento no ano que vem, há uma mudança e tudo volta a correr suavemente nas cadeias de oferta. E então teremos preços industriais caindo, combustíveis e alimentos caindo e então a inflação cai muito rapidamente”, afirmou. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: