Texto alternativo à PEC prevê pagamento de precatórios fora do teto

José Aníbal explicou que, dos R$ 89 bilhões, R$ 25 bilhões seriam usados pelo governo para conceder o reajuste no salário mínimo e outros benefícios.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

O texto alternativo também prevê o fim das emendas de relator

Acessibilidade


Um texto alternativo apresentado à PEC dos Precatórios no final da tarde de hoje (17) por três senadores prevê o pagamento dessas dívidas da União reconhecidas judicialmente fora do teto dos gastos públicos, o que, na prática, abre espaço para o pagamento do Auxílio Brasil dentro do Orçamento.

A emenda substitutiva global dos senadores Alessandro Vieira (Cidadania-SE), José Aníbal (PSDB-SP) e Oriovisto Guimarães (Podemos-PR) permite que, excepcionalmente no próximo ano, as requisições de menor valor e os precatórios fiquem fora do teto de gastos, o que abriria espaço no Orçamento de R$ 89 bilhões.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

À Reuters, José Aníbal explicou que, dos R$ 89 bilhões, R$ 25 bilhões seriam usados pelo governo para conceder o reajuste no salário mínimo e outros benefícios que estão com “buracos” no Orçamento. Restariam assim R$ 64 bilhões, dos quais R$ 35 bilhões seriam usados para custear o Auxílio Brasil em um valor de R$ 400 para 20 milhões de famílias – e não as 17 milhões previstas inicialmente pelo governo, com a proposta da PEC que passou na semana passada pela Câmara.

“Romper teto era mudar a data de ajuste do teto, nós estamos fazendo um extrateto que é a imposição da pandemia, pandemia de fome”, disse o senador tucano.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O texto alternativo também prevê o fim das emendas de relator, instrumento de distribuição de recursos que tem sido chamado de “orçamento secreto” diante da dificuldade de rastrear os beneficiários dos repasses.

“As emendas de relator serão totalmente suprimidas. Ficam só as emendas de bancadas e individuais”, disse Aníbal.

A proposta dos três senadores será analisada pelo relator da PEC dos Precatórios do Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), que vai avaliar se acata as sugestões total ou parcialmente ou coloca o texto que passou na Câmara para votação. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: