Ibovespa abre em queda após nova redução na estimativa de crescimento do país

Dólar é negociado em alta com variante ômicron tomando proporções maiores.

Vitória Fernandes
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


O Ibovespa opera em queda de 0,37% na abertura do pregão de hoje (20), a 106.808 pontos perto das 10h10, horário de Brasília. Os investidores acompanham nova redução na expectativa de crescimento para a economia brasileira. No cenário internacional, a variante Ômicron do coronavírus continua preocupando os mercados.

O dólar sobe 0,09% ante o real por volta das 10h10. A moeda era negociada a R$ 5,6839.

Economistas reduziram pela 10ª vez seguida a expectativa para o crescimento da economia brasileira neste ano, mostrou a pesquisa Focus divulgada pelo Banco Central hoje.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Segundo a pesquisa, o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro deve crescer 4,58% em 2021, redução significativa ante a expectativa de alta de 4,65% na semana anterior.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Para 2022, os especialistas seguem vendo expansão econômica de apenas 0,50%.

Os economistas consultados semanalmente pelo BC ainda ajustaram o cenário para a inflação, vendo alta do IPCA de 10,04% este ano e de 5,03% no próximo, contra 10,05% e 5,02% antes, respectivamente.

A conta para 2021 fica bem acima do teto da meta de 3,75% com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou menos. Para o ano que vem o centro do objetivo é de 3,50%, com a mesma margem.

Em relação à taxa básica de juros, permanece a expectativa de que a Selic encerre 2022 a 11,50% e 2023 a 8,0%.

“Além das preocupações da propagação da nova variante Covid-19, os fatores internos fortalecem o fraco desempenho da bolsa no Brasil. Com as condições macroeconômicas deterioradas, como a alta inflação, elevação nos juros e atividade estagnada, o mercado espera um ano de volatilidade em 2022 devido às eleições presidenciais que se aproximam”, avaliou Túlio Nunes, especialista de finanças da Toro Investimentos

Mercados internacionais

Nos Estados Unidos, o líder da maioria no Senado, Chuck Schumer, disse hoje que a Casa avançará com a votação do projeto de investimento doméstico de US$ 1,75 trilhão do presidente norte-americano, Joe Biden, no início do ano que vem, apesar da oposição de um importante senador democrata, Joe Manchin.

“O Senado vai, de fato, avaliar o Build Back Better Act logo no começo do ano para que cada membro dessa entidade tenha a oportunidade de mostrar sua oposição no plenário do Senado, não apenas na televisão”, escreveu ele em carta a colegas.

Na Ásia, o mercado acionário da China fechou em baixa, uma vez que o corte da taxa referencial de empréstimo do país falhou em melhorar o sentimento do investidor, com analistas dizendo que seu impacto sobre a economia será limitado.

A China cortou sua taxa referencial de empréstimo (LPR) pela primeira vez em 20 meses, atendendo às expectativas do mercado, em uma tentativa de impulsionar a economia em desaceleração.

A LPR de um ano foi reduzida em 5 pontos básicos, enquanto a de cinco anos permaneceu inalterada. Analistas disseram que a decisão de manter a taxa de cinco anos mostra que Pequim prefere não usar o setor imobiliário para estimular o crescimento econômico.

O Hang Seng, de Hong Kong, desvalorizou 1,93%; e o BSE Sensex, de Mumbai, fechou o dia em queda de 2,09%. Já na China continental, o índice Shanghai perdeu 1,07%; e no Japão, o índice Nikkei recuou 2,13%.

Na Europa, os países começam a reforçar as medidas de restrição por conta da disseminação da variante do coronavírus.

Por volta das 10h10, o Stoxx 600 perdia 1,46%; na Alemanha, o DAX cai 1,81%; o CAC 40 em queda de 1,11% na França; na Itália, o FTSE MIB recua 1,97%; enquanto o FTSE 100 tem desvalorização de 1,169% no Reino Unido.

Compartilhe esta publicação: