Acreditamos nas oportunidades do metaverso, diz CEO da Ralph Lauren na NRF

"Eu já usei um avatar e ele não estava vestindo uma camiseta polo”, brinca Patrice Louvet, à frente da grife desde 2017.

Danielly Ortiz
Compartilhe esta publicação:
Divulgação/NRF
Divulgação/NRF

A jornalista Sara Eisen conversa com Patrice Louvet, presidente e CEO da Ralph Lauren, em um dos painéis mais esperados da NRF Big Show 2022

Acessibilidade


A grife Ralph Lauren está buscando novas maneiras para entregar valor aos seus consumidores, parceiros e investidores em todo o mundo. Em tempos incertos, a marca de luxo aproveita sua herança icônica e sua experiência no mercado de varejo para sair na frente, investindo no digital, sem perder de vista a sustentabilidade.

 Essa é a visão de Patrice Louvet, presidente e CEO da Ralph Lauren Corporation, que foi um dos altos executivos que participou do segundo dia da NRF Big Show 2022, o maior evento de varejo do mundo. 

Louvet afirma que a crise fez com que as pessoas repensassem suas vidas e seus planos, criando um momento crítico de inovação. Para se destacar no cada vez mais competitivo mercado de luxo, a grife desenvolveu uma estratégia de atuação comercial no metaverso, se juntando a grandes nomes da moda como Dolce & Gabbana, Hermès e Gucci.

“Eu já usei um avatar e ele não estava vestindo uma camiseta polo”, brinca o CEO. “Nós acreditamos na oportunidade que existe em torno desse novo mundo digital e do metaverso. Eu não sei o que vai acontecer, mas existe uma oportunidade aí.”

Para Louvet, existem muitos paralelos entre o metaverso e a visão de Ralph, o criador da marca. “Não enxergamos a Ralph Lauren como uma empresa da indústria fashion, mas sim de sonhos […]. A possibilidade de você ser projetado em qualquer lugar do mundo tem muita afinidade com a nossa filosofia, e é isso que o metaverso traz.”

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Apesar de não ter muitas certezas sobre o novo mundo digital, a marca acredita na importância de inovar e experimentar, testando novas estratégias.

“Não tenho o approach certo, mas você tem que tentar. Você pode ir ao Ralph Lauren Café com seus amigos [no metaverso], pode visitar a nossa loja virtualmente. Podemos nos conectar com o consumidor mais novo, criar experiências e mostrar a Ralph Lauren para as pessoas”, diz o CEO.

Em agosto do ano passado, a marca lançou uma experiência no Zepeto, mundo virtual apoiado pela gigante sul-coreana da internet Naver.

“É uma nova forma de receita. Quão grande vai ser? Não sei, mas a Ralph Lauren vendeu mais de 100 mil unidades no Zepeto. As pessoas querem vestir os avatares delas. Nós estamos aprendendo e experimentando.”

Apesar de assumir um pioneirismo, Louvet acredita que a única maneira de continuar crescendo com a inovação é se manter fiel à missão e estratégia da marca. “Não podemos fazer só por fazer”, conclui ele.

Responsabilidade social

De olho no crescimento da relevância da sustentabilidade para o consumidor, o CEO afirma que a crise causada pela pandemia da Covid-19 acelerou o progresso na área.

“A sustentabilidade não pode ser levada em um grupo paralelo, não mais. Tem que estar integrada em tudo que fazemos, como nas operações das lojas e na gestão de resíduos”, afirma Louvet.

Além disso, o CEO salienta que é preciso ter a certeza de que as medidas tomadas estejam gerando impacto. Atualmente o algodão representa 80% de todo o material utilizado pela Ralph Lauren Corporation – uma das principais metas de sustentabilidade da empresa gira em torno da matéria-prima.

“Acabamos de lançar no Australian Open um novo tecido de algodão para roupas de performance que é totalmente natural e respirável”, conta ele. 

Compartilhe esta publicação: