Investidor ativista Carl Icahn mira McDonald's por bem-estar animal

Bilionário quer que rede de fast-food pare de comprar carne suína de fornecedores que confinam fêmeas em gaiolas.

Amanda Péchy
Compartilhe esta publicação:
Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Carl Icahn tem patrimônio estimado em R$ 16,8 bilhões e ocupa a 111ª posição no ranking da Forbes

Acessibilidade


O investidor ativista Carl Icahn escolheu seu próximo alvo: o McDonald’s. O bilionário, atualmente a 111ª pessoa mais rica do mundo segundo o ranking da Forbes, usou sua pequena participação na rede de fast-food para indicar dois nomes para concorrer a cadeiras no conselho de administração.

A manobra faz parte da estratégia de Icahn, que possui apenas 200 ações do McDonald’s, para forçar a rede a abandonar fornecedores de carne suína que usem gaiolas gestacionais.

A técnica confina as fêmeas a espaços limitados, o que permite a individualização da alimentação, supervisão e evita agressões entre fêmeas, mas compromete o bem-estar dos animais. Os suínos presos nas gaiolas gestacionais têm maiores chances de desenvolver desde doenças urinárias a traumas psicológicos.

Em 2012, a cadeia de restaurantes fast-food se comprometeu a adquirir carne suína de produtores que não usassem gaiolas gestacionais. De acordo com jornais norte-americanos, Icahn atuou nos bastidores para forçar a nova política. Ele afirma, no entanto, que a promessa não foi cumprida.

Veja também: Conheça o bilionário norte-americano por trás da ButanVac

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Icahn, cujo patrimônio é avaliado em R$ 16,8 bilhões, afirmou em outras ocasiões que o modo como os animais são tratados é “obsceno” e pediu ao McDonald’s que estabelecesse um prazo para passar a exigir que todos os seus fornecedores de carne suína produzam sem gaiolas.

Em comunicado, a gigante de fast-food afirmou que esse compromisso seria impossível dada a oferta atual “e prejudicaria os esforços da empresa para fornecer aos clientes produtos de alta qualidade a preços acessíveis”.

A rede disse que espera obter de 85% a 90% de sua carne suína de fornecedores que não usam gaiolas até o final de 2022. Até 2024, promete chegar a 100%.

A companhia observou ainda que o próprio Icahn é o maior acionista da empresa Viskase, que fabrica e fornece embalagens para a indústria de suínos e aves – a qual não foi cobrada a cumprir as mesmas metas que o McDonald’s.

A rede afirmou que avaliará os indicados de Icahn “como faria com quaisquer outros candidatos”.

Veja também: McDonald’s aposta no Beyond Meat Test para virar o jogo da carne vegetal no fast food

Compartilhe esta publicação: