Heineken e Carlsberg aderem a exôdo da Rússia

A Carlsberg detém 27% de participação no mercado russo por meio do controle da maior cervejaria do país, a Baltika.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Divulgação
Divulgação

A Heineken, a terceira maior cervejaria da Rússia, disse mais cedo que pretende fazer uma “transferência ordenada” de seus negócios locais

Acessibilidade


As cervejarias Carlsberg e Heineken anunciaram hoje (28) que deixarão a Rússia, juntando-se a um número crescente de empresas ocidentais que estão saindo do país em meio à guerra na Ucrânia.

Para a Carlsberg, a cervejaria ocidental mais exposta à Rússia, a saída resultará em uma “baixa contábil” sem impacto no caixa este ano, disse a empresa sem fornecer mais detalhes.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

A Carlsberg detém 27% de participação no mercado russo por meio do controle da maior cervejaria do país, a Baltika.

“Tomamos a decisão difícil e imediata de buscar uma alienação total de nossos negócios na Rússia, o que acreditamos ser a coisa certa a fazer no ambiente atual”, afirmou a Carlsberg. “Após a conclusão, não teremos presença na Rússia.”

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

As ações da empresa, que acumulam queda de cerca de 25% desde o início da invasão, eram negociadas em alta de 4,2% nesta segunda-feira, caminhando para o melhor dia desde novembro de 2020.

A Heineken, a terceira maior cervejaria da Rússia, disse mais cedo que pretende fazer uma “transferência ordenada” de seus negócios locais, que respondem por 2% das vendas totais do grupo, reduzindo operações durante um período de transição para minimizar o risco de nacionalização.

A cervejaria holandesa espera registrar despesas relacionadas à saída do país de cerca de € 400 milhões (US$ 438 milhões) e disse que garantirá os salários de seus 1.800 funcionários na Rússia até o final do ano. As ações da Heineken operavam perto da estabilidade.

A Carlsberg gerou no ano passado 10% de sua receita total e 6% de seu lucro operacional na Rússia, onde possui oito cervejarias e 8.400 funcionários. A cervejaria assumiu o controle total da Baltika em 2008, mas enfrentou vendas lentas em meio a uma economia atingida por sanções e regulamentações para conter o abuso de álcool.

Os ativos não circulantes da cervejaria dinamarquesa na Rússia somavam 19,2 bilhões de coroas (US$ 2,83 bilhões) no final de 2021, representando cerca de 15% do total ou 44% do patrimônio total, segundo relatório anual da companhia.

A segunda maior cervejaria da Rússia é uma joint-venture entre a turca Anadolu Efes e a belga InBev. A InBev disse mais cedo neste mês que vai parar de vender a marca Bud na Rússia e não recolher lucro da joint-venture, que tem 11 cervejarias e 3.500 funcionários no país.

Compartilhe esta publicação: