IPCA-15 sobe mais que o esperado e tem maior nível para março em 7 anos

Resultado acontece sob o peso da alta dos alimentos e dos combustíveis e estoura com força o teto da meta da inflação.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Ricardo Moraes
Ricardo Moraes

Os grupos de alimentos, saúde e transportes representaram cerca de 75% do impacto total do IPCA-15 de março

Acessibilidade


O IPCA-15 subiu mais do que o esperado e atingiu o maior nível para março em sete anos sob o peso do aumento dos alimentos e dos combustíveis, levando a taxa em 12 meses a quase 11%, enquanto o Banco Central lida com a pressão inflacionária elevando juros após ter apontado preocupação com o impacto da guerra na Ucrânia sobre os preços.

O IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15), prévia da inflação brasileira, registrou em março alta de 0,95%, depois de ter subido em fevereiro 0,99%, informou o IBGE.

VEJA TAMBÉM: BC mantém projeção de alta do PIB de 2022 em 1,0%, mas indica preocupação com guerra

O resultado divulgado hoje (25) é o mais forte para um mês de março desde 2015 (1,24%), tendo ficado acima da expectativa em pesquisa da Reuters de alta de 0,87%.

O IBGE informou ainda que o avanço acumulado do IPCA-15 nos 12 meses até março saltou a 10,79%, de 10,76% no mês anterior e expectativa de 10,69%.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O resultado estoura com força o teto da meta para a inflação, que é de 3,5%, com margem de 1,5 ponto percentual para mais ou menos, medida pelo IPCA.

A pressão inflacionária deve aumentar ainda mais à frente, uma vez que a Petrobras anunciou no começo de março alta nos preços do diesel de cerca de 25% em suas refinarias, além de aumento de quase 19% na gasolina, na esteira dos ganhos nas cotações do petróleo no mercado internacional em função da guerra na Ucrânia.

Além do impacto direto no item combustível do IPCA, o aumento se reflete indiretamente em produtos e serviços.

Em março, todos os nove grupos pesquisados registraram aumento de preços, sendo o destaque a alta de 1,95% de alimentos e bebidas, de 1,20% no mês anterior.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Esse resultado deveu-se ao aumento de 2,51% dos preços de alimentos para consumo no domicílio diante da influência de fatores climáticos como estiagem no Sul e chuvas no Sudeste, de acordo com o IBGE.

O segundo maior impacto foi exercido pelo avanço de 1,30% dos preços de saúde e cuidados pessoais após variação negativa de 0,02% em fevereiro.

Já os custos de Transportes subiram 0,68% em março, de alta de 0,87% em fevereiro, com avanço de 0,83% da gasolina depois do reajuste nas refinarias.

Juntos, os grupos de alimentos, saúde e transportes representaram cerca de 75% do impacto total do IPCA-15 de março, informou o IBGE.

O Banco Central vem elevando os juros para tentar conter a inflação, mas já indicou fim do ciclo de aperto monetário em maio depois de aumentar a taxa básica a 11,75%.

Também informou que deverá fazer novo ajuste de um ponto percentual na Selic na próxima reunião, de maio, levando a taxa a 12,75% ao ano.

Uma política monetária mais apertada tende a esfriar os gastos do consumidor e, consequentemente, conter a alta dos preço, que também tende a ganhar impulso devido ao choque dos preços das commodities com a guerra entre Ucrânia e Rússia.

A autoridade monetária já demonstrou preocupação com o choque de oferta provocado pela guerra na Ucrânia, que pode pressionar ainda mais a inflação.

A pesquisa Focus mostra que os especialistas consultados pela autoridade monetária veem a inflação neste ano em 6,59%, recuando a 3,75% em 2023.

Compartilhe esta publicação: