Viajem menos e peguem carona, pede agência global de energia diante de crise

Pedido faz parte de plano para cortar o uso de petróleo à medida que a invasão da Ucrânia aumenta preocupações com oferta.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Regis Duvignau/Reuters
Regis Duvignau/Reuters

Recomendações da IEA podem reduzir a demanda de petróleo em 2,7 milhões de barris por dia em quatro meses

Acessibilidade


A Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês) pediu hoje (18) que os consumidores viajem menos, compartilhem o transporte e dirijam mais devagar, parte de um plano de 10 pontos para cortar o uso de petróleo à medida que a invasão da Ucrânia pela Rússia aprofunda as preocupações com a crise de oferta.

O plano do grupo de 31 países industrializados com sede em Paris – que não inclui a Rússia – destaca a urgência de uma crise de oferta provocada por sanções e aversão dos compradores ao petróleo russo, o que elevou os preços dos combustíveis.

VEJA TAMBÉM: Sanções contra Rússia podem tirar 3 milhões de barris de petróleo e derivados do mercado por dia

As recomendações – que incluem limites de velocidade mais baixos, trabalho em casa, dias sem carro nas cidades, transporte público mais barato e mais caronas – podem reduzir a demanda de petróleo em 2,7 milhões de barris por dia em quatro meses, disse a IEA.

Como a maior parte da demanda de petróleo vem do transporte, afirmou a agência, o plano se concentra em “como usar menos petróleo para levar pessoas e mercadorias de A até B”, com base em “medidas concretas” que já foram usadas em vários países e cidades.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Em um possível revés ao objetivo da agência de reduzir a demanda, muitos Estados membros da IEA e outros países implementaram, ou estão discutindo, subsídios para energia e combustíveis para transporte.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

A AIE instou os governos a tornarem as mudanças permanentes, não apenas por razões econômicas, mas também para combater as mudanças climáticas.

Compartilhe esta publicação: