Como bancos dos EUA estão entrando na onda das criptomoedas

Diversas instituições começaram a oferecer gestão de patrimônio exposição a clientes com moedas digitais.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Dado Ruvic/Reuters
Dado Ruvic/Reuters

Diversos bancos norte-americanos já oferecem serviços de gestão de patrimônio em criptomoedas

Acessibilidade


Na semana passada, um importante regulador bancário dos Estados Unidos alertou sobre riscos crescentes à medida que os bancos começam a aproveitar a popularidade das criptomoedas para oferecer serviços relacionados aos clientes.

Uma série de grandes bancos norte-americanos começou a oferecer aos clientes de gestão de patrimônio exposição a criptomoedas em 2021, com o Morgan Stanley liderando o grupo. A CNBC publicou em março que o Morgan Stanley estava permitindo o acesso a três fundos de bitcoin para clientes com pelo menos US$ 2 milhões em ativos mantidos no banco.

LEIA TAMBÉM: Novos bilionários 2022: brasileiros da Brex, Rihanna e outros 233 entram na lista

O Bank of New York Mellon anunciou em fevereiro de 2021 que manteria, transferiria e emitiria bitcoin para clientes de gestão de ativos, um dos primeiros anúncios desse tipo para um grande banco de Wall Street. O lançamento está previsto para o final deste ano.

O U.S. Bancorp iniciou em outubro operação de serviços de custódia de bitcoin. A empresa Bitcoin NYDIG está atuando como um sub-custodiante do banco. Os serviços são voltados para gestores de investimentos institucionais com recursos privados.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O State Street disse em março que pretende oferecer serviços de custódia de criptomoedas em parceria com a plataforma de infraestrutura Copper.co, embora tenha alertado que a oferta estava sujeita à aprovação regulatória.

O Wells Fargo também começou a oferecer a seus clientes de alta renda exposição em criptomoedas em meados do ano passado, assim como o State Street.

A unidade de gestão de patrimônio do Citigroup criou um grupo de ativos digitais em junho para facilitar investimentos em criptomoedas, stablecoins, tokens não fungíveis e moedas digitais de bancos centrais, de acordo com relatos da mídia.

Em março deste ano, o Goldman Sachs se tornou o primeiro grande banco dos EUA a realizar transações de balcão de criptomoedas em parceria com a Galaxy Digital, uma gestora de ativos focada em moedas digitais.

O Bank of America em julho de 2021, estava negociando futuros de bitcoin para determinados clientes por meio de uma parceria com o CME Group, de acordo com a CoinDesk. O Bank of America se recusou a comentar, mas disse em comunicado que estava “atualmente considerando estratégias relacionadas a criptomoedas e outros ativos digitais”.

O PNC Financial Services também está aguardando a aprovação de reguladores para permitir que seus clientes negociem criptomoedas.

Compartilhe esta publicação: