Ibovespa abre estável, mas caminha para segunda semana de perdas

Dólar sobe contra o real nesta quinta-feira, último dia de negociações antes do fim de semana prolongado por feriado.

Redação
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


O Ibovespa opera estável na abertura do mercado de hoje (14), com leve variação negativa de 0,08%, a 116.717 pontos, às 10h25 de Brasília. A sessão é de vencimento de opções sobre ações. A Bolsa brasileira vai na contramão de Wall Street, onde os principais índices registram altas no pre-market.

Assembleia de acionistas da Petrobras (PETR3 e PETR4) aprovou na noite de quarta-feira os indicados pelo governo e pelos minoritários para o novo Conselho de Administração da companhia, que deverá eleger José Mauro Coelho para a presidência-executiva da estatal.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Coelho, ex-secretário de Petróleo, Gás e Biocombustíveis do Ministério de Minas e Energia, foi eleito entre os 11 conselheiros definidos, conforme comunicado da Petrobras. A aprovação para o conselho é uma pré-condição para o executivo assumir o comando da empresa. As ações da petrolífera registram baixa de 0,72% e 0,44%, no mesmo horário.

O dólar subia contra o real nesta quinta-feira, último dia de negociações antes do fim de semana prolongado por causa do feriado, o que deve conter o apetite dos investidores por risco ao longo da sessão.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Além de citar a cautela antes do fechamento dos mercados na Sexta-Feira Santa, Victor Beyruti, economista da Guide Investimentos, chamou a atenção para temores fiscais antes da apresentação do Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) de 2023, nesta quinta-feira, depois que o governo decidiu conceder um reajuste de 5% a todos os servidores públicos federais a partir de julho.

A medida do governo busca debelar paralisações que já afetam órgãos públicos e faz aceno ao funcionalismo público antes das eleições presidenciais deste ano.

O temor dos mercados é que o aumento das despesas afete ainda mais a credibilidade fiscal do Brasil, que foi abalada no final do ano passado com a alteração da regra do teto de gastos sob a PEC dos Precatórios.

No exterior, o ambiente também não estava muito favorável a moedas de países emergentes, com a política monetária dos principais bancos centrais do mundo em foco.

As vendas no varejo dos Estados Unidos aumentaram em março, mas os consumidores estão mostrando sinais de redução dos gastos discricionários em meio à inflação elevada. O índice subiu 0,5% no mês passado, informou o Departamento do Comércio nesta quinta-feira. O dado de fevereiro foi revisado para mostrar aumento de 0,8% em vez de 0,3% como informado inicialmente.

Economistas consultados pela Reuters esperavam alta de 0,6% nas vendas varejistas, com as estimativas variando de queda de 0,3% a salto de 2,2%.

O Banco Central Europeu deixou inalterada sua política monetária nesta quinta-feira, mantendo os planos de reduzir lentamente o estímulo extraordinário, já que preocupações com a inflação recorde superam os temores de ume recessão relacionada à guerra.

O BCE tem reduzido o ritmo de impressão de dinheiro há meses, mas esboçou apenas um cronograma fraco para diminuir o suporte, enfatizando a flexibilidade, já que o conflito na Ucrânia e os preços muito altos da energia podem mudar de repente o cenário.

Por volta das 10h12, o Stoxx 600 avançava 0,51%; na Alemanha, o DAX subia 0,44% e o CAC 40 operava em alta de 0,39%. Na Itália, o FTSE MIB registrava alta de 0,74%; enquanto, no Reino Unido, o FTSE 100 subia 0,46%. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: