Rússia sinaliza mais cortes de juros e gastos orçamentários

Putin disse nesta segunda-feira que a Rússia deve usar seu orçamento estatal para apoiar a economia e a liquidez.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Sputnik/Aleksey Nikolskyi/Kremlin via Reuters
Sputnik/Aleksey Nikolskyi/Kremlin via Reuters

Presidente russo, Vladimir Putin

Acessibilidade


A Rússia sinalizou hoje (18) um provável corte adicional nas taxas de juros e mais gastos orçamentários para ajudar a economia a se adaptar às fortes sanções ocidentais, enquanto caminha para sua mais profunda contração desde 1994.

Putin disse nesta segunda-feira que a Rússia deve usar seu orçamento estatal para apoiar a economia e a liquidez quando a atividade de empréstimos tiver diminuído. O Banco Mundial espera que a economia russa encolha mais de 11% este ano.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

O banco central da Rússia mais do que dobrou sua taxa básica de juros, de 9,5% para 20%, em 28 de fevereiro, quatro dias depois que as forças russas entraram na Ucrânia. Mas depois, em 8 de abril, a reduziu para 17%.

Nesta segunda-feira, a presidente da autoridade monetária, Elvira Nabiullina, sinalizou que tentará cortar os custos dos empréstimos ainda mais.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Devemos ter a possibilidade de reduzir a taxa básica mais rapidamente”, disse Nabiullina. “Devemos criar condições para aumentar a disponibilidade de crédito para a economia.”

“O período em que a economia pode viver de reservas é finito. E já nos segundo e terceiro trimestres entraremos em um período de transformação estrutural e de busca por novos modelos de negócios”, disse Nabiullina em seu discurso mais significativo desde que a Rússia enviou suas forças à Ucrânia, em 24 de fevereiro.

Ela disse a membros do Parlamento que isso será acompanhado por um aumento nos preços de certos bens, de modo que a inflação – que atingiu 17% ao ano em março – ficará acima da meta. Mas isso será causado pela baixa oferta, não pela demanda alta.

“Portanto, não tentaremos reduzi-la de forma alguma –isso impediria que os negócios se adaptassem”, disse ela. Mas “o crescimento da inflação não deve ser incontrolável” e a política monetária do banco a trará de volta à meta de 4% em 2024.

Ela também disse que Moscou planeja tomar medidas legais sobre o bloqueio de ouro, moedas estrangeiras e outros ativos pertencentes a residentes russos, acrescentando que tal medida precisaria ser minuciosamente pensada.

Ainda nesta segunda-feira, Putin disse a Nabiullina e a autoridades do governo via link de vídeo que a Rússia deve acelerar o processo de usar moedas nacionais no comércio exterior.

Compartilhe esta publicação: