Petrobras eleva preço do querosene de aviação em mais de 11%

Na esteira da alta dos preços do petróleo, a Petrobras tem feito aumentos a cada mês de 2022

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Paulo Whitaker/File Photo/File Photo/Reuters
Paulo Whitaker/File Photo/File Photo/Reuters

Logo da Petrobras em tanque da refinaria de Paulínia

Acessibilidade


A Petrobras (PETR3/PETR4) elevou o preço do querosene de aviação (QAV) em vários polos a partir ontem (1º), de acordo com informação em seu site, com o fornecimento nas áreas de importantes aeroportos ficando cerca de 11% mais caro na comparação com a cotação de maio.

Na esteira da alta dos preços do petróleo, a Petrobras tem feito aumentos a cada mês de 2022. No acumulado do ano, a alta do QAV supera 60%, aumentando custos de companhia aéreas e consumidores.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Em Guarulhos (SP), a alta mensal foi de 11,2%, para R$ 5,626 por litro. Em Duque de Caxias, o aumento foi de 11,29%. Em Betim (MG), o reajuste foi de 11,14%, conforme dados da Petrobras.

A Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) confirmou um reajuste de 11,4%, uma vez que o site da Petrobras não traz um valor médio no país.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Esses dados comprovam a pressão diária que as empresas enfrentam com a alta dos custos estruturais, especialmente o preço do QAV, que tem sido impactado pela alta da cotação do barril de petróleo no mercado internacional, por causa da guerra na Ucrânia”, disse em nota o presidente da Abear, Eduardo Sanovicz.

O QAV representa mais de um terço dos custos totais das companhias aéreas.

“A valorização do dólar em relação ao real também é um desafio cotidiano, já que metade dos custos do setor são dolarizados”, acrescentou Sanovicz.

Desde o início do ano, a cotação em Guarulhos avançou 64,4%. Outros polos de entrega do combustível de aviação também tiveram altas nesta magnitude.

As ações das empresas aéreas Azul (AZUL4) e GOL (GOLL4) tiveram quedas acentuadas na véspera, de 5,82% e 3,86%, respectivamente, data em que a Petrobras efetuou o reajuste. Hoje, os papéis das empresas operavam em alta.

Compartilhe esta publicação: