Ações do Alibaba têm maior queda em um mês após investigação sobre vazamento de dados

As ações terminaram a semana em queda de 15,3%, o maior recuo semanal desde a estreia do papel no mercado de Hong Kong em 2019

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Aly Song/Reuters
Aly Song/Reuters

Autoridades de Xangai convocaram executivos da divisão de computação em nuvem da empresa para darem explicações sobre o roubo de dados

Acessibilidade


As ações do Alibaba tiveram a maior queda em um mês hoje (15), depois que o Wall Street Journal publicou que a divisão de computação em nuvem da gigante de tecnologia chinesa foi convocada pelas autoridades de Xangai em conexão com um roubo de dados policiais.

Um hacker anônimo afirmou no início deste mês ter obtido informações pessoais de mais de 1 bilhão de chineses junto à polícia de Xangai. Um painel de gerenciamento do banco de dados ficou aberto na internet por mais de um ano sem proteção de senha, o que facilitou o acesso ao conteúdo, publicou o Wall Street Journal, citando pesquisadores de segurança eletrônica.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Com base em varreduras do banco de dados da polícia, os investigadores disseram que os dados estavam hospedados na plataforma de computação em nuvem do Alibaba, que desativou temporariamente o acesso ao banco de dados violado e iniciou uma análise desde que o roubo dos dados foi descoberto, segundo a reportagem.

O jornal, citando fontes familiarizadas com o assunto, também disse que as autoridades de Xangai convocaram executivos da divisão de computação em nuvem da empresa para darem explicações sobre o roubo de dados.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O governo de Xangai e porta-vozes do Alibaba e da divisão de computação em nuvem não comentaram o assunto. As autoridades chinesas ainda não confirmaram se a violação ocorreu.

O preço das ações do Alibaba nesta sexta-feira caiu até 5,98%, marcando a maior queda percentual diária desde 13 de junho.

As ações terminaram a semana em queda de 15,3%, a maior queda percentual semanal desde a estreia do papel no mercado de Hong Kong em novembro de 2019.

As ações da empresa listadas nos Estados Unidos fecharam em queda de 3,6% na quinta-feira.

Brock Silvers, diretor de investimentos da Kaiyuan Capital em Hong Kong, disse que se o Alibaba realmente estivesse conectado à suposta violação, estaria “à mercê dos reguladores de Pequim”.

“Novos negócios podem ser prejudicados até que este assunto seja esclarecido. Mesmo quando for esclarecido, há potencial para multas substanciais”, disse ele.

A divisão de computação em nuvem do Alibaba, a maior da China em participação de mercado, já esteve sob a mira de reguladores. Em dezembro, o Ministério da Indústria da China suspendeu um acordo de cooperação com o Alibaba Cloud devido a acusações de que não havia relatado e resolvido prontamente uma vulnerabilidade de segurança digital.

Inscreva-se na seleção para a lista Under 30 2022

Compartilhe esta publicação: