Startup focada em criadores de conteúdo capta US$ 1,4 milhão em primeira rodada de investimento

Com menos de um ano de existência, Lastlink já conta com 1.000 influenciadores que utilizam sua plataforma de gerenciamento de assinaturas.

Matheus Riga
Compartilhe esta publicação:
Divulgação
Divulgação

O CEO e fundador da Lastlink Michel Ank

Acessibilidade


Em pouco menos de um ano desde sua fundação, a startup Lastlink, que oferece uma plataforma para criadores de conteúdo gerenciarem as assinaturas de grupos fechados no Instagram, Telegram e WhatsApp, já se prepara para acelerar o ritmo de crescimento. A empresa de Belo Horizonte (MG) anunciou a captação de US$ 1,4 milhão (R$ 7 milhões) em sua primeira rodada de investimento, liderada pelo fundo Canary. A Graph Ventures e investidores-anjo, como o CEO do Méliuz, Israel Salmen, o CEO da SambaTech, Gustavo Caetano, e a vice-presidente de marketing da MadeiraMadeira, Marcela Rezende, também participaram do aporte.

Criada e desenvolvida pelo empreendedor Michel Ank, a Lastlink começou a operar em agosto do ano passado com a proposta de oferecer uma ferramenta para facilitar o  trabalho dos criadores de conteúdo. A solução permite que o influenciador crie uma página para centralizar os pagamentos e conectar suas redes sociais – como as contas do Instagram, Telegram e WhatsApp – para, assim, automatizar o fluxo de entradas e saídas desses canais, onde são publicados textos, vídeos e áudios exclusivos, além de ser um ponto de contato mais próximo.

VEJA TAMBÉM: Startup brasileira cloud humans é selecionada para investimento e aceleração da Y Combinator

A plataforma da Lastlink já atraiu mais de 2.100 criadores de conteúdo, como professores, instrutores de educação física, médicos, advogados e modelos. Ao todo, os perfis inscritos na solução da startup gerenciam mais de 550 mil membros em conjunto. Com o aporte, a companhia quer atrair mais influenciadores e, para isso, vai utilizar parte dos recursos para reforçar sua tecnologia e realizar mais contratações. “Nós percebemos que poderíamos agregar mais valor ainda para os nossos usuários caso focássemos no desenvolvimento de novos produtos, e isso requer mais pessoas”, afirma Ank.

Uma das apostas do executivo é a de incluir novas redes sociais na plataforma. A integração com o WhatsApp, por exemplo, foi desenvolvida recentemente e está disponível apenas para alguns usuários. A startup, porém, quer ir além das redes sociais para a gestão de grupos fechados. “O objetivo é desenvolver novas ferramentas dentro da nossa plataforma”, afirma o CEO. “A partir de julho, os nossos usuários já poderão subir vídeos exclusivos para seus assinantes, e temos planos de, em breve, desenvolver uma solução para a transmissão de lives.”

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Com relação às contratações, a startup quer dobrar o time até o final deste ano. O foco, conta Ank, será em profissionais de tecnologia, desenvolvimento de produto, vendas, marketing e sucesso do cliente. A perspectiva é de que a Lastlink chegue até 70 colaboradores em dezembro deste ano. “A gente quer mostrar para o criador de conteúdo que é, sim, possível viver de sua paixão ou hobby”, diz o CEO. “A tecnologia não é o único meio para isso, mas é muito importante.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: