Fortnite não é o primeiro: veja outras techs que perderam a paciência com a China

A decisão da Epic Games, de desabilitar seu jogo no país, por não tolerar interferências, passou a valer nesta segunda-feira, 15; LinkedIn, Yahoo e outras empresas tomaram o mesmo rumo.

Luiz Gustavo Pacete
Compartilhe esta publicação:

A China está entre os maiores consumidores de games do mundo tendo mais de 600 milhões de jogadores e movimentando R$ 140 bilhões por ano, segundo a consultoria Newzoo (Crédito: Getty Images)

Acessibilidade


Como já havia sido anunciado pela Epic Games, o Fortnite, jogo com mais de 350 milhões de usuários, desligou seus servidores na China nesta segunda-feira, 15. A decisão da desenvolvedora é uma resposta às intervenções a vários setores. No caso dos games, o governo chinês vem tomando uma série de medidas de regulação que tem como justifica o combate ao vício em jogos por parte dos jovens.

A decisão não afeta somente aos jogadores chineses. A desenvolvedora, que tem como um de seus acionistas a chinesa Tencent, também interrompeu uma versão que testava entre os chineses. Ela foi desenvolvida para atender restrições relacionadas a violência e obscenidade. Vale lembrar que a China está entre os maiores consumidores de games do mundo tendo mais de 600 milhões de jogadores e movimentando R$ 140 bilhões por ano, segundo a consultoria Newzoo. Os usuários do jogo na China lamentaram a decisão.

LEIA TAMBÉM: Meta: a nova marca corporativa do Facebook

No início do mês, todos os serviços do Yahoo deixaram de estar disponíveis no país asiático. Presente por lá desde 1999, quando lançou seu sistema de busca, a empresa começou a reduzir equipes em 2013 e, desde o início do mês, deixou de operar de forma definitiva. Em outubro, a Microsoft anunciou a retirada do LinkedIn do País explicando que a decisão foi motivada por um ambiente cada vez mais restritivo do ponto de vista operacional em função do rigor e da burocracia.

O LinkedIn será substituído por uma nova plataforma que opera somente como fonte de busca de empregos e sem o caráter de rede social. No passado, Facebook, Twitter, Instagram e YouTube, ao se recusarem a se submeter as regras locais, tiveram seus serviços bloqueados. Esse novo ciclo de investidas da China contra empresas de tecnologia chegou a comprometer IPOs que seriam feitos nos Estados Unidos. Investidores se preocupam que, com a ameaça regulatória em alta, o risco deve ser considerado.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Compartilhe esta publicação: