Como as marcas de luxo podem ganhar dinheiro no metaverso?

Na nova fronteira digital, onde os usuários podem adentrar por meio de diferentes dispositivos e plataformas, os avatares são tudo.

Bernard Marr
Compartilhe esta publicação:

O Gucci Garden, dentro do Roblox, onde a marca vendeu uma única bolsa por mais de US$ 4 mil (Crédito: Reprodução)

Acessibilidade


O metaverso é o tema da ordem do dia. E nessa nova fronteira virtual, um mundo onde os usuários podem adentrar por meio de diferentes dispositivos e plataformas, os avatares são tudo. E isso significa que alguns consumidores pagarão muito dinheiro para equipar seu avatar com produtos de luxo. O CEO da Meta, Mark Zuckerberg, espera que esse nicho seja grande no metaverso. “Os avatares serão tão comuns quanto fotos de perfil hoje, mas em vez de uma imagem estática, eles serão representações 3D vivas de você, suas expressões, seus gestos que tornarão as interações muito mais ricas do que qualquer coisa que seja possível on-line hoje. Você provavelmente terá um avatar fotorrealista para o trabalho, um estilizado para sair e talvez até um de fantasia para jogos.

Ou seja, um guarda-roupa de roupas virtuais para diferentes ocasiões projetadas por diferentes criadores e de diferentes aplicativos e experiências. Neste contexto, a maioria dos bens de luxo virtuais são lançados em quantidades limitadas e os usuários que os compram recebem um NFT (token não fungível) como uma certificação virtual de propriedade. No metaverso, os usuários poderão transportar itens como roupas, acessórios e decoração de uma plataforma para outra (por exemplo, do mundo do jogo Fortnite para o universo do Meta).

Os benefícios dos bens virtuais para marcas de luxo

Elimine o excesso de estoque

Gonçalo Cruz, fundador e CEO da PlatformE, um provedor de tecnologia que ajuda marcas convencionais a criar e lançar formatos 3D de coisas como roupas, diz que os bens virtuais podem resolver o problema do excesso de oferta. “Toda marca tem superprodução, estoque em excesso e, obviamente, acúmulo de produtos no final da temporada”, diz ele sobre a indústria da moda em geral. “Então você começa a descontar, e essa é uma história sem fim. Você vê descontos de 90% nas lojas agora. Isso desvaloriza o valor da marca.” Com bens virtuais, as marcas não terão que realizar vendas com grandes descontos para descarregar o excesso de estoque.

Grandes margens

A criação de bens de luxo não consome nenhuma matéria-prima e a mão de obra é mínima. Isso significa que vender roupas e acessórios virtuais equivale a quase todo o lucro. Os designers também têm uma enorme margem de manobra criativa na criação de bens virtuais, porque as limitações normalmente impostas pelos aspectos práticos do mercado não se aplicam. As empresas podem trazer designs antigos de volta. A maioria das marcas de luxo tem décadas de designs de arquivo que podem ser convertidos em ativos virtuais, proporcionando um novo fluxo de receita com investimento mínimo.

Consultora do metaverso Cathy Hackl, diz: “Nem tudo o que eles criam no metaverso precisa ser novo. Eles podem alavancar seus muitos anos de história e herança e apresentar seu legado às novas gerações. A nostalgia é um sentimento poderoso e, no final das contas, criatividade é criatividade.”

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Continuação da receita de revenda

Muitos dos certificados inteligentes ou NFTs para itens virtuais incluem taxas de royalties ou compartilhamentos de receita em transações futuras quando o item muda de mãos. Isso significa receita contínua para o designer original e menos problemas com imitações.

Exemplos de marcas que já estão reivindicando o metaverso

1 – Gucci

O Gucci Garden, no Roblox, vende os designs da marca e já comercializou uma única bolsa por mais de US $ 4 mil.

2 – Tommy Hilfiger

O braço de capital de risco da Tommy Hilfiger anunciou uma parceria com a agência de marketing viral EWG Virtual para se concentrar no “v-commerce”.

3 – Burberry

A Burberry criou uma série de NFTs jogáveis únicas chamadas Sharky B que vivem em Blankos Block Party da Mythical Games. Os personagens incluem acessórios como braçadeiras, jetpacks e sapatos de piscina. A coleção de criação esgotou rapidamente por quase US$ 400 mil.

Coleção da Balenciaga desenvolvida dentro do universo virtual de Fortnite (Crédito: Divulgação)

4 – Balenciaga

A Balenciaga lançou sua coleção de roupas em Fortnite. Essas “skins” (roupas para personagens do jogo) são compradas usando V-Bucks, a moeda mundial do Fortnite. V-Bucks são comprados com dinheiro real.

5 – Dolce & Gabbana

A Dolce & Gabbana vendeu sua coleção de nove peças ‘Collezione Genesi’ no mercado digital de luxo UNXD por US$ 5,7 milhões.

Compartilhe esta publicação: