iFood: o impacto da liberação da Anac na massificação dos drones

Agência Nacional de Aviação Civil concedeu autorização para que a empresa de delivery realize entregas com as aeronaves; testes eram feitos desde 2020.

Luiz Gustavo Pacete
Compartilhe esta publicação:

Além dos testes feitos com drones, o iFood também experimenta o uso de robôs para entregas (Crédito: Divulgação)

Acessibilidade


Os drones aplicados ao delivery começaram a ser testados em agosto de 2020 após autorização da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC). Desde o início de 2022, as aeronaves também passaram a ser utilizadas em oito estados por meio de uma autorização concedida à Speedbird Aero que desenvolveu tecnologia nacional na produção das aeronaves e nos softwares de navegação.

Os drones usam uma rota pré-determinada, partindo e chagando em locais chamados de droneportos. A operação experimental já foi feita em Belo Horizonte (MG), Curitiba (PR), João Pessoa (PB), Aracaju (SE), Rio de Janeiro (RJ), Campinas (SP) e São Paulo (SP).

LEIA TAMBÉM: 5 empresas que fazem delivery com drones e robôs

Samuel Salomão, chefe de produto da Speedbird, destaca que o uso de tecnologia nacional é crucial para  massificação dos drones. A aeronave usada é a DLV-1, drone com capacidade de levar até 2 quilos de carga em uma distância de quatro quilômetros, que poderá ser ampliado em breve.

Nos Estados Unidos, a Amazon já realiza entregas via drone há alguns anos (Crédito: Divulgação)

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

 

Como funciona a entrega por drones do iFood?

Nesta semana, o iFood foi a primeira empresa das américas autorizada a realizar entregas usando drones em todo o território brasileiro. No final do ano passado, a empresa já havia feito entregas em Sergipe. “Esse é um marco histórico na aviação, mas também no início de uma mudança que agilizará as entregas com o uso de um modal aéreo em parte das rotas”, diz Fernando Martins, head de logística e inovação no iFood.

Fernando explica que os drones fazem apenas uma parte do trajeto: eles levam os pedidos até um droneport (área específica e segura para pousos e decolagens de drones), onde são coletados por um parceiro entregador do iFood que completa a entrega fazendo o transporte até a porta dos clientes. O iFood vem testando o modal desde 2020.

No final de 2021, o trajeto entre duas cidades diferentes foi testado pela primeira vez, entre Aracaju e Barra dos Coqueiros. O drone atravessou o rio Sergipe a partir do Shopping RioMar Aracaju e percorreu 2,8 quilômetros até Barra dos Coqueiros. A viagem pelo ar levou 5 minutos 20 segundos, contra a estimativa de 25 a 55 minutos do trajeto terrestre.

Compartilhe esta publicação: