Satélite de startup brasileira vai ao espaço a bordo da Space X, de Elon Musk

O equipamento desenvolvido pela Pion Labs ficará em órbita por dois anos e teve um custo estimado de R$ 500 mil.

Luiz Gustavo Pacete
Compartilhe esta publicação:
Reprodução/SpaceX
Reprodução/SpaceX

O lançamento do Falcon 9 é uma significativa vitória para a empresa espacial privada do bilionário Elon Musk (Crédito: Getty Images)

Acessibilidade


O lançamento do Falcon 9, da SpaceX, de Elon Musk, nesta quinta-feira, 13, teve um gostinho especial para a startup brasileira Pion Labs. A empresa fundada em 2019 por estudantes da Universidade Federal do ABC (UFABC) e da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) foi responsável pelo desenvolvimento do Pion-BR1, o primeiro satélite nacional brasileiro enviado ao espaço.

O Pion-BR1 foi lançado a bordo do Falcon 9 diretamente do Cabo Canaveral, na Flórida e possui tamanho similar a de um smartphone. A previsão é que ele seja liberado em uma órbita de 520 quilômetros de altitude. No total, foram sete meses para sua construção e 90% dos componentes utilizados foram fabricados no Brasil.

O Pion BR1 custou o equivalente a R$ 500 mil e 90% de seus componentes são nacionais (Crédito: Reprodução)

A missão do satélite é ficar em órbita por dois anos e servir de experimento para que os desenvolvedores brasileiros observem a comunicação e bateria. A startup tem planos de colocar vários satélites em órbita com o objetivo de contribuir nos dados climáticos e outros relacionados ao Brasil. As informações captadas pelo Pion-BR1 serão enviadas a participantes de programas de estudo do ministério da Ciência.

A estimativa é de que o satélite tenha custado R$ 500 mil. O equipamento passou por centenas de testes realizados pela SpaceX para que pudesse ir a bordo.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Conheça a SpaceX, de Elon Musk

A SpaceX, empresa de exploração espacial privada do fundador da Tesla, Elon Musk, foi avaliada, em outubro do ano passado, em mais de US$ 100 bilhões com base em um acordo privado entre atuais e novos investidores. O valor traz uma imensa valorização do preço de mercado da companhia, que é superada por apenas uma outra empresa privada em todo o mundo.

 

Compartilhe esta publicação: