Como o NFT transformou uma pequena empresa de jogos em potência bilionária

Há quatro anos, a tokenização e o blockchain foram a salvação da Animoca Brands.

Justin Birnbaum
Compartilhe esta publicação:
Forbes
Reprodução

“O único lugar em que não estamos é provavelmente a Antártida”, diz Yat Siu, fundador da Animoca Brands

Acessibilidade


Yat Siu está exausto. O executivo de 49 anos, nascido na Áustria e baseado em Hong Kong, não dorme mais do que algumas horas por noite hoje em dia, mas não consegue deixar de lado a euforia quando perguntado sobre seu negócio de jogos blockchain, o Animoca Brands. Ostentando uma jaqueta preta com capuz e óculos de meia armação, ele gesticula descontroladamente enquanto expõe o destino glorioso que vê para a descentralização dos jogos e os direitos de propriedade digital.

Este futuro – governado por tokens não fungíveis (NFTs) e tecnologia blockchain – foi a salvação de Siu. Há pouco mais de quatro anos, a Animoca Brands estava lutando. As receitas do pequeno negócio de jogos para celular, que ele fundou com David Kim, ex-sócio do Softbank e ex-CEO do Mail.com, sucesso inicial da internet, em janeiro de 2014, cairam 25%, para US$ 5,2 milhões, e sua capitalização de mercado era inferior a US$ 6 milhões.

Em 2017, Siu se deparou com o CryptoKitties, um mercado inicial baseado em blockchain onde os usuários compravam, vendiam e colecionavam animais de estimação virtuais. Ele pegou o bug e investiu em sua controladora com sede em Vancouver, Dapper Labs (então chamada Axiom Zen), uma empresa que agora vale US$7,6 bilhões. Foi o início do que se transformaria em mais de 150 investimentos relacionados a NFT. A Animoca Brands agora tem participações nos maiores e bem-sucedidos negócios de NFT do mundo, incluindo OpenSea (o maior mercado de NFT com receita estimada de US$375 milhões em 2021), Dapper Labs, que criou a plataforma Top Shot da NBA (quase US$1 bilhão em basquete “moments” vendidos desde novembro de 2020) e Sky Mavis, fabricante do Axie Infinity, o jogo NFT de sucesso do ano passado (avaliado em cerca de US$3 bilhões).

Games e blockchain

Em meados de janeiro, a Animoca Brands levantou quase US$360 milhões em uma avaliação de US$5,4 bilhões, mais do que dobrando sua marca anterior de US$2,2 bilhões em relação a outubro. A Forbes estima que Siu tenha uma participação de 10% no valor de quase US$500 milhões. Entre os investidores estão Liberty City Ventures, Soros Fund Management e Winklevoss Capital. Desde seus dias sombrios em 2017, a empresa cresceu de 57 funcionários para mais de 600. Nos primeiros nove meses de 2021, gerou US$670 milhões em receitas, com cerca de US$530 milhões provenientes de ganhos em ativos digitais e investimentos. Suas reservas de moedas foram avaliadas em quase US$16 bilhões no final de novembro.

Arquivo pessoal
Arquivo pessoal

O Axie Infinity tornou-se um dos principais jogos de criptomoedas (Crédito: Reprodução)

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

No geral, o mercado global de NFTs aumentou para US$25 bilhões no ano passado, de US$100 milhões em 2020. Um quinto disso vem de videogames, de acordo com o rastreador da NFT DappRadar. Grande parte da ação ocorreu em lugares como as Filipinas, onde jogadores de baixa renda adotaram um modelo de “jogar para ganhar” que pode render a eles uma renda estável de alguns dólares por dia. Os jogadores ocidentais estão menos ansiosos para abraçar a tendência. Os jogos Blockchain são o futuro da indústria de videogames de US$200 bilhões – ou é outra bolha esperando para estourar.

LEIA TAMBÉM: Entenda o Axie Infinity e as oportunidades trazidas pelos cripto games

Os conceitos por trás dos jogos blockchain já existem há algum tempo, desde as prósperas economias dos jogos multiplayer online do início dos anos 2000, especialmente World of Warcraft, e mais tarde o projeto proto-metaverso Second Life, que tinha sua própria moeda digital ( o Linden Dollar) e foi o lar do primeiro boom imobiliário virtual (e depois colapso) em 2006. Blockchain é uma aposta maciça na ideia de “verdadeira propriedade digital”, onde os jogadores podem não apenas comprar e vender itens (pense em roupas exclusivas ou espadas super poderosas) dentro de um jogo, mas onde esses ativos existem (no blockchain) independentemente desse jogo. Como isso acontece praticamente em uma indústria em que os desenvolvedores de jogos concorrentes não conseguem nem concordar com os padrões mais básicos (há desacordo sobre qual direção deve ser considerada “para cima”) é uma incógnita, mas um aplicativo de jogos NFT já pegou: jogue para ganhar.

Considere o The Sandbox, um jogo para celular que a Animoca Brands adquiriu em 2018 e transformou em um produto blockchain. Um jogador pode comprar um terreno virtual por cerca de US$4.000, preenchê-lo com edifícios, objetos ou personagens personalizados e vendê-lo por um preço mais alto, apenas colocando o tempo. A Animoca Brands embolsa uma taxa cada vez que é negociada. O Sandbox também tem sua própria moeda do jogo, chamada Sand, que corresponde ao valor do mundo real – atualmente de US$4,5 bilhões, de acordo com o CoinMarketCap.com. A Animoca Brands não coleta royalties sobre o token, mas acumulou uma reserva que aparece em seu balanço.

Criptogames

Por mais promissor que seja, o mundo ainda não descobriu como regular criptomoedas e NFTs. O controverso modelo “jogar para ganhar” e o uso de moedas no jogo alimenta temores de jogos de azar, manipulação de mercado e exploração de trabalhadores no mundo menos desenvolvido, que muitas vezes alugam NFTs de jogadores em países mais desenvolvidos em troca de uma parte de seus ganhos. Alguns jogadores do Axie Infinity, principalmente baseados nas Filipinas, jogam o jogo digital de monstros como sua principal fonte de renda.

No ano passado, o Congresso dos EUA apresentou 35 projetos de lei sobre política de criptomoedas e blockchain. Apenas um foi aprovado, embora na Austrália, o ASX tenha anunciado planos para permitir que exchanges de criptomoedas e ETFs negociem na exchange. Jack Dorsey’s Block (anteriormente Square) listado lá em janeiro. “É grande demais para ser ignorado”, diz o ex-regulador da ASX Greg Medcraft.

LEIA TAMBÉM: Criptomoedas, games e blockchain movimentam parcerias no Brasil

Nem todos compartilham o entusiasmo de Siu. Samson Mow, tecnólogo-chefe da Blockstream, que cria produtos para armazenar e transferir Bitcoin, diz que a economia de um “Open Metaverse”, ou uma coleção intercambiável de mundos virtuais, funciona contra as empresas de jogos. “Se Call of Duty vendeu algumas armas para você, a Ubisoft não quer que você as traga para Rainbow Six porque isso corrói as vendas de itens”, diz Mow. “Eu simplesmente não consigo ver isso acontecendo do jeito que as pessoas estão profetizando que acontecerá, como [o romance] Ready Player One, onde você simplesmente se move sem problemas.” Mow acrescenta que a tecnologia blockchain está longe de ser verdadeiramente descentralizada – Ethereum, a rede que alimenta quase todos os jogos NFT, por exemplo, depende muito da Amazon Web Services.

E muito disso pode parecer modismo. O token principal do Axie Infinity, AXS, perdeu quase 60% de seu valor nos últimos três meses, de acordo com o CoinMarketCap.com. O CEO da Electronic Art, Andrew Wilson, que anteriormente manifestou interesse em entrar no espaço NFT, voltou atrás em seus comentários em uma recente teleconferência de resultados. A Valve, empresa proprietária da popular plataforma de jogos Steam, baniu jogos blockchain e NFTs em outubro. O CEO da Microsoft Gaming, Phil Spencer, disse que os jogos NFT “parecem mais exploradores do que entretenimento”.

Compartilhe esta publicação: