Memecoins: apenas zoeira da internet ou opção de investimento?

Will Smith Inu, inspirada no tapa do ator no Oscar, chegou a valorizar 1600% em seus primeiros dias.

Luiz Gustavo Pacete
Compartilhe esta publicação:
Reprodução

A Will Smith Inu também ganhou um site e chegou a ser alvo de críticas pelo oportunismo de sua existência

Acessibilidade


Uma criptomoeda que surgiu de um meme. Essa é a definição da Will Smith Inu, ativo digital inspirado no tapa do ator Will Smith no comediante Chris Rock, na noite do Oscar, no domingo, (27). A moeda, considerada uma memecoin, ou seja, cuja criação é inspirada em memes repercutiu e, com 24 horas de existência, já havia valorizado 1600%. Outras criptomoedas também surgiram de momentos famosos da internet como a Dogecoin, inspirada em um meme do cachorro da raça japonesa Shiba Inu. Também existiu a Mongoose Coin, que chegou a ter valorizações de até 400%, neste caso, a criptomoeda zombava de congressistas americanos.

“As memecoins, inspiradas em memes da internet, representam uma oportunidade de destaque entre tantas outras do mercado. Isso ocorre pelo fato de que a característica baseada no humor, muitas vezes, conta com forte apoio da comunidade online para seu sucesso. A cotação dessas memecoins sofre influência direta da empolgação do público e dos grupos que se organizam nas redes sociais”, explica Rafael Beraldi, CMO da Camelo Digital.

LEIA TAMBÉM: Criptomoeda Will Smith Inu bate recorde de valorização

Tatiana Fanti, especialista em marketing, fundadora da escola de empreendedorismo e comunicação Prima Donna, destaca que a internet, em muitos casos, perde a mão quando o assunto é meme, humor, virais e engajamento e isso também reflete no caso das memecoins. “Criam estratégias que pegam carona em um acontecimento que se torna viral, mas esquecem que, no dia seguinte, já existe outro tema que tornou o fato de ontem irrelevante. E nessa, colocam em jogo algo que dinheiro não compra: reputação.”

Getty Images

O Dogecoin foi criado pelos programadores Billy Markus e Jackson Palmer em 2013

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A especialista reforça que reputação vai muito além de engajamento, likes e compartilhamentos. “É um dos ativos mais importantes de uma empresa e tal qual um banco, precisa de depósitos constantes (ou ações de comunicação) para que o saldo seja positivo. Uma crise de imagem é um déficit nessa conta reputacional e o questionamento que fica é: vale a pena criar uma memecoin que fortalece um dia, mas vai cair cada vez mais depois de 24 horas?”. No caso específico da Will Smith Inu, os criadores da criptomoeda ainda são desconhecidos, mas Tatiana reforça que é muito comum que empresas tentem embarcar em memes e é por isso que, falar de reputação neste contexto, faz muito sentido.

A trajetória da Dogecoin

Com alguma frequência, a dogecoin, memecoin mais conhecida até o momento, gera repercussão, sobretudo por ter como “padrinho” o bilionário Elon Musk. Em dezembro do ano passado, por exemplo, Elon Musk, que ajudou a dogecoin a se tornar um importante criptoativo, explicou exatamente por que apoia o memecoin em vez do bitcoin, ethereum e outras criptomoedas.
Musk, em conversa com a revista Time, após ser nomeado a Personalidade do Ano de 2021, disse que considera o dogecoin mais adequado para transações do que o bitcoin e que a memecoin tem um “potencial muito maior”.

Compartilhe esta publicação: