Por que a inovação tornou-se mais arriscada do que nunca?

Em 2022, as grandes invenções envolvem tecnologias baseadas em interação com o mundo físico em campos como transporte, robótica e AR, o que aumenta os desafios.

Louis Gritzo
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

“O risco tecnológico é ainda agravado pela exposição a perigos naturais, resultando no que é conhecido como risco natech”

Acessibilidade


As catástrofes de hoje – no ar, no mar e nas estradas agora percorridas por carros autônomos – são cada vez mais visíveis e complexas. As causas de tais eventos, que interrompem as operações de negócios e corroem o valor para os acionistas, podem levar meses para serem identificadas, especialmente quando a tecnologia envolvida é nova. Você poderia argumentar que a causa raiz é, tão única e antiga quanto à inventividade da humanidade: inovação. Apesar de toda a sua conveniência, a inovação muitas vezes desencadeia consequências não intencionais.

Em 2022, a inovação geralmente envolve tecnologias de negócios baseadas em interação com o mundo físico em campos como transporte, robótica, realidade aumentada e monitoramento remoto, além da operação de equipamentos industriais. Inovações tecnológicas impressionantes como essas são o Santo Graal dos negócios de sucesso, muitas vezes impulsionando as empresas a novos níveis de lucratividade. Mas normalmente o foco está apenas no obviamente previsível: benefício de receita comparado ao custo de implementação.

Esse cálculo de ROI não representa os riscos de que a inovação possa sair pela culatra de maneiras imprevistas. Um número desproporcional de desastres envolve o que é considerado na época como a “mais recente e melhor tecnologia”. Eventos adversos desse tipo são amplamente classificados como resultantes de risco tecnológico, ou seja, risco devido à falha de um sistema artificial.

Esse é um tipo de risco que os modelos atuais mais utilizados pelas seguradoras e pelo setor financeiro não conseguem avaliar com precisão. Isso porque esses modelos, por definição, são baseados em experiências passadas – ou seja, antes da chegada da inovação. O resultado é que a capacidade de transferir riscos relacionados à inovação via seguro é difícil e cara, constituindo mais um obstáculo para os inovadores. 

Um subconjunto cada vez mais frequente de risco tecnológico é o risco devido à falha da tecnologia digital central na qual o sistema mecânico feito pelo homem se baseia. Os problemas de software de veículos autônomos são um exemplo fácil de visualizar, mas a relevância muito maior está na rápida automação dos processos de negócios físicos e financeiros. Exemplos práticos incluem a colisão de robôs industriais. Exemplos anteriores incluíram falhas maciças de sistemas de energia e financeiros, com impacto que excede em muito o sistema em que a tecnologia foi implantada.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O risco tecnológico é ainda agravado pela exposição a perigos naturais, resultando no que é conhecido como risco natech. Um evento natural pode fornecer o evento inicial para a falha ou amplificar as consequências adversas. O exemplo consumado é o terremoto e tsunami de Tōhoku em 2011 no Japão, o desastre mais caro já registrado. Os riscos da natech para os empresários podem incluir um relâmpago que danifique um sistema de processamento e controle digital, ou mais impactos mecânicos, como danos causados ​​pelo vento e granizo a painéis solares ou turbinas eólicas que resultam em falta de energia e interrupção dos negócios.

Perdas como essas causam cada vez mais danos em cascata além do sistema com falha devido a componentes altamente interconectados. O dano pode interromper os negócios por meses, potencialmente custando a receita, a reputação, a participação de mercado e a confiança do investidor. Não é o retorno do investimento que a inovação deve fornecer.

Quatro maneiras de gerenciar o risco da inovação: 

Quando surgem oportunidades de inovação é fundamental fazer alguns movimentos importantes para gerenciar o risco antes que os padrões de consenso sejam desenvolvidos e bem antes de quando esses padrões forem aceitos como código regulatório. Aqui estão algumas maneiras de fazer isso:

Faça um balanço. Se você é um líder da empresa, identifique onde ela está inovando – criando novas tecnologias ou adotando a de outra pessoa. Em seguida, pergunte: quem está identificando os riscos e gerenciando-os? Qual é o plano para mitigação de riscos? Existe mesmo um plano?

Crie seus próprios padrões. Muito antes de implementar ou trazer uma inovação ao mercado, o mais cedo possível no processo, identifique especialistas no assunto que possam aconselhá-lo sobre os riscos que você ainda não previu. Por exemplo, se sua inovação envolve automação física, seus consultores podem ser especialistas em ciência da computação, robótica, fontes de alimentação, ciência de materiais, engenharia estrutural, seguros e saúde ocupacional. 

Siga a ciência. Busque dados do mundo real sobre tecnologias e suas primeiras aplicações. Não confie demais em simulações de desktop, que notoriamente falham em prever lançamentos no mundo real. Falhas desse tipo estão entre as mais trágicas. Use bons modelos de computador para obter insights, mas certifique-se de que testes em escala real sejam feitos para fundamentar os resultados na realidade.

Gerencie o elemento humano. Tecnologias inovadoras estão substituindo os trabalhadores humanos, principalmente na fábrica ou no armazém. Assim, há menos pessoas para responder quando os problemas evoluem. Além disso, os sistemas e as soluções quando ocorrem anomalias podem ser mais complicados. Cerca de um terço das grandes perdas comerciais e industriais envolvem algum tipo de erro humano significativo. Na maioria dos casos, o erro envolveu uma pessoa fazendo o que parecia ser “a coisa certa”. Treinamento, exercícios e planos de resposta são mais importantes do que nunca.

Compartilhe esta publicação: