Web 3.0: Oportunidades de negócios

Entenda o valor analítico para o posicionamento da marca no mundo phygital.

Vitor Magnani
Compartilhe esta publicação:
Reprodução

Stand de Chubbies no terreno de Boson Protocol

Acessibilidade


Em 2021, Mark Zuckerberg chocou o mundo ao anunciar que o Facebook estava mudando seu nome para Meta, iniciando a tarefa de desenvolver um mundo digital imersivo que se tornaria a principal maneira de as pessoas viverem suas vidas no futuro.

Segundo o próprio Zuckerberg, o Metaverso é a “próxima fronteira em conexão social” e ele não parece ser o único a acreditar nisso. Afinal, a cada dia surgem novos investimentos expressivos de Marcas e organizações no desenvolvimento de tecnologias e lançamentos de produtos, entre outros serviços voltados para os Metaversos que estão surgindo.

Veja abaixo alguns desses números que não vão parar de crescer:

• US$ 46 bilhões foi o valor avaliado dos Metaversos em 2020;
• Meta (Facebook) já tem investidos cerca de US$ 10 bilhões no seu próprio Metaverso;
• Estima-se criar mais de 10.000 empregos nos próximos cinco anos;
• US$ 800 bilhões (Bloomberg) a US$ 1 trilhão em receita anual (Grayscale) é
a previsão de alcance do tamanho de mercado dos Metaversos;
• Os NFTs (Tokens não fungíveis) atualmente tem um valor de mercado estimado em US $41 bilhões.

LEIA TAMBÉM: Desfile no metaverso tem Dolce & Gabanna, Tommy Hilfiger e Paco Rabanne

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Dentre as indústrias que tomaram a dianteira nesta mudança radical de mercado, se destaca a indústria da moda, com marcas de luxo como Dolce & Gabbana, Adidas, Nike, Balenciaga, Ralph Lauren e Gucci.

Das diversas áreas nas quais os Metaversos estão impactando, podemos destacar a do Marketing de Influenciadores que em 2022 deve movimentar cerca de U$15 bilhões no mundo todo com previsão de U$84 bilhões até 2028. E segundo pesquisas recentes nos Estados Unidos, 60% dos digitais influencers já estão criando conteúdo para os Metaversos e 70% acreditam que os Metaversos vão substituir as redes sociais tradicionais.

Este novo contexto abre desafios e oportunidades para o mapeamento e compreensão das complexas interações que tem como epicentro os espaços virtuais dos Metaversos e que não necessariamente têm correlações nas mídias sociais e aos analytics atrelado a elas.

Foi a partir desta oportunidade única de ser a primeira empresa em capturar, mensurar e analisar as complexas dinâmicas dentro dos Metaversos que a Tree Intelligence, por meio da sua tecnologia LivingInfuencers, mapeou o maior evento da Moda: o Metaverse Fashion Week o MVTW o qual teve lugar no Decentraland nos dias 24 a 27 de março.

Abaixo segue uma breve descrição da experiência:

Um dos principais organizadores do evento, Boson Protocol, criou um terreno único onde diferentes marcas puderam colocar seu estande personalizado e oferecer seus NFTs. Entrevistas com influenciadores de destaque da indústria da moda digital e da moda em geral foram transmitidas ao vivo na praça central da trama, com a entrevista com Tommy Hilfiger recebendo a maior audiência. As arquibancadas colocadas na rua central permitiram aos visitantes “ir às compras” após essas conversas.

A grande novidade foi a possibilidade de comprar produtos físicos de diversas marcas acessando uma versão tokenizada do produto pelos pontos de venda. Além de possibilitar a venda de produtos físicos por meio da sua associação com fabricantes sob demanda, como foi o caso de Dead Fellaz, Dressx, WLDFNGZ, The Rebels NFT.

Este último oferecia aos usuários a possibilidade de comprar um wearable para seu avatar e o mesmo produto para usar na vida real. Essa possibilidade de venda de produtos físicos e digitais faz parte da tendência mais geral conhecida como phygital ou Online to Offline (a integração entre o mundo físico e virtual), e foi a mais atrativa para os visitantes. De fato, 46% das ações realizadas pelos avatares nesses estandes foram interações com os pontos de venda de produtos fictícios, enquanto o interesse por produtos estritamente digitais foi de apenas 10%.

LEIA TAMBÉM: Veja quais são as empresas que já ganham dinheiro com Web3

O MVFW foi uma oportunidade disruptiva para as marcas criarem novas maneiras imersivas de se relacionar com seus públicos e experimentar em novas experiências de usuário, tais como:

• Patrocinamento de desfiles: Marcas de cosméticos como Estée Lauder e Mugler encontraram uma oportunidade omnicanal para se apresentar no metaverso patrocinando desfiles de moda no auditório central do Fashion District.

• Galerias de arte: também foi possível apreciar galerias de arte da Privé Porter e D&G, entre outras, e monumentos temáticos como a estátua do perfume Estée Lauder.

• Metafestas: com DJs conhecidos como ICYKOF e Bob Sinclar, e cantores como Nicky Nicole.

• Entrevistas ao vivo: Transmissão de entrevistas e hospedagem de eventos de designers de moda como Philipp Plein.

Em termos de descentralização, o mais interessante foi que a ampla comunidade DCL se apropriou do evento à sua maneira e criou eventos alternativos dando espaço a outras marcas. Eventos que, em alguns casos, foram mais populares do que eventos oficiais onde a criatividade e a apropriação do espaço eram claramente visíveis.

A Web 3.0 em geral e os Metaversos em particular já estão impactando em diversas áreas e indústrias como a do Marketing de influenciadores, a experiência de usuário e a omnicanalidade. A adaptação pioneira de técnicas de coleta, tratamento e análise dos novos tipos de interações que acontecem nestes (meta)mundos, por empresas de inteligência social como a Tree Intelligence e sua tecnologia LivingInfluenciers, é um exemplo do caminho de adaptação a esta nova realidade onde o phigital é a bola da vez.

Vitor Magnani é presidente da Associação Brasileira Online to Offline (ABO2O) e do Conselho de Economia Digital e Inovação da Fecomercio/SP. Professor da FIA e especialista em Relações Institucionais para ecossistemas inovadores

Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem, necessariamente, a opinião de Forbes Brasil e de seus editores.

Compartilhe esta publicação: