Meta faz primeiro investimento na Ásia com rodada de R$ 15 milhões

Pioneira em bem-estar na região, startup Ami, que passa a ser investida, tem sede em Cingapura e Jacarta e se propõe a mudar a relação com a saúde.

Catherine Wang
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

Sede da Meta em Menlo Park, Califórnia

Acessibilidade


O esgotamento emocional generalizado, causado pelo excesso de trabalho e exacerbado pela pandemia, forçou os empregadores a aceitar que a saúde mental não pode ser ignorada no local de trabalho. Ami, uma plataforma de saúde mental em ascensão, está trazendo empresas a bordo. Fundada em janeiro, a startup sediada em Cingapura e Jacarta visa tornar a saúde mental mais acessível para funcionários na Ásia, por meio de sessões de aconselhamento que ocorrem em plataformas de mensagens como o WhatsApp. O cofundador e CEO Justin Kim, Forbes 30 Under 30 Asia de 2020, desenvolveu a ideia para Ami ao lado do CTO Beknazar Abdikamalov. A dupla não é estranha a culturas corporativas vertiginosas – Kim era anteriormente proprietária de produtos da Viva Republica, do bilionário coreano Lee Seung-gun, que opera o superaplicativo financeiro Toss, enquanto Abdikamalov trabalhava como engenheiro de software na Amazon.

Agora, quatro meses após seu lançamento beta, Ami fechou uma rodada inicial de R$ 15 milhões de investidores, incluindo a equipe de Experimentação de Novos Produtos (NPE) da Meta, uma divisão de aplicativos experimentais sob a gigante da tecnologia, marcando o primeiro investimento inicial do proprietário do Facebook no Região pacífica da Ásia. “Estamos impressionados com a paixão e o talento da equipe Ami e esperamos apoiá-los enquanto eles desenvolvem o WhatsApp para dar às pessoas na Ásia outra maneira de apoiar sua saúde mental”, diz Sunita Parasuraman, que lidera os investimentos da NPE na Meta, que possui o aplicativo de mensagens onipresente, em um comunicado fornecido à Forbes.

LEIA TAMBÉM: Meta: a nova marca corporativa do Facebook

O acordo marca o mais recente movimento da Meta para expandir os investimentos além dos EUA desde o anúncio em dezembro de 2021, no dia seguinte ao rebranding do Facebook como Meta, de que a NPE buscaria ideias que pudessem “atender às necessidades de uma sociedade global em rápida mudança”. Em abril, a NPE anunciou que começaria a contratar um novo escritório em Seul, além de sua base existente em Lagos, a maior cidade da Nigéria.

Juntando-se à Meta na rodada de financiamento estão os investidores existentes Goodwater Capital (que apoiou Kakao, Coupang e Viva Republica), Strong Ventures, January Capital e Collaborative Fund. “O que esperamos fazer é tornar a narrativa em torno da saúde mental muito mais proativa para indivíduos que desejam adotar um estilo de vida mais saudável”, afirma Justin Kim, cofundador e CEO da Ami.Enquanto o mundo tenta se recuperar dos profundos danos econômicos e sociais causados ​​pela pandemia, os clichês sobre a criação de um “novo normal” provaram ser verdadeiros sobre o bem-estar dos funcionários. Um relatório de março da Organização Mundial da Saúde descobriu que a pandemia de Covid-19 desencadeou um aumento de 25% na depressão e ansiedade em todo o mundo.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Olhando para a Ásia, um relatório de 2021 do Instituto Nacional de Saúde de Cingapura estimou que o custo social de seis distúrbios comuns de saúde mental era de US$ 1,2 bilhão por ano, incluindo absenteísmo de funcionários e perda de produtividade. Além de Cingapura e Jacarta – dois dos hubs de startups mais vibrantes da Ásia – a Ami tem planos de se expandir pela Ásia, oferecendo às empresas a capacidade de atrair e reter os melhores talentos com uma plataforma concreta de apoio à saúde mental, em um momento em que as empresas estão buscando benefícios para fornecer aos funcionários.

“O que esperamos fazer é tornar a narrativa em torno da saúde mental muito mais proativa para indivíduos que desejam adotar um estilo de vida mais saudável”, diz Kim em uma entrevista em vídeo de sua casa em Cingapura. “Assim, eles podem lidar com o estresse que inevitavelmente acontece no dia-a-dia, mas também podem impedir que os problemas se tornem maiores do que precisam.”

A Ami oferece sua plataforma para startups, descritas como alvo por seus ambientes relativamente mais estressantes, bem como para qualquer empresa que priorize reter os melhores talentos da região. “Nossos treinadores serão capazes de simpatizar com você, pelo menos na minha experiência pessoal, muito mais do que certas soluções clínicas tradicionais podem oferecer”, diz Kim, que foi diagnosticado com transtorno de ansiedade generalizada (TAG) em 2019.

Quando perguntado como Ami seleciona seus profissionais, Kim observou que sua startup enfatizaria “o poder da relação” na escolha de treinadores nativos de cada local e incluiria profissionais com uma ampla gama de formações, desde psicólogos clínicos licenciados até treinadores de carreira. “Embora tenhamos essas licenças e certificações, essa não é a única coisa que constitui uma boa experiência”, diz Kim. “Você precisa ter essa camada adicional para descobrir quais fatores os usuários estão procurando… então é aí que entramos.”

Durante o processo de registro, os usuários preenchem um formulário detalhando o que os estressa com mais frequência e, com base em suas respostas, serão pareados com um profissional especializado nessas questões. A Ami aproveitará a tecnologia para analisar essas respostas e oferecer uma experiência “extremamente sem atritos” para seus usuários, diz Kim, embora os tópicos de conversa não sejam limitados a nenhuma especialidade.

LEIA TAMBÉM: Meta mostra sua primeira loja física, com realidade virtual

Dado que as cidades da Ásia têm requisitos diferentes para o que constitui um conselheiro de saúde mental, Ami trabalha em torno de possíveis discrepâncias, especificando que seus profissionais são “treinadores” em sua plataforma. Esses treinadores seriam amplamente recomendados por meio de referências, o que, segundo Kim, poderia ajudar a garantir um certo nível de qualidade.

No entanto, startups como Ami ainda enfrentam um desafio na forma de estigma contra a saúde mental, prevalente em toda a Ásia. Buscar apoio à saúde mental continua sendo um problema em uma região onde o próprio conceito de doença mental é repetidamente minado. Uma revisão acadêmica de 2020 sobre o estigma contra doenças mentais na China, Hong Kong, Japão, Cingapura, Coréia e Tailândia descobriu que essas doenças eram vistas como fraqueza pessoal e, portanto, eram menos socialmente aceitáveis, entre outras questões.

Kim diz que um antídoto para o estigma é reformular a saúde mental como “bem-estar mental”, do qual todos, e não apenas os doentes mentais, podem se beneficiar. Com o apoio da Ami, os funcionários podem discutir o que quiserem, o que pode diminuir a dificuldade percebida de buscar apoio. Com base em seus testes, Ami descobriu que, em média, pelo menos 40% dos funcionários usaram a plataforma após dois meses, enquanto Kim diz que as soluções existentes no espaço de saúde mental estão no “baixo dígito” em termos de adoção de funcionários.

No final das contas, a Ami procura fazer melhorias tangíveis no bem-estar dos funcionários, onde outras soluções de bem-estar fornecidas pelas empresas são subutilizadas ou erram o alvo. Kim espera que, à medida que um número crescente de funcionários compartilhe o Ami, os usuários relutantes sejam incentivados a experimentar os serviços, garantindo uma alta taxa de engajamento e retenção.

“A última coisa que queremos ser é um produto ou benefício que uma empresa compra para um lançamento de relações públicas e depois fica na prateleira”, Kim sorri. “O que consideramos muito, muito importante é a porcentagem de funcionários que realmente usam nossas soluções e continuam usando nossas soluções ao longo do tempo.”

Compartilhe esta publicação: