Momento ainda favorece produtor em compras de fertilizantes no Brasil, diz Mosaic

Divulgação/Jacto
Divulgação/Jacto

Segundo a companhia, o cenário do mês passado refletiu as altas cotações internacionais e domésticas das principais commodities agrícolas

O poder de compra de fertilizantes por agricultores do Brasil em maio foi menos favorável do que o registrado em igual período do ano anterior, mas ainda assim mostrou vantagem em relação a um cenário que tem como base a média da safra de 2017, informou hoje (18) a Mosaic Fertilizantes, que ainda vê um cenário favorável aos agricultores no mercado.

O levantamento da companhia, grande produtora global de fosfatados e potássio combinados, visa retratar os valores dos fertilizantes frente ao mercado agrícola, comparando-os a um índice de preços de commodities que leva em conta os cultivos de soja, milho, açúcar, etanol e algodão.

LEIA MAIS: Unigel inicia produção de fertilizantes nitrogenados em Sergipe

Segundo o IPCF (Índice de Poder de Compra de Fertilizantes), que passará a ser divulgado mensalmente pela empresa, a relação entre os preços das commodities e os de fertilizantes em maio foi de 0,97 frente ao cenário-base de 2017.

Uma relação menor que 1,0, disse a Mosaic, indica que os fertilizantes estão mais acessíveis do que no mesmo período em 2017, e uma relação maior que 1,0 significa que os adubos estão menos acessíveis em comparação com o mesmo período.

Em maio de 2020, esse índice havia chegado a 0,90, mais favorável ao produtor do que neste ano, mas em igual período de 2019 e 2018 ficou, respectivamente, em 1,12 e 1,11.

Segundo a companhia, o cenário do mês passado refletiu as altas cotações internacionais e domésticas das principais commodities agrícolas, embora o índice tenha sido pressionado por um aumento dos preços dos fertilizantes em relação ao mês anterior devido a fundamentos internacionais de oferta e demanda.

“O momento para compra de fertilizantes é ainda favorável. Estamos nos aproximando do plantio da safra de verão com o desafio de abastecer a maior colheita de grãos da história”, disse em nota o vice-presidente Comercial da Mosaic, Eduardo Monteiro.

“Quanto mais cedo o produtor tomar a decisão de compra, menos risco ele terá no início do plantio”, acrescentou.

A Mosaic ressaltou que no cenário atual, em que há um quadro mais apertado no mercado de grãos –com forte demanda tanto externa quanto doméstica–, o agricultor procura mais insumos pensando no incremento de produtividade, o que faz com que os preços sejam regulados por oferta e demanda.

“É importante entender o bom momento do produtor em termos de capitalização e principalmente rentabilidade da safra, por meio desse fator será possível observar um incremento e uma maior vontade do produtor de investir em tecnologia”, afirmou Monteiro. (Com Reuters)


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).