Sustentabilidade da agropecuária: o que caberá à nova geração de produtores rurais

Cada nova geração tem seus desafios. O maior, para esta e a próxima, é a sustentabilidade e como atender aos imperativos da agenda verde .

Lindsay Suddon
Compartilhe esta publicação:
Aliyev Alexei Sergeevich_Guettyimages
Aliyev Alexei Sergeevich_Guettyimages

Sangue novo, junto com a experiência dos veteranos, é bom para qualquer indústria — e essa máxima, mais do que nunca, serve para o setor agropecuário

Acessibilidade


Um dos fatos mais importantes de 2021 foi a realização da COP26 e ela deixou tarefas para 2022. Depois de muitas idas e vindas entre os líderes mundiais, chegou-se a uma conclusão com algum progresso tendo sido feito. Resta ver se isso será suficiente porque, longe das manchetes, há uma sensação geral de decepção por uma oportunidade ter sido perdida.

No entanto, do ponto de vista agrícola, houve alguns aspectos positivos. Vinte e seis nações se comprometeram com mudanças em suas políticas agrícolas para se tornarem mais sustentáveis ​​e menos poluentes, com vários graus de apoio. Por exemplo, o governo do Reino Unido fez uma promessa de £ 65 milhões (R$ 490 milhões em cotação atual) para apoiar os agricultores na implementação de novas tecnologias e ajudar na adoção de abordagens mais ecológicas.

LEIA TAMBÉM: 10 fatos que marcaram o desempenho do agro em 2021

Alguns ruídos encorajadores foram ouvidos, mas um senso de cautela deve ser exercido aqui. Ainda há muito a ser feito e, para que haja uma mudança real, o setor precisa pensar além dessas promessas e compromissos para se concentrar em mudanças reais e tangíveis. Também precisa ver como e, o mais importante, quem estará impulsionando essa mudança

GERAÇÃO DESAFIADA
As fazendas são transmitidas de geração em geração, assim como conhecimento e experiência vitais. No entanto, cada nova geração enfrentará novos desafios. O maior, para este grupo e o próximo, é a sustentabilidade e como atender aos imperativos da agenda verde. A boa notícia é que eles estão bem dispostos para enfrentar o desafio de forma significativa e conduzir algumas das mudanças necessárias.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Novas perspectivas baseadas na tecnologia emergem conforme uma grande fatia de veteranos do campo se aposentam, bem como uma perspectiva potencialmente mais “verde” de alguns daqueles que os substituem pela natureza do mundo em que se encontram.
Isso não quer dizer que a agropecuária vá — ou deva — destruir o que já está feito e começar de novo. Na verdade, isso seria impraticável e simplesmente não há tempo.

É, portanto, uma necessidade que a confiança se torne uma moeda-chave no setor. O sucesso de longo prazo, mesmo de mudanças radicais, é mais provavelmente garantido se forem endossadas pelas vozes mais experientes em toda a agroindústria, principalmente em nível institucional.

No entanto, essa confiança precisa ser conquistada, e esses novos produtores rurais precisam estar dispostos a trabalhar de forma mais inteligente — não apenas com aqueles que vieram antes deles, mas também com aqueles que podem aconselhar melhor. Isso inclui se esse conselho evidenciado por dados vem de montante ou de jusante na cadeia de abastecimento.

O setor já é fragmentado e os líderes devem procurar abrir cada vez mais os portões dos jardins murados em toda a cadeia de abastecimento. Os líderes devem permitir que o conhecimento flua em todas as direções, possibilitando o aprendizado com as inovações baseadas na ciência e as análises baseadas em dados que surgem, em vez de desistir e recorrer a qualquer instinto de “eu sei o que é melhor”.

NÃO DANCE COM VOCÊ MESMO
É aqui que a agroindústria pode dar um passo além das promessas que ouviu na COP26. Governos e órgãos comerciais não podem fazer muito. São necessárias mudanças rápidas em escala global, colaboração mais próxima em todo o setor e disposição para compartilhar dados para que todos possam se beneficiar.

Essa é uma tarefa difícil em uma indústria em que muitos jogadores mantêm suas cartas fechadas por medo de que aqueles que estão acima ou abaixo delas obtenham uma vantagem comercial injusta sobre elas.

Para que haja uma mudança real, os líderes precisam estar unidos na mesma direção. Já existe uma expectativa dos consumidores de que a agropecuária deve ser mais sustentável, então agora é a hora de abrir os portões daqueles jardins isolados com paredes de dados e se comunicar com outras partes interessadas.

LEIA MAIS: Projeções para pecuária em 2022: o que esperar?

O setor parece estar fazendo algum progresso no reconhecimento de que essas questões de fragmentação precisam ser abordadas. A pesquisa do RELX, grupo do qual a Proagrica faz parte, mostrou que 89% dos executivos da agroindústria que foram ouvidos ​​acham que os países deveriam compartilhar tecnologia e recursos, sugerindo que ela, a agroindústria, está um passo mais perto de construir pontes na cadeia de abastecimento.

A estrutura para a confiança certamente está sendo construída. Tecnologias como a IA têm o potencial de revelar insights que criam novas oportunidades, ao mesmo tempo que respeitam a privacidade e a sensibilidade da fonte desses dados. Isso promete permitir que os produtores rurais se preocupem menos com o compartilhamento de muitas informações, ao mesmo tempo em que permite que os dados de origem agrícola contribuam para a análise e a percepção que irão melhorar os resultados para eles e outros. Pretende-se que isso incentive uma maior colaboração e, em última análise, um crescimento sustentável.

CONFIRA TAMBÉM: Pegada de carbono do café arábica vai do pé à xícara

Isso significa abraçar tecnologia, dados e, em última instância, colaboração em escala. Fazer isso funcionar significará construir cadeias de suprimentos mais conectadas e, ao mesmo tempo, garantir que as melhores práticas sejam compartilhadas entre os diferentes elementos.

Além disso, 59% dos produtores rurais, em uma pesquisa de 2020, acreditam que a redução das emissões de gases de efeito estufa poderia tornar as fazendas mais estáveis ​​financeiramente — essas credenciais verdes só vão melhorar sua estatura como um parceiro confiável para aqueles que estão a jusante, seus clientes diretos, bem como os consumidores finais: todos nós.

O desafio da sustentabilidade é aquele que precisa ser enfrentado por toda a agroindústria. Com uma força de trabalho cada vez mais nativa digitalmente, um aumento na confiança aliado ao desejo de trabalhar juntos, o setor e, portanto, o mundo, podem de fato se tornar substancialmente e de forma sustentável mais ecológico.

* Lindsay Suddon é colaborador da Forbes USA e um dos fundadores da Proagrica, consultoria em soluções para cadeias de abastecimento.

Compartilhe esta publicação: