Veja como planejar um tour gastronômico na região da Emília-Romanha

ReproduçãoForbes
Aproximadamente 90 minutos a sudeste da região metropolitana de Milão, Parma é um ponto de partida ideal para explorar a região de Emília-Romanha

Dos picos nevados do norte da Lombardia às ensolaradas costas da Sicília, poucos países europeus oferecem uma variedade tão grande de cultura quanto a Itália. Esse mosaico de ideias e opiniões diferentes gera intensa competição. Os cidadãos de cada região serão rápidos em explicar por que seu modo de vida é superior a todos os outros. Em questões tão subjetivas como essa, é complicado estabelecer um vencedor, mas quando se trata de culinária, é difícil vencer a região de Emília-Romanha. Os amantes da boa culinária vão se deliciar com os inúmeros pratos de massa, vinagres ricos e queijos finamente envelhecidos que podem ser encontrados em abundância em toda a área.

Aproximadamente 90 minutos a sudeste da região metropolitana de Milão, Parma é um ponto de partida ideal para explorar a região. Fundada no antigo Império Etrusco, a cidade tem uma história verdadeiramente fascinante. Cercada por Átila, o Huno, em 452 d.C., brevemente declarada independente no início dos anos 1400 e absorvida pelo Império Francês no início dos anos 1800, a cidade sofreu inúmeras dificuldades em sua história anterior. Embora esteja repleta de estruturas históricas, incluindo uma abadia beneditina do século 10, a cidade pode ser mais conhecida por um prato em particular: o prosciutto di Parma. De todo o presunto italiano, este é o mais estimado, com proteções da União Europeia em vigor para preservar seu patrimônio cultural e seu processo de cura que leva até dezoito meses para ser concluído.

Nenhuma visita a Emília-Romanha é completa sem provar a joia da coroa de queijos, o Parmigiano-Reggiano. Como o prosciutto di Parma, esse feito da engenharia culinária italiana é protegido legalmente com designação especial da UE, o que significa que o queijo só pode ser produzido em cinco províncias: Parma, Reggio Emilia, Modena e algumas áreas de Bolonha e Mântua. As origens do queijo remontam aos monges beneditinos que da Idade Média, e os métodos de produção permaneceram praticamente os mesmos desde então.

Leite fresco, coalho e soro de leite fermentado são combinados dentro de um caldeirão de cobre, e a coalhada recém-formada se deposita no fundo do tanque. Este queijo é pescado por um queijeiro profissional, que o coloca em um molde, o marca com uma identificação única e o mergulha em uma solução salina. A partir daqui, o queijo deve descansar por pelo menos doze meses, após os quais passará por uma rigorosa variedade de testes para garantir a melhor qualidade. Se tudo estiver bem, o queijo retornará ao rack para mais envelhecimento ou será enviado para venda. Para quem visita a região de Emília-Romanha, um passeio e degustação em uma das muitas operações da área deve ser uma prioridade.

Depois de se familiarizar com o processo íntimo de produção de queijos, vá para a cidade histórica de Modena, uma comuna que remonta ao século 3 a.C.. Como sua vizinha Parma, a cidade sobreviveu a um grande número de cercos e desastres naturais ao longo de sua história. Alguns dos principais pontos turísticos da cidade incluem o palácio Ducal, uma antiga residência da família principesca. Este, bem como a catedral de Modena, um patrimônio mundial da Unesco consagrado no final dos anos 1100. Em termos de culinária, a cidade é conhecida pelo cotechino, uma variedade de linguiça de porco com denominação de origem, e é considerada um dos possíveis locais de nascimento do tortellini. Qualquer fã de carros esportivos de luxo certamente conhecerá o local, com marcas como Ferrari, Lamborghini e Maserati, todas com sede nas proximidades.

LEIA MAIS: Guia traz roteiro para 24 horas em Bruxelas

Modena e a cidade vizinha de Reggio Emilia abrigam um dos vinagres mais conceituados do mundo: o balsâmico tradicional. Embora o genérico possa ser produzido e vendido a baixo custo em todo o mundo, apenas essas duas províncias têm direito à designação de origem pela União Europeia, permitindo que produzam algumas das melhores versões do mundo. O método de produção começa com a redução do mosto de uvas, que é então fermentado e finalmente oxidado em ácido acético.

A partir daqui, o mosto é transferido para um sistema único, envolvendo cinco barris separados, cada um de tamanho diferente. O menor é drenado e uma parte do líquido do segundo menor barril é adicionada a ele. O segundo barril menor recebe uma injeção do terceiro barril menor, e assim sucessivamente até que o barril maior possa receber o mosto oxidado recém-reduzido. Esse processo fascinante já existe há séculos, com várias operações nas províncias abertas para visitas públicas.

Para um final verdadeiramente maravilhoso de sua excursão gastronômica, faça uma visita à maior cidade e capital da região, Bolonha. Uma das maiores e mais ricas cidades do país, Bolonha é uma mina de ouro para experiências históricas, culturais e culinárias. Comece o seu dia na Piazza Maggiore, a movimentada praça central da cidade, onde se encontra a enorme basílica de San Petronio. A uma curta caminhada, fica a Universidade de Bolonha, a mais antiga do mundo e uma das mais prestigiadas da Itália. Após um longo dia de exploração, certifique-se de incorporar alguns dos pratos favoritos de Bolonha em seus planos de refeições. Mortadela, molho à bolonhesa e sorvete foram todos popularizados nesta cidade inovadora.

Quer você goste de massas ricas, queijos saborosos ou linguiças curadas, a região de Emilia-Romanha tem tudo. A vida após longas férias cheias de boa comida pode ser difícil, e se reajustar a culinária local inferior pode levar algum tempo. Então, da próxima vez que as sobras do um almoço estiverem gritando do lado de dentro da geladeira, pare um momento para refletir sobre as refeições incríveis que você teve de Parma a Bolonha. Certifique-se de manter em segredo das outras regiões sua nova paixão à bolonhesa: a concorrência é feroz na República Italiana.

Veja na galeria de imagens a seguir, algumas das belezas e delícias da Emília-Romanha:

  • A principal catedral de Parma remonta ao século 11 e apresenta um afresco detalhado em seu teto.

  • O processo de envelhecimento do queijo feito na região já existe há séculos.

  • A torre mais alta de Modena remonta ao final do século 12 e foi construída para acompanhar a catedral da cidade.

  • Bolonha é uma das melhores cidades da Itália em termos de riqueza e qualidade de vida.

  • A região, uma das mais ricas de toda a Itália, é repleta de pequenas aldeias pitorescas.

A principal catedral de Parma remonta ao século 11 e apresenta um afresco detalhado em seu teto.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).