“Resorts-bolha”: seria essa a próxima tendência de viagem segura?

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

O Grand Hyatt Baha Mar, em Paradise Island, nas Bahamas, e suas duas propriedades irmãs, SLS e Rosewood, estão aplicando o método com os novos hóspedes

Com muitos países exigindo um teste de Covid-19 negativo para viajar, o conceito de um “resort-bolha” fornece uma garantia a mais à medida que os norte-americanos se sentem confortáveis em viajar para destinos seguros. Embora uma viagem agora possa ser interpretada de maneira errada, esse tipo de turismo fornece um método alternativo que pode ser eficaz.

Os resorts em ilhas estão entre os primeiros a testar o conceito de bolha. O Grand Hyatt Baha Mar, em Nassau, nas Bahamas, e suas duas propriedades irmãs, SLS e Rosewood, estão aplicando o método com sucesso. Muitos resorts na ilha havaiana de Kauai também implementaram um programa de isolamento semelhante, que se mostrou eficaz.

LEIA MAIS: 7 viagens de volta ao mundo para o pós-pandemia

Nem todas as bolhas são criadas da mesma forma, mas veja a essência de como elas funcionam:

Quando o turista chega

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

É necessário um teste negativo de Covid para embarcar e outro para se hospedar

Colocar em prática um regime de teste completo para fornecer uma segurança a mais não é tarefa fácil. Muitos destinos internacionais já exigem prova de um resultado negativo para entrar. O Havaí, por exemplo, implementou um requisito de teste para visitantes, e as companhias aéreas verificam a documentação antes do passageiro embarcar no voo.

Isolar um resort para impedir a entrada de novas infecções ajuda a aumentar a confiança na viagem, embora o planejamento para isso seja complexo.

“O processo começou meses antes de nossa reabertura”, diz Ulrich Samietz, gerente geral do Grand Hyatt Baha Mar. “Colaboramos com especialistas médicos da Cleveland Clinic e outros consultores do setor para ajustar nossos procedimentos operacionais como uma extensão do CGCL (Compromisso Global de Cuidado e Limpeza) do Hyatt’s. ”

Quando os hóspedes chegam, precisam higienizar as mãos e medir a temperatura. Tudo isso acontece durante as cortesias típicas de boas-vindas de um resort: detalhes sobre o layout da propriedade e sugestões sobre o que experimentar. Conforme os turistas cumprem as formalidades de check-in, a equipe fornece um lembrete amigável para usar máscaras em ambientes fechados, bem como ao caminhar, a menos que esteja nadando, jantando, bebendo ou relaxando na piscina ou na praia.

A próxima etapa é uma espécie de visita à clínica do local. Os enfermeiros fazem algumas perguntas antes de realizar um teste rápido (e gratuito) de Covid-19. Os hóspedes ainda não estão liberados para passear. Em vez disso, eles são acompanhados, com suas bagagens, até o quarto. Nenhuma chave é emitida até que o teste dê negativo.

VEJA TAMBÉM: 5 hotéis pelo Brasil com vistas extraordinárias

É natural que os hóspedes fiquem apreensivos enquanto aguardam os resultados do teste, mesmo que tenham tido um exame negativo para embarcar. Em meia hora, a equipe deve chegar com as chaves do quarto e dar a liberação para que os hóspedes possam passear como desejarem. O processo é rápido, mas reconfortante.

“No geral, o feedback foi positivo e nossos convidados expressaram como se sentem seguros e confortáveis”, acrescenta Samietz.

Em Kauai, os visitantes que se hospedarem em hotéis participantes da bolha devem usar uma pulseira de monitoramento por 72 horas que rastreia os contatos ao longo dos dias. Eles também devem realizar verificações de saúde online diárias. Dependendo da propriedade, pode haver uma taxa para a pulseira de monitoramento.

O objetivo dos resorts em Kauai é evitar que os hóspedes saiam da propriedade durante os primeiros três dias na ilha. O aplicativo associado a pulseira envia alertas para o telefone caso a pessoa saia da “bolha” segura do resort.

No entanto, os hóspedes não estão presos. O hotel Timbers Kauai, em Hokuala, por exemplo, fez uma parceria com o Marriott Kauai Beach Club e criou uma área de 3,23749 km² onde os hóspedes em quarentena podem desfrutar de comodidades ao ar livre, como piscinas, praia e ciclovias.

Após 72 horas, os convidados fazem um teste Covid-19. Se der negativo, eles são liberados para sair da propriedade se assim o desejarem. A partir de 5 de abril, no entanto, Kauai mudará seu protocolo de bolha para se sincronizar com as medidas adotadas por outras ilhas havaianas.

No entanto, isso não se deve à ineficácia do sistema. Representantes do Timbers Kauai dizem que a ocupação tem sido de quase 100% e que o isolamento do resort aumentou a confiança na segurança da região.

SAIBA MAIS: 7 hotéis brasileiros com experiências diferentes para colocar na sua lista de viagem

O que acontece se o teste der positivo?

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Caso o teste dê positivo, os resorts arcam com os custos da alimentação e do retorno do hóspede

No Baha Mar, há um plano em vigor, conhecido como programa Travel With Confidence (“Viaje com confiança”, em tradução livre). Funciona como uma garantia do resort, cobrindo todas as refeições, acomodações e transportes de volta para casa, caso o teste do hóspede dê positivo. O voo de retorno acontece em um avião particular aprovado para o transporte de passageiros médicos.

Um programa tão generoso é caro, mas o número de pessoas com teste positivo é tão minúsculo, de acordo com o Baha Mar, que é uma aposta segura.

Todos os viajantes que vão para as Bahamas e têm mais de dez anos de idade já passaram pelo Bahamas Travel Health Visa, que exige um teste PCR negativo. Ainda assim, existe a possibilidade de testar positivo no caminho.

Se alguém der esse azar na chegada, um profissional médico irá ao quarto do hóspede para realizar um teste de PCR, que normalmente é mais confiável para verificar o resultado positivo.

Se der positivo pela segunda vez, os hóspedes recebem acomodações em suítes e um crédito diário de US$ 150 para refeições por 14 dias ou até que o teste dê negativo.

Por que as bolhas de resort fazem sentido

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

O método das bolhas procura trazer garantia de segurança aos turistas em meio a pandemia

Esse tipo de garantia é que faz algumas pessoas decidirem viajar neste momento ao encontrar opção de viagem com segurança enquanto a indústria hoteleira passa por um período de recuperação.

Dependendo do destino, também existem protocolos adicionais em vigor. Nas Bahamas, por exemplo, os hóspedes devem preencher um formulário de saúde todos os dias e também fazer o teste novamente se ficarem mais de cinco noites no país. No Baha Mar, esse segundo teste é gratuito. Em Kauai, nenhum teste adicional para retornar aos Estados Unidos é necessário.

Essas precauções mantêm os números de infecção sob controle, permitindo que qualquer caso raro seja detectado rapidamente.

Como outros destinos (Costa Rica, Ilhas Turcas e Caicos, entre eles), os viajantes com destino às Bahamas também devem adquirir uma apólice de seguro de viagem com base no tempo de permanência.

LEIA TAMBÉM: De Tóquio ao Texas: Forbes Travel Guide elenca os melhores destinos cinco estrelas de 2021

Quando os Estados Unidos fecharam suas fronteiras no final de janeiro para qualquer um que não tivesse um resultado negativo no teste Covid-19, os hotéis e resorts foram um passo além. Muitas das principais marcas de hospitalidade começaram a oferecer testes de cortesia para os hóspedes antes de eles retornarem ao país. Isso inclui os resorts do complexo Baha Mar.

A bolha tem menos probabilidade de “estourar” graças aos testes da equipe também. Todo mundo que trabalha em propriedades de resort como essas é testado semanalmente. No Baha Mar, até mesmo funcionários terceirizados (motoristas e guias turísticos) passam por verificações rigorosas no portão de entrada.

Nenhuma dessas precauções substitui a exigência contínua de máscara, distanciamento social e estações de higienização das mãos – tudo o que faz parte do nosso dia a dia desde o último ano. Ou seja, a bolha é apenas uma camada extra de segurança que parece estar funcionando.

A maioria das empresas hoteleiras já possui protocolos rigorosos de limpeza e saneamento. Alguns envolvem robôs que higienizam superfícies e usam luz ultravioleta para limpar salas. Outros, como o Hyatt, têm uma equipe dedicada só para a higienização e o bem-estar.

O conceito de resort-bolha é perfeito? Não, mas fornece uma camada adicional de segurança que as pessoas procuram para viajar de novo com responsabilidade. O tempo dirá se mais resorts irão seguir esse exemplo e se os viajantes se mostrarão confiantes sobre essa ideia inovadora da era Covid.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).