Maldivas: veja como será a primeira cidade flutuante do mundo

Projeto com 5.000 unidades habitacionais no meio do Oceano Índico busca enfrentar as ameaças das mudanças climáticas

Duncan Madden
Compartilhe esta publicação:
Divulgação
Divulgação

Design da primeira cidade flutuante do mundo, nas Maldivas, foi inspirado nos padrões dos corais da região

Acessibilidade


As Maldivas podem ser um paraíso de férias e destino dos sonhos para recém-casados de todo o mundo, mas o belo arquipélago também é um dos países mais ameaçados do planeta pelas mudanças climáticas. Mais especificamente, o aumento do nível dos oceanos que ameaçam cobrir suas ilhas tropicais, as mais baixas da Terra – o ponto mais alto de toda Maldivas fica a pouco menos de dois metros e meio acima do nível do mar, na Ilha Villingili, no Atol Addu.

Mas parece que um novo projeto pode ser o início de uma solução real para as preocupações de sua massa de terra cada vez menor: a Cidade Flutuante das Maldivas ganhou aprovação para construir as cerca de 5.000 unidades habitacionais flutuantes ligadas por passarelas e amarradas aos 200 hectares de fundo da lagoa. Este plano habitacional como nenhum outro ficará a apenas 15 minutos de barco da capital das Maldivas, Malé, com seu aeroporto internacional.

Leia mais: Maldivas: 11 razões para visitar o resort Waldorf Astoria

Sendo construída sob um ‘Modelo de Turismo Integrado’, a Cidade Flutuante das Maldivas acabará sendo exatamente isso: uma mistura de casas, hotéis, lojas, restaurantes e marina com “uma abordagem revolucionária para a vida moderna sustentável empoleirada em um pano de fundo do azul do Oceano Índico . É a primeira verdadeira cidade-ilha flutuante do mundo – uma paisagem de sonho futurista finalmente pronta para se tornar realidade.”

Divulgação
Divulgação

As renderizações mostram barcos, passarelas e edifícios de cores vibrantes

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Os edifícios serão baixos e virados para o mar, posicionados ao longo de “ruas arrumadas e rodeadas de palmeiras”, onde uma rede de pontes, canais e docas promete criar coesão e tornar todas as comodidades facilmente acessíveis.

As estruturas na lagoa serão apoiadas e estabilizadas por praias arenosas, enquanto maciços recifes de coral serão cultivados para abrigar hotéis, restaurantes e lojas. Não haverá carros – mas sim o barulho da areia sob os pés, o som das campainhas das bicicletas e o zumbido dos buggies e scooters elétricos, garantindo o mínimo de poluição sonora.

“Esta Cidade Flutuante das Maldivas não requer nenhuma recuperação de terras, portanto, tem um impacto mínimo nos recifes de coral”, explica Mohamed Nasheed, ex-presidente das Maldivas de 2008 a 2012 e hoje membro do Parlamento e embaixador da Ambição da CVF (Climate Vulnerable Forum).

“Além disso, novos recifes gigantes serão cultivados para atuar como barreiras da água. Nossa adaptação às mudanças climáticas não deve destruir a natureza, mas trabalhar com ela, como propõe a Cidade Flutuante. Nas Maldivas não podemos parar as ondas, mas podemos subir com elas”, continua.

Divulgação
Divulgação

A cidade flutuante nas Maldivas terá um monte de palmeiras e espaço comunitário

Construído como uma parceria público-privada entre as Dutch Docklands, com sede na Holanda, e o governo das Maldivas, o projeto está sendo elaborado há mais de uma década e atuará como um modelo para desenvolvimentos sustentáveis ​​no futuro, nas Maldivas e em outros lugares. A cidade é composta de segmentos hexagonais parcialmente modelados na geometria do coral local, construídos da forma “mais ecológica possível’” e complementada com a arquitetura tradicional do arquipélago.

Leia mais: Bulgari anuncia novo resort de luxo nas Maldivas

Enquanto os edifícios flutuam sobre a água, barreiras de ilhas ao redor da lagoa servirão como quebras abaixo da linha d’água – uma configuração engenhosa que diminui o impacto das ondas enquanto estabiliza as estruturas e complexos na superfície.

Proposta como um lar para maldivos e visitantes internacionais (que terão automaticamente a opção de obter uma autorização de residência com a compra de uma casa), a cidade, segundo o CEO da Dutch Docklands, Paul van de Camp, “será um lugar incrível onde moradores e estrangeiros podem comprar a propriedade dos seus sonhos a preços acessíveis.”

Com a engenharia marítima e os detalhes técnicos concluídos, a construção está programada para começar após as aprovações governamentais serem concedidas em janeiro de 2023, com um prazo estimado de cinco anos para conclusão. Mas se você não pode esperar tanto tempo para ter um gostinho de como esse futuro flutuante pode ser, o primeiro bloco estará aberto para exibição pública em agosto deste ano.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: