Bilheteria: "Top Gun 2" é o maior sucesso da Paramount desde "Titanic"

Filme estrelado por Tom Cruise passará os US$ 600 milhões (R$ 3,24 bilhões) em receitas brutas nos EUA

Scott Mendelson
Compartilhe esta publicação:
Fotos: Divulgação
Fotos: Divulgação

Tom Cruise em “Top Gun: Maverick”, Kate Winslet e Leonardo DiCaprio em “Titanic” e Harrison Ford em “Os Caçadores da Arca Perdida”

Acessibilidade


Com os US$ 2 milhões (R$ 10,8 milhões, na cotação atual) de ontem (11), “Top Gun: Maverick”, estrelado por Tom Cruise, passará hoje US$ 600 milhões (R$ 3,24 bilhões) em receitas brutas nos EUA. Isso o mantém em décimo segundo lugar, atrás “Incríveis 2” (US$ 609 milhões – R$ 3,29 bilhões), “Star Wars: Os Últimos Jedi” (US$ 620 milhões [R$ 3,35 bilhões]) e “Os Vingadores” (US$ 623 milhões [R$ 3,37 bilhões]). Assim que passar esses filmes, já no final do próximo fim de semana, será uma escalada mais longa para superar os totais de “Jurassic World” (US$ 652 milhões [R$ 3,52 bilhões]) e “Titanic” (US$ 659 milhões [R$ 3,56 bilhões]). A exibição original de 1997/1998 de “Titanic”, que viu o melodrama de Kate Winslet e Leonardo DiCaprio liderar as bilheterias de fim de semana por 15 semanas consecutivas, totalizou US$ 600,7 milhões (R$ 3,2 bilhões). Então, sem o relançamento em 3D de 2012 (e obviamente sem o relançamento do Dia dos Namorados de 2023), “Top Gun: Maverick” agora é a maior bilheteria doméstica da Paramount de todos os tempos. Caramba, é um dos seus maiores rendimentos domésticos de todos os tempos, mesmo quando ajustado pela inflação. É o maior sucesso de “bilhetes vendidos” desde a obra-prima do naufrágio de James Cameron.

Leia mais: “Top Gun” é o maior filme de ação desde “O Cavaleiro das Trevas”

A atual receita doméstica de US$ 601 milhões (R$ 3,25 bilhões) é a nona entre todos os lançamentos da Paramount em termos de receitas domésticas ajustadas pela inflação. Fica atrás de “Um Tira da Pesada” (US$ 234 milhões [R$ 1,2 bilhão] em 1984, a maior bilheteria R-rated – restrito a maiores de 17 anos – até “Matrix Reloaded” no verão de 2003, que conseguiu cerca de US$ 616 milhões ajustados [R$ 3,33 bilhões]), “Love Story” (US$ 106 milhões [R$ 573 milhões] em 1970/US$ 640 milhões ajustados [R$ 3,4 bilhões]) , “Grease” (US$ 159 milhões [R$ 860 milhões] em 1978/US$ 190 milhões [R$ 1,08 bilhão]) contando a reedição de 1998 que quase tirou “Titanic” do primeiro lugar/US$ 705 milhões ajustados [R$ 3,8 bilhões]), “Forrest Gump” (US$ 329 milhões [R$ 1,78 bilhão] em 1994/US$ 719 milhões ajustados [R$ 3,8 bilhões]), “O Poderoso Chefão” (US$ 133 milhões [R$ 719 milhões] em 1972/ US$ 722 milhões ajustados [R$ 3,9 bilhões]), “Os Caçadores da Arca Perdida” (US$ 212 milhões [R$ 1,1 bilhão] em 1981/US$ 248 milhões [R$ 1,34 bilhão] cume vitalício/US$ 810 milhões ajustados [R$ 4,38 bilhões]), “Os Dez Mandamentos” (US$ 65,5 milhões em 1956/US$ 1,199 bilhão ajustados [R$ 6,43 bilhões]) e “Titanic” (US$ 601 milhões em 1997/US$ 659 milhões vitalícioscume/US$ 1,24 bilhão ajustado [R$ 6,7 bilhões]). Em relação a reedições versus corridas originais, cruzaremos essa ponte se “Top Gun 2” superar US$ 636 milhões (R$ 3,44 bilhões), de Grease, ou US$ 712 milhões (R$ 3,85 bilhões), de Caçadores.

O que é… estranhamente apropriado sobre este grande triunfo teatral é que o filme de ação dirigido por Joseph Kosinski é um filme de gênero típico da Paramount. Isso não é um elogio nem uma crítica. Estou pensando na produção da Paramount nos anos 1990 e 2000 com filmes como (entre outros) “A Caçada ao Outubro Vermelho”, “A Firma”, “Face/Off”, “Risco Duplo”, “Regras do Jogo”, “Sob o Domínio do Mal” e “Controle Absoluto”. Eles são em sua maioria bem-feitos, bem recebidos, com elenco de estrelas e com tendências adultas, que atraem adultos, mas (dependendo do projeto) podem ser apreciados por crianças mais velhas. “Transformers” foi sem dúvida um filme de ação estereotipado de Michael Bay com robôs alienígenas. Da mesma forma, “Homem de Ferro” era um jogo de ação da Paramount do mundo real, combinado com visuais no estilo “Transformers” com um super-herói fantasiado. “G.I. Joe: A Origem de Cobra” era uma fantasia de ação de conjunto gee-whiz dois anos antes de “Thor” cimentar esse tom para o MCU, e “Capitão América: O Soldado Invernal” era Tom Clancy de legging.

Leia mais: Com Top Gun, Tom Cruise atinge US$ 1 bilhão em ganhos na carreira

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Enquanto a Paramount liderou o jogo de 2007 (“Transformers”) a 2014 (“As Tartarugas Ninja”), a Disney comprou a Marvel e depois assumiu o MCU enquanto a DreamWorks Animation foi para a Fox (e depois a Comcast) enquanto a Blumhouse (que lançou “Atividade Paranormal”) agora principalmente trabalha com a Universal. Nesse meio tempo, a gigante dos filmes estrelados entrou em colapso no final de 2015/início de 2016, quando o público para “apenas um filme de alto conceito, com elenco de estrelas” mudou dos cinemas para as plataformas de streaming. A Disney tinha os direitos premiados (Star Wars, Marvel, Pixar, etc.). A Universal tinha suas franquias caseiras (Jurassic, “Velozes e Furiosos”, Illumination), a WB ainda tinha a DC Comics, seus títulos de terror da New Line e o mundo mágico de JK Rowling. A Paramount fez seu nome apenas para assistir sua melhor propriedade ir para outro lugar e encontrar a glória que se aproximava de seu estereótipo de ação.

A Paramount não foi o único estúdio prejudicado por essa mudança de “personagens famosos > propriedade intelectual > atores”. Enquanto a Sony teria aceitado um “Caça Fantasmas 3” na década de 1990, não era uma necessidade que cada sucesso da Sony fosse transformado em um franquia eternamente monetizável, não quando “uma comédia de Adam Sandler” ou “um filme de ação de Will Smith” era suficiente para marcar um sucesso dos cinemas. O primeiro filme de ação do mundo real a liderar as bilheterias globais de verão desde “Missão Impossível 2” de Tom Cruise é “Top Gun: Maverick”. A Paramount assistiu lentamente ao MCU da Disney tornar muitas de suas franquias (Transformers, Star Trek, GI Joe, TMNT, etc.) quase inúteis em termos de personagens famosos e espetáculo de primeira linha. Há uma doce vingança ou uma satisfação de fechamento de círculo em assistir a um drama de ação do mundo real, adulto, independente (não configura um trio), estrelado por Tom Cruise, um drama de ação de piloto de caça que se eleva sobre a competição doméstica e mundial.

Não é apenas que um filme da franquia da Paramount seja o melhor do verão (e possivelmente do ano). Não é nem que o bruto doméstico de “Top Gun: Maverick”, que ainda é uma sequência nostálgica e específica, esteja prestes a passar o bruto chinês de “The Battle at Lake Changjin 2” (US$ 612 milhões [R$ 3,31 bilhões]). É que um filme específico da Paramount está alcançando esses marcos. O próximo passo será passar “Incríveis 2” para se tornar, sem inflação, a “parte dois” de maior bilheteria de todos os tempos. Quando ultrapassar os US$ 621 milhões [R$ 3,36 bilhões] estará atrás de “Shrek 2”, “O Cavaleiro das Trevas” e “O Império Contra-Ataca” entre as primeiras sequências ajustadas pela inflação. Sua vez, “Pantera Negra: Wakanda Forever” e “Avatar: O Caminho da Água”. Quantos milagres são esses agora?

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: