Boeing corta produção do 737 MAX após acidentes fatais

Reuters
Redução será de 20% ao mês – de 52 para 42 aeronaves

A Boeing anunciou ontem (5) que planeja reduzir a produção mensal do jato 737 MAX em quase 20% após dois acidentes fatais com aeronaves da família, sinalizando que a empresa não espera que autoridades de aviação permitam que a aeronave volte a voar em breve.

LEIA MAIS: Boeing anuncia correção do software do 737 MAX

As entregas do avião mais vendido da Boeing foram congeladas depois que autoridades de aviação ao redor do mundo determinaram proibição de voos do modelo após a queda de um jato da Ethiopian Airlines em 10 de março, que matou todas as 157 pessoas a bordo.

A produção será reduzida para 42 aviões por mês ante 52 a partir de meados deste mês, informou a empresa, sem mencionar um prazo para a normalização.

Autoridades dos Estados Unidos e de companhias aéreas afirmaram que acreditam que o avião pode ficar em terra por, pelo menos, dois meses, mas a dilatação desse prazo ainda é uma séria possibilidade.

A queda do avião na Etiópia, que ocorreu depois que um jato do modelo operado pela Lion Air caiu na Indonésia em outubro passado matando 189 pessoas, criou uma crise para a maior fabricante de aeronaves do mundo.

O presidente-executivo da Boeing, Dennis Muilenburg, disse que a companhia agora sabe a cadeia de eventos que causou ambos os desastres, em que uma ativação errada do sistema antiestol MCAS é um “elo comum” entre os casos.

VEJA TAMBÉM: China para de certificar Boeing 737 MAX 8

A aérea, que firmou acordo para comprar a divisão de aviação comercial da Embraer, afirmou que não vai cortar empregos por causa da nova taxa de produção e vai trabalhar para minimizar o impacto financeiro.

A empresa afirmou que continua a obter progresso na atualização de software do 737 MAX para evitar futuros acidentes com o modelo.

As ações da Boeing fecharam em queda de cerca de 4% ontem. Apesar do número de aviões 737 MAX impedidos de voar ser de pouco mais de 370, a empresa tem encomendas para quase 5 mil unidades. A companhia aérea brasileira Gol é uma das empresas que fez encomendas do modelo.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).