Ibovespa fecha no azul, mas segue abaixo de 100 mil pontos

Gettyimages-SeanGladwell
Índice da bolsa paulista subiu 0,76%, a 99.805,78 pontos

A bolsa paulista fechou hoje (16) no azul, com os mercados globais minimizando o temor de desaceleração global da economia, mas o Ibovespa seguiu abaixo de 100 mil pontos.

O Ibovespa subiu 0,76%, a 99.805,78 pontos. Mas o índice teve queda de 4,03% na semana. O volume financeiro somou R$ 18,46 bilhões.

No exterior, uma trégua no rali recente no mercado de títulos da dívida norte-americana e expectativa de estímulos econômicos na China traziam alívio às bolsas, com o S&P 500 fechando em alta de 1,44%.

Investidores também se animaram com a notícia de que o governo alemão está preparado para assumir novas dívidas para enfrentar uma possível recessão, além das declarações do presidente dos EUA, Donald Trump, de que a guerra comercial com a China será relativamente curta.

VEJA MAIS: Dólar avança ante real, fechando acima da marca de R$ 4

De acordo com o analista Jasper Lawler, chefe de pesquisa no London Capital Group, investidores seguem nervosos após a inversão da curva de juros 2-10 anos, um alerta de recessão difícil de ignorar, mas o alívio nos Treasuries está ajudando.

No Brasil, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta sexta-feira que é possível aprovar a reforma tributária ainda neste ano em pelo menos em uma das Casas do Congresso Nacional.

A B3 divulgou a segunda prévia para o Ibovespa que irá vigorar no último quadrimestre do ano, com a entrada das ações da operadora de saúde Notre Dame Intermédica, já presentes na primeira preliminar do índice. Ainda será publicada uma última prévia para a carteira do índice.

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).