Pagamento instantâneo no Brasil será desenvolvido e administrado pelo BC

BancoCentral/Reuters_Ueslei Marcelino
O órgão passará a administrar e desenvolver a base de dados do pagamento instantâneo

Resumo

  • O órgão declarou que levou em conta a importância do sistema de pagamentos para o bom funcionamento da economia do país
  • A centralização promete facilitar os pagamentos, tornando-os mais intuitivos e simples
  • Executivos do setor esperam que a mudança deve afetar transações pagas com dinheiro em espécie ou boleto

O Banco Central anunciou hoje (28) que o sistema de pagamentos instantâneos terá a base de dados desenvolvida e administrada pelo próprio órgão.

LEIA MAIS: Bancos Centrais usam o blockchain para estabilizar o sistema financeiro global

“Para maximizar ganhos de escala e efeitos de rede típicos da indústria de pagamentos, e tendo em conta sua criticidade para o bom funcionamento do ecossistema de pagamentos, a base de dados de endereçamento centralizada será desenvolvida e gerida pelo BC”, diz trecho do comunicado.

Segundo o regulador bancário, a centralização da chamada base de dados de endereçamento permitirá realizar pagamentos de maneira intuitiva e simplificada, usando informações como número de telefone ou conta de e-mail, de forma segura.

LEIA TAMBÉM: Corretoras digitais disputam investidores com bancos tradicionais

A Reuters publicou em julho que o BC pretende implementar o sistema, que permite realizar transferências de valores de forma automática, 24 horas por dia, sete dias por semana, em 2020, o que deve impactar receitas do setor de pagamentos eletrônicos.

Em preparação para esse cenário, as instituições financeiras vêm lançando produtos e soluções de pagamentos automáticos, de forma gratuita, mas em circuito fechado.

Para executivos do setor, a principal função do pagamento instantâneo deve ser a de substituir transações hoje pagas com dinheiro em espécie ou boletos. Transações de valores maiores, ou em parcelas, tenderiam a seguir sendo feitas por canais tradicionais, como TED ou mesmo com cartões de crédito.

Bancos e fintechs vinham aguardando a definição pelo BC do modelo a ser adotado para o funcionamento do pagamento instantâneo no país, o que deve ter grande influência sobre os modelos de negócios de várias instituições.

E TAMBÉM: Roberto Campos Neto toma posse hoje no Banco Central

Com um modelo centralizado, o regulador opta por um sistema diferente do sistema chinês, concentrado nas plataformas Wechat e Alipay, que não conversam entre si. Aqui, o sistema será interoperável com as transações sendo liquidadas em uma plataforma central, como a CIP.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).