Trump refuta guerra e crise após ataque a petróleo saudita

Jonathan Ernst/Reuters
EUA hoje produzem tanto que não precisam mais do Oriente Médio, diz Trump

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, acusou o Irã de estar por trás dos ataques a instalações de petróleo na Arábia Saudita no final de semana que aumentaram as preocupações com a possibilidade de um conflito no Oriente Médio, mas acrescentou que não queria guerra com ninguém. O Irã nega a autoria dos ataques que destruíram parte da maior usina de processamento de petróleo bruto na Arábia Saudita e alavancaram a maior alta da commodity nas últimas décadas. Diversas autoridades do gabinete presidencial dos Estados Unidos, incluindo o Secretário de Estado, Mike Pompeo, e o Secretário de Energia, Rick Perry, acusaram o Irã pelos ataques, que levaram a uma redução de 5% na produção mundial de petróleo.

LEIA MAIS: Ataques a unidades sauditas de petróleo elevarão preços dos combustíveis

O presidente iraniano, Hassan Rouhani, disse que a agressão foi conduzida pelo “povo iemenita” em retaliação a ataques da coalizão liderada pelos sauditas na guerra do Iêmen, que já dura quatro anos.

Perguntado por um jornalista na Casa Branca se o Irã estava por trás dos ataques, Trump disse: “Certamente parece que sim nesse momento, e avisaremos. Assim que descobrirmos com certeza, avisaremos, mas parece que sim.” O líder norte-americano disse que não queria agir de maneira precipitada. “Temos muitas opções, mas não estou considerando opções no momento, queremos descobrir de maneira definitiva quem fez isso. Estamos lidando com a Arábia Saudita. Estamos tratando com o príncipe herdeiro e alguns de seus vizinhos. E estamos conversando sobre isso juntos. Vamos ver o que acontece”, disse. “Eu sou alguém que gostaria que não houvesse guerra”, disse Trump. “Não, eu não quero guerra com ninguém, mas estamos preparados mais do que qualquer um.”

A Arábia Saudita é o maior exportador de petróleo do mundo, embarcando cerca de 7 milhões de barris de petróleo por dia para todo o mundo. Os Estados Unidos produzem cerca de 12 milhões de barris por dia, mas consomem 20 milhões de barris por dia, o que significa que devem importar o restante.

Trump nega crise de abastecimento

Trump também refutou uma crise nos EUA pela queda na produção de petróleo causada pelo ataque à Arábia Saudita. Ele disse que os Estados Unidos se tornaram um produtor tão grande que não precisam mais do Oriente Médio, após os ataques perpetrados no fim de semana a instalações de petróleo na Arábia Saudita. Os dados do governo dos EUA, no entanto, contam uma história diferente: o boom de perfuração nos EUA, impulsionado pela tecnologia e iniciado há mais de uma década, transformou os EUA em um grande produtor, mas as importações de petróleo e derivados da região do Golfo no ano passado ainda foram abundantes.

“De maneira geral, ainda estamos importando um pouco e não estamos totalmente imunes ao mercado mundial”, disse Jean-François Seznec, membro do Centro Global de Energia do Conselho Atlântico, durante conversa por telefone com repórteres ontem (16).

Grande parte do déficit dos EUA é coberto pelo Canadá, mas alguns ainda vêm da Arábia Saudita, Iraque e outras nações do Golfo, porque várias refinarias norte-americanas preferem seu petróleo. Como exemplo, a maior refinaria dos EUA — Motiva Enterprises em Port Arthur, Texas — é de propriedade da empresa estatal de energia da Arábia Saudita, a Saudi Aramco. Outras refinarias — especialmente na Califórnia — estão isoladas dos grandes campos de petróleo dos EUA e também devem depender de carregamentos.

A incompatibilidade entre o que as refinarias dos EUA querem e o que o país produz significa que, em 2018, os Estados Unidos importaram uma média de 48 milhões de barris por mês de petróleo e derivados da região do Golfo, segundo a Administração de Informação sobre Energia dos EUA. Esse volume caiu cerca de um terço em relação a uma década atrás, à medida que a produção doméstica de petróleo e gás disparou, segundo os dados.

Sarah Emerson, presidente da ESAI Energy, disse que a interrupção da produção na Arábia Saudita, se for prolongada, pode propiciar uma oportunidade para os produtores de petróleo dos EUA expandirem seus mercados no exterior.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).