Samsung vai fechar divisão de pesquisa de CPUs nos EUA

SOPA Images/Getty Images
A Samsung disse que continuará desenvolvendo e produzindo chips Exynos

A Samsung Electronics disse hoje (5) que vai fechar uma divisão de pesquisa de CPUs em uma das suas instalações nos Estados Unidos, um movimento que analistas disseram que reduz as perspectivas de chips móveis Exynos da gigante de tecnologia.

LEIA MAIS: Samsung revela design de novo smartphone dobrável

Os chips Exynos são considerados uma marca das tentativas da empresa sul-coreana de reduzir sua dependência de chips de memória e aumentar as vendas de chips lógicos usados em dispositivos móveis e veículos autônomos.

Mas os chips, que são encontrados nos smartphones da série Galaxy da Samsung e competem contra os processadores da Qualcomm, têm tido dificuldades para encontrar clientes externos.

A decisão de encerrar a divisão, que tornará cerca de 300 empregos redundantes, indica os desafios enfrentados pela Samsung na promoção dos chips Exynos, disseram analistas.

“Os chips (Exynos) não são realmente usados em nenhum outro lugar e continuam perdendo espaço no mercado de processadores móveis, levantando preocupações sobre a competitividade da empresa”, disse Park Sung-soon, analista da Cape Investment & Securities.

A Samsung disse que continuará desenvolvendo e produzindo chips Exynos, independentemente do término dos projetos principais de CPU, e que os cerca de 300 funcionários afetados poderão ser realocados para diferentes projetos.

O término de seus projetos principais de CPU ocorre depois que a Samsung, maior fabricante de chips de memória do mundo, disse em abril que planeja investir US$ 116 bilhões em chips lógicos até 2030.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).