Construtora paulistana Mitre pede registro para IPO

Nacho Doce/Reuters

A Mitre pediu registro para realizar uma oferta inicial de ações (IPO)

A construtora e incorporadora paulistana Mitre, especializada em imóveis de média e alta renda, pediu registro para realizar uma oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês), conforme documento enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

A operação, que inclui ofertas primária e secundária de ações, será coordenada por Itaú BBA, BTG Pactual e Bradesco BBI, segundo o documento.

LEIA MAIS: Construtora MRV lança marketplace com Magazine Luiza

Os acionistas Fabrício Mitre e Jorge Mitre serão os vendedores na oferta secundária. De acordo com o documento, os recursos a serem captados com a oferta primária serão usados para comprar terrenos e pagar custos de construção e demais despesas operacionais.

A empresa, que afirma ser detentora da maior nível de rentabilidade sobre o patrimônio no setor, teve receita líquida de R$ 190 milhões nos primeiros nove meses de 2019, 66% maior do que na mesma etapa do ano passado. Na mesma comparação, o Ebitda ajustado quase dobrou, para R$ 39,7 milhões. E a rentabilidade sobre o patrimônio subiu de 39,9% para 53,1%.

A Mitre diz ter um estoque de terrenos (landbank) na capital paulista com VGV potencial estimado de R$ 4,6 bilhões, em locais próximos a estações de metrô e ônibus e nenhum projeto direcionado aos clientes do programa Minha Casa Minha Vida.

O anúncio marca a retomada nos planos de empresas na bolsa paulista, que passa por um período de parada no setor no segundo ano de atividade apenas moderada no setor, diante da lenta recuperação da economia do país.

Após um período de otimismo em 2017, quando nove empresas chegaram à B3 com operações somadas de R$ 20 bilhões, no ano passado apenas quatro empresas estrearam no pregão. Em 2019, o mercado acionário doméstico deve fechar com cinco novas listagens: C&A, Banco BMG, Vivara e a SBF, dona da Centauro.

No entanto, várias companhias imobiliárias já listadas anunciaram nos últimos meses planos para levantar recursos com ofertas subsequentes de ações, diante da retomada do setor no país, na esteira de taxas de juros em mínimas recordes.

VEJA TAMBÉM: Plataforma mira massificação de moradia popular

Entre as que pediram registro para novas ofertas primárias de ações estão Helbor, Eztec, Cyrela Commercial Properties, braço de imóveis corporativos da Cyrela, e a Trisul.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).