Gol decide cortar salários e reduzir jornadas de funcionários

Rahel Patrasso/Reuters
Companhia aérea brasileira também informou que vai adiar o pagamento do programa de participação nos lucros

A companhia aérea Gol anunciou hoje (19) corte de 35% nos salários de seus funcionários, com redução proporcional de jornada, em medida para enfrentar os impactos de queda da demanda causados pela pandemia de coronavírus.

A decisão também foi tomada pela Latam, informou uma fonte próxima do assunto à Reuters mais cedo, mas neste caso o corte será de 50%.

VEJA TAMBÉM: Gol cancela todas as operações internacionais a partir da próxima semana

Segundo a Gol, que tem mais de 16 mil funcionários, os salários dos executivos – diretores, vice-presidentes e presidente-executivo – serão inicialmente cortados em 40% entre os meses de abril e junho. Não ficou imediatamente claro se o período de redução salarial dos executivos é o mesmo dos funcionários da companhia.

A companhia aérea brasileira também informou que vai adiar o pagamento do programa de participação nos lucros e resultados (PLR) de 2019 para a partir de agosto deste ano.

A ação da Gol encerrou o dia em alta 11,6%, a R$ 6,25. O Ibovespa subiu 2,15%, em dia de caça a barganhas após fortes quedas disparadas pelo pânico em torno da pandemia.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).