Oracle ganha contrato da Zoom com disparada das chamadas de vídeo

ReutersTom-Brenner
ReutersTom-Brenner

O acordo é uma grande vitória para a Oracle, que quer alcançar rivais como Amazon.com e Microsoft

A Zoom Video disse hoje (28) que começou a usar o serviço de computação em nuvem da Oracle para ajudar a lidar com o aumento nos volumes de chamadas de vídeo online provocados pela pandemia do coronavírus.

À medida que empresas e escolas passam para o trabalho remoto e bilhões de pessoas sujeitas a isolamento buscam maneiras de permanecer conectadas, a Zoom viu os participantes da reuniões remotas subirem de 10 milhões em dezembro para 300 milhões. Mas também sofreu uma reação, já que o aumento do uso expôs falhas de privacidade e segurança.

VEJA TAMBÉM: Pesquisa revela os setores que estão se dando bem na crise causada pela pandemia

A Zoom estabeleceu um plano de 90 dias para corrigir os problemas de segurança, enquanto o salto de trinta vezes no tráfego exigiu mais poder de computação.

O acordo é uma grande vitória para a Oracle, que quer alcançar rivais como Amazon.com e Microsoft, que têm maior participação de mercado, e está vendendo uma nova geração de tecnologia em nuvem após sua os esforços da primeira geração falharem em deslanchar.

Zoom e Oracle não divulgaram o valor do acordo, mas disseram que o tráfego para “milhões” de participantes está sendo tratado pelo serviço de nuvem da Oracle e que cerca de 7 milhões de gigabytes de dados de Zoom por dia estão fluindo nos servidores Oracle.

“É emocionante poder chegar a uma plataforma e escalar muito rapidamente”, disse Brendan Ittelson, diretor de tecnologia da Zoom, à Reuters em entrevista.

O serviço da Zoom rodava em uma mistura de seus próprios equipamentos de datacenter e serviços de computação em nuvem da Amazon Web Services e do Azure da Microsoft, mas começou a trabalhar com a Oracle há cerca de seis semanas.

Os executivos da Zoom e da Oracle disseram que suas equipes de engenharia trabalham juntas diariamente para colocar em operação sistemas que agora lidam com uma parte significativa do tráfego da Zoom. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).