10 atletas mais bem pagos do mundo; Neymar é o sexto

Apesar do cenário incerto causado pela pandemia para os esportes, lucro bruto dos destaques do ano passado foi 28% maior do que dos ganhadores de 2019.

Brett Knight
Compartilhe esta publicação:
Montagem
Montagem

Roger Federer, Neymar e Lebron James estão entre os atletas mais bem pagos do mundo

Acessibilidade


Durante grande parte do ano passado, os principais atletas do mundo ficaram na reserva, trabalhando por salários reduzidos, jogando em espaços vazios ou isolados em bolhas competitivas projetadas para conter a disseminação de uma pandemia que minou bilhões de dólares dos esportes profissionais.

Ainda assim, para os maiores entre os maiores, as coisas não poderiam ser melhores – pelo menos em termos financeiros.

LEIA TAMBÉM: 5 medalhistas olímpicos que também são empreendedores de sucesso

Os dez atletas mais bem pagos do mundo embolsaram US$ 1,05 bilhão em ganhos brutos nos últimos 12 meses, 28% a mais do que em 2019. O valor fica apenas alguns milhões abaixo do recorde de US$ 1,06 bilhão estabelecido em 2018, na janela de 12 meses em que o boxeador Floyd Mayweather ganhou, sozinho, US$ 285 milhões, quase tudo em sua luta de 2017 contra Conor McGregor transmitida no pay-per-view .

Este ano, quem acertou o golpe vencedor foi McGregor, que aproveitou sua popularidade incomparável nas artes marciais mistas para construir uma atividade lucrativa fora do octógono do UFC. O impetuoso lutador arrecadou um total de US$ 180 milhões nos últimos 12 meses – a maior parte disso vem da recente venda de sua participação majoritária na marca de uísque Proper No. Doze para a Proximo Spirits por US$ 150 milhões. É a primeira vez que o atleta de 32 anos ocupa o topo da lista e sua segunda aparição no top 10 (ele caiu para a 4ª posição, com US$ 99 milhões em 2018, após a luta contra Mayweather). McGregor claramente quer investir seu dinheiro além da bebida: ele lançou a ideia de comprar o Manchester United, o time mais valioso da Premier League, em tuítes recentes.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Adicionando seus acordos de publicidade, McGregor ganhou US$ 158 milhões fora do octógono nos últimos 12 meses, tornando-se apenas o terceiro atleta, depois de Roger Federer e Tiger Woods, a ganhar mais de US$ 70 milhões fora das quadras ou dos campos em um único ano enquanto ainda competia ativamente .

Três outras estrelas também ultrapassaram US$ 100 milhões em ganhos neste ano: os jogadores de futebol Lionel Messi e Cristiano Ronaldo, além de Dak Prescott, quarterback do Dallas, time da NFL. Messi, que viveu um drama fora do campo com o FC Barcelona no verão passado (no hemisfério norte), e foi perseguido pela mídia em função da terrível situação financeira do clube após a revelação de que seu contrato valia US$ 674 milhões, estabelece um recorde para jogadores de futebol com o total de US$ 130 milhões em 2021. Prescott, com US$ 107,5 milhões, quebra o recorde para jogadores da NFL graças ao bônus de assinatura de US$ 66 milhões do Dallas Cowboys

Reprodução/Forbes

Os quatro agora fazem parte de um seleto grupo que levantou mais de US$ 100 milhões num único ano: Federer, Mayweather, Neymar, Manny Pacquiao e Woods

VEJA MAIS: As equipes esportivas mais valiosas do mundo 2021

LeBron James parece estar tímido de fazer parte deste grupo de elite. A estrela do Los Angeles Lakers levou para casa “apenas” US$ 96,5 milhões, um resultado inédito para jogadores da NBA. Outro recorde estabelecido em 2021 foi o recorte de US$ 75 milhões estabelecido para se qualificar para as dez primeiras posições da lista, bem acima dos US$ 65,4 milhões de 2019. O top 10 deste ano também faturou US$ 512 milhões fora do campo, quebrando outro resultado grandioso, os US$ 407,5 milhões de 2020.

Neymar é o único brasileiro no ranking deste ano. Apesar de ter ganhos similares ao ano passado, US$ 95 milhões, o jogador caiu duas posições na lista e agora ocupa o 6º lugar. Boa parte do seu lucro veio do campo: US$ 76 milhões. Terceiro atleta mais popular nas redes sociais – perdendo somente para Cristiano Ronaldo e Messi – Neymar é vitrine garantida para acordos publicitários, que lhe renderam US$ 19 milhões no último ano.

Isso não quer dizer que a Covid-19 não afetou os ganhos dos atletas. Jogadores de futebol de muitos clubes, incluindo Messi, tiveram seus salários reduzidos. Os salários da Liga Principal de Beisebol foram rateados no ano passado, pois a temporada foi reduzida para 60 jogos contra os habituais 162. Na NBA, duas temporadas encurtadas e arenas vazias levaram a mudanças emergenciais no acordo entre a liga e os jogadores. Ajustes no sistema de escrow – acordo contratual em que um terceiro recebe e desembolsa dinheiro ou propriedade para as partes principais da transação -, além de receitas drasticamente menores no dia do jogo provocaram uma redução de 20% nos salários dos jogadores durante a temporada. Isso se traduz em um corte de aproximadamente US$ 7 milhões para James e Kevin Durant, que chega à 10ª posição este ano com US$ 75 milhões. No entanto, com os atletas fazendo mais do que nunca fora do campo, a queda é mais um incômodo do que um desastre.

 

Metodologia

Os ganhos calculados pela Forbes em campo incluem todos os prêmios em dinheiro, salários e bônus recebidos entre 1º de maio de 2020 e 1º de maio de 2021. Nos casos em que os jogadores continuam a receber depois de maio, por uma temporada regular que normalmente já estaria concluída até então, como na NBA e no futebol europeu, atribuímos o valor integral do salário. Os vencimentos e os bônus que os jogadores da NBA receberam por jogarem na bolha da liga no verão passado foram ignorados. Os números na lista deste ano refletem apenas a temporada 2020-2021 da NBA, com um corte de 20% dos salários-base devido ao ajuste no sistema de escrow da liga.

LEIA TAMBÉM: Os 20 times de futebol mais valiosos do mundo em 2021

As cifras dos ganhos fora do campo são uma estimativa de acordos de patrocínio, taxas de aparição e receita de licenciamento para os 12 meses até 1º de maio, além de retornos em dinheiro de quaisquer negócios operados pelos atletas, com base em conversas com especialistas do setor. Não deduzimos impostos ou taxas de agentes e não incluímos receitas de investimentos. Nossa lista inclui atletas ativos em qualquer momento durante o período de tempo estabelecido.

Veja, na galeria a seguir, os 10 atletas mais bem pagos do mundo na edição 2021:

 

  • 1. Conor McGregor
    US$ 180 milhões
    Nacionalidade: Irlanda
    Idade: 32
    Esporte: MMA

    A aparição de Conor McGregor no UFC 257 em janeiro não foi o retorno triunfante que ele esperava – Dustin Poirier o nocauteou na primeira luta -, o que não o impediu de arrecadar cerca de US$ 22 milhões. A maior parte do dinheiro, no entanto, veio da venda da marca de uísque Proper No. Twelve, reforçando um portfólio de patrocínio que inclui DraftKings, o jogo de videogame “Dystopia: Contest of Heroes” e a marca de estilo de vida Roots of Fight.

    No campo: US$ 22 milhões
    Fora do campo: US$ 158 milhões

    Reprodução/Forbes
  • 2. Lionel Messi
    US$ 130 milhões
    Nacionalidade: Argentina
    Idade: 33
    Esporte: Futebol

    Lionel Messi manteve o mundo do futebol no limite com a tentativa fracassada do ano passado de deixar o Barcelona, um melodrama mais tarde pontuado por um contrato que vazou e revelou que o clube sem dinheiro está pagando a ele muito mais do que se pensava anteriormente. Isso sem falar nos patrocínios, incluindo um contrato vitalício com a Adidas e uma linha de roupas desenhada por Ginny Hilfiger, irmã de Tommy Hilfiger. No mês passado, Messi enviou camisas assinadas para a empresa farmacêutica chinesa Sinovac para ajudar a garantir 50 mil vacinas da Covid-19 antes do torneio de futebol da Copa América. Espere por mais intrigas quando o contrato do jogador expirar em junho.

    No campo: US$ 97 milhões
    Fora do campo: US$ 33 milhões

    Reprodução/Forbes
  • 3. Cristiano Ronaldo
    US$ 120 milhões
    Nacionalidade: Portugal
    Idade: 36
    Esporte: Futebol

    Cristiano Ronaldo se tornou a primeira pessoa do mundo a alcançar 500 milhões de seguidores no Facebook, Instagram e Twitter em fevereiro e, um mês depois, ultrapassou a contagem de gols da lenda brasileira Pelé, atingindo 770 em todas as competições com um hat-trick na vitória da Juventus sobre o Cagliari. O empresário de 36 anos, cujo contrato de quatro anos vale, em média US$ 64 milhões anuais e expira em 2022, tem um contrato vitalício com a Nike e está por trás do negócio CR7 de roupas de marca, acessórios, hotéis e academias.

    No campo: US$ 70 milhões
    Fora do campo: US$ 50 milhões

    Reprodução/Forbes
  • 4. Dak Prescott
    US$ 107,5 milhões
    Nacionalidade: Estados Unidos
    Idade: 27
    Esporte: Futebol americano

    O bônus de assinatura de US$ 66 milhões que veio com a extensão do contrato de US$ 160 milhões por quatro anos de Dak Prescott empurra a estrela do Cowboys para o clube de US$ 100 milhões ao retornar de uma lesão no tornozelo. As perspectivas são animadoras para o quarterback da equipe esportiva mais valiosa do mundo, cujo portfólio de patrocínios já inclui Sleep Number, 7/11 e DirecTV. Prescott também anunciou recentemente um investimento em quatro unidades da rede de restaurantes Walk-On’s, no Texas.

    No campo: US$ 97,5 milhões
    Fora do campo: US$ 10 milhões

    Reprodução/Forbes
  • 5. Lebron James
    US$ 96,5 milhões
    Nacionalidade: Estados Unidos
    Idade: 36
    Esporte: Basquetebol

    Tem sido um ano excepcional para LeBron James, cujo total de ganhos recorde da NBA segue seu quarto campeonato em outubro. Ele também não está desacelerando: o homem de 36 anos parece mais presente do que nunca nas quadras, está estreando como protagonista em Hollywood com o lançamento de “Space Jam: A New Legacy” em julho e ostenta um novo contrato com a PepsiCo após deixar, depois de um longo tempo, a Coca-Cola. Recentemente, comprou uma pequena participação no Fenway Sports Group, que é dono do Boston Red Sox, Liverpool FC e Roush Fenway Racing.

    No campo: US$ 31,5 milhões
    Fora do campo: US$ 65 milhões

    Reprodução/Forbes
  • 6. Neymar
    US$ 95 milhões
    Nacionalidade: Brasil
    Idade: 29
    Esporte: Futebol

    Os 282 milhões de seguidores de Neymar no Facebook, Instagram e Twitter fazem dele o terceiro atleta mais popular nas redes sociais, atrás de Cristiano Ronaldo e Lionel Messi, e um personagem atraente para as marcas. No ano passado, ele anunciou uma saída antecipada de seu contrato com a marca Jordan, da Nike, e tornou-se embaixador da Puma, com uma versão exclusiva de seus tênis King. No mês passado, a Epic Games anunciou que daria o emote inspirado no jogador de graça para todos os participantes que alcançassem uma pontuação mínima nas partidas do seu jogo no Fortnite e uma chuteira personalizada da Puma com design baseado na forma primal da skin do jogador brasileiro.

    No campo: US$ 76 milhões
    Fora do campo: US$ 19 milhões

    Reprodução/Forbes
  • 7. Roger Federer
    US$ 90 milhões
    Nacionalidade: Suíça
    Idade: 39
    Esporte: Tênis

    Fora de serviço durante grande parte do ano passado devido a uma lesão no joelho, Roger Federer ganhou quase todos os seus US$ 90 milhões em patrocínios com marcas como Rolex, Credit Suisse e Uniqlo. O maior rendimento da lenda do tênis até agora pode vir de sua participação na empresa suíça de roupas esportivas On, que supostamente está planejando um IPO para o outono de 2021.

    No campo: US$ 30 mil
    Fora do campo: US$ 90 milhões

    Reprodução/Forbes
  • 8.Lewis Hamilton
    US$ 82 milhões
    Nacionalidade: Reino Unido
    Idade: 36
    Esporte: Fórmula 1

    Após ganhar, em 2020, seu sexto título da Formula 1, em sete campeonatos disputados, o piloto da Mercedez Lewis Hamilton aparece no top 10 pela segunda vez – em 2017, ficou em décimo, com US$ 46 milhões. Suas 11 vitórias na última temporada renderam a ele polpudos pagamentos de bônus, além de patrocínios que incluem Tommy Hilfiger, Monster Energy e Puma. Ele também está lançando uma equipe na série Extreme E, uma série de corridas off-road.

    No campo: US$ 70 milhões
    Fora do campo: US$ 12 milhões

    Reprodução/Forbes
  • 9. Tom Brady
    US$ 76 milhões
    Nacionalidade: Estados Unidos
    Idade: 43
    Esporte: Futebol americano

    Aos 43 anos, Tom Brady acabou de completar o ano mais lucrativo da sua carreira. O quarterback do Tampa Bay Buccaneers acrescentou mais patrocínios ao seu portfólio, como o da fabricante de óculos Christopher Cloos e da grife Fanatics, enquanto fazia mais dinheiro como palestrante no circuito virtual de eventos. Um sétimo título do Super Bowl certamente contribuiu para essa performance. Brady, que já mergulhou no empreendedorismo com sua marca de bem-estar TB12, recentemente lançou uma produtora de filmes e uma plataforma NFT.

    No campo: US$ 45 milhões
    Fora do campo: US$ 31 milhões

    Reprodução/Forbes
  • 10. Kevin Durant
    US$ 75 milhões
    Nacionalidade: Estados Unidos
    Idade: 32
    Esporte: Basquetebol

    Kevin Durant, deslumbrante com o Brooklyn Nets depois que uma lesão no tendão de Aquiles o afastou das quadras na temporada 2019-2020, tornou-se um magnata da mídia com a Boardroom e sua empresa Thirty Five Ventures. Ele foi produtor executivo de “Two Distant Strangers”, que levou para casa o Oscar de melhor curta de ação ao vivo no mês passado, e comprou uma participação na Philadelphia Union, da MLS, no verão passado. Durant também lucrou quando, em 2020, o Uber comprou a Postmates, startup na qual o atleta tinha investido US$ 1 milhão em 2016.

    No campo: US$ 31 milhões
    Fora do campo: US$ 44 milhões

    Reprodução/Forbes

1. Conor McGregor
US$ 180 milhões
Nacionalidade: Irlanda
Idade: 32
Esporte: MMA

A aparição de Conor McGregor no UFC 257 em janeiro não foi o retorno triunfante que ele esperava – Dustin Poirier o nocauteou na primeira luta -, o que não o impediu de arrecadar cerca de US$ 22 milhões. A maior parte do dinheiro, no entanto, veio da venda da marca de uísque Proper No. Twelve, reforçando um portfólio de patrocínio que inclui DraftKings, o jogo de videogame “Dystopia: Contest of Heroes” e a marca de estilo de vida Roots of Fight.

No campo: US$ 22 milhões
Fora do campo: US$ 158 milhões

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: