Ex-bilionário é condenado por extorsão nos EUA

Getty Images
O julgamento contra Kapoor e outros quatro executivos da empresa começou em janeiro e durou até abril

Resumo:

  • Um júri federal norte-americano declarou o fundador da Insys Therapeutics e ex-bilionário, John Kapoor, além de três ex-administradores da farmacêutica, culpados de conspiração de extorsão;
  • Os executivos foram acusados de subornar os médicos para prescreverem o potente spray de fentanil,  um opioide utilizado como medicação para a dor, fabricado pela companhia;
  • Em outubro de 2017, Kapoor foi indiciado pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos.

Depois de mais de três semanas de deliberação, um júri federal norte-americano declarou o fundador da Insys Therapeutics e ex-bilionário, John Kapoor, além de ex-administradores da farmacêutica, culpados de conspiração de extorsão.

LEIA MAIS: Cinco bilionários argelinos são presos por corrupção

O julgamento contra Kapoor e outros quatro executivos da empresa começou em janeiro e durou até abril. Administradores da Insys, Michael Gurry, Richard Simon e Sunrise Lee também foram condenados. Os executivos foram acusados de subornar os médicos para prescreverem o potente spray de fentanil, um opioide utilizado como medicação para a dor, fabricado pela companhia. O júri iniciou deliberações em 8 de abril.

“As condenações marcam o primeiro processo bem-sucedido entre os principais executivos farmacêuticos por crimes relacionados a marketing ilícito e prescrição de opioides”, disse o procurador Andrew E. Lelling, em comunicado. “Assim como faríamos com os traficantes de rua, vamos responsabilizar os executivos farmacêuticos por alimentar a epidemia de opiáceos ao distribuir de maneira imprudente e ilegal esses medicamentos, especialmente, enquanto isso conspirar para extorsões ao longo do caminho.”

Kapoor foi perfilado pela Forbes em 2016. Durante uma entrevista, ele disse: “Meu envolvimento é como investidor. Nessa condição, estou em um conselho. Como membro do conselho e investidor, estou envolvido, exceto nas operações do dia a dia, e é aí que começam os problemas.”

No ano seguinte, em outubro de 2017, ele foi indiciado pelo Departamento de Justiça por extorsão e outras acusações relacionadas a conspiração para subornar médicos, no mesmo dia em que o presidente, Donald Trump, declarou a crise de opióides como uma emergência de saúde pública. Kapoor se declarou inocente algumas semanas depois, em novembro.

Outros seis membros da empresa foram indiciados em dezembro de 2016, e dois, o ex-CEO da Insys Michael Babich e o ex-vice-presidente de vendas Alec Burlakoff, declararam-se culpados antes do início do julgamento deste ano.

VEJA TAMBÉM: Pesquisa pode economizar bilhões para farmacêuticas e pacientes

Em dezembro do último ano, o patrimônio líquido de Kapoor, baseado principalmente em suas participações na Insys Therapeutics e na empresa de medicamentos genéricos Akorn, havia caído abaixo de US$ 1 bilhão pela primeira vez desde que ele entrou para o ranking dos mais ricos do mundo, há cinco anos.

No fechamento do mercado na última quinta-feira (2), as ações da Insys estavam sendo negociadas abaixo de 1,5%, para US$ 4,15 por papel. Por mais que Kapoor tenha deixado o cargo de presidente e CEO em janeiro de 2017, a companhia informou em seu relatório anual em março que, como parte de seu acordo de indenização com Kapoor, havia anotado US$ 25,7 milhões em despesas legais no ano passado para pagar sua defesa criminal e civil e tinha até agora pago US$ 5,6 milhões em dinheiro relacionados a essas taxas.

Separadamente, em agosto, a Insys concordou em pagar US$ 150 milhões em cinco anos para resolver a investigação criminal e civil do Departamento de Justiça sobre como vendia seu spray de fentanil, Subsys. Em seu pico em 2015, as vendas anuais do Subsys atingiram US$ 329 milhões. Em 2018, as vendas do medicamento foram de US$ 58,6 milhões.


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).