Entrada da Slack na bolsa faz novo bilionário

Reprodução Forbes
Estreia da Slack na bolsa de valores de Nova York rende a Stewart Butterfield o status de bilionário.

Resumo:

  • Empresa de mensagens corporativas se lançou na bolsa de valores de Nova York sob o nome WORK;
  • Assim como Spotify, a Slack utilizou o método de listagem direta;
  • O valor de referência, de US$ 26, ganhou um incremento de 48% quando as ações passaram a ser negociadas a US$ 38,50;
  • Empresa está avaliada em US$  23,2 bilhões;
  • Com 7% da companhia, Stewart Butterfield acumala patrimônio de US$ 1,6 bilhão e alcança o status de bilionário.

A estreia pública pouco convencional da Slack está valendo a pena: as ações da empresa mostraram valorização depois de sua entrada no mercado financeiro na quinta-feira (20).

VEJA TAMBÉM: Ações da Slack sobem em estreia na bolsa

Os papéis da empresa de mensagens corporativas – negociados sob o nome WORK – abriram a US$ 38,50, o que levou a uma avaliação de US$ 23,2 bilhões, segundo o “Wall Street Journal”. O preço de abertura é um salto considerável de 48% sobre o valor de referência de US$ 26 por ação definido na tarde de quarta-feira (19). O valor de referência é diferente do preço visto nas ofertas públicas iniciais tradicionais. Ele serve como orientação para começar a licitação, com base em como as ações da empresa se saíram no mercado privado. De 1º de fevereiro a 30 de maio, a Slack informou em um prospecto para a SEC que suas ações eram negociadas privadamente a um preço médio ponderado de US$ 26,38.

O grande aumento no preço das ações também é uma boa notícia para o CEO Stewart Butterfield, que, com a operação, acaba de ser alçado ao clube do bilhão. Como nenhuma ação adicional foi emitida, a participação estimada de 7% de Butterfield na empresa lhe dá um patrimônio líquido de US$ 1,6 bilhão.

O executivo não é o único CEO a ganhar – e muito – com a estreia da Slack. Uma lista de presidentes do Vale do Silício também fez apostas precoces na empresa, incluindo Jeff Weiner, do LinkedIn, Patrick e John Collison, da Stripe, Anthony Casalena, do Squarespace, Biz Stone, do Twitter, David Sacks, do Yammer, e Jeremy Stoppelman, do Yelp.

A Slack é a última de uma série de empresas de tecnologia que se tornaram públicas este ano. Uber, Lyft e Pinterest não surpreenderam, mas a empresa de vídeos corporativos Zoom teve um desempenho acima do esperado. No entanto, todas essas empresas seguiram um caminho diferente da Slack e utilizaram o método tradicional de IPO.

E AINDA: Lyft é avaliada em US$ 24,3 bi em estreia na bolsa

Em sua estreia na Bolsa de Valores de Nova York, a Slack é apenas a segunda grande empresa, depois da gigante de streaming musical Spotify, a realizar uma listagem direta em vez de um IPO – o que significa que ela não está emitindo novos papéis. Em vez disso, os acionistas atuais ficam livres para negociar suas ações publicamente. Esse método permite que a empresa economize por driblar os subscritores de Wall Street. Mas, sem novas cotas, a Slack não arrecada fundos. A empresa tem quase US$ 800 milhões em dinheiro, segundo seu registro mais recente na SEC (Comissão de Títulos e Câmbios dos Estados Unidos).

Outra limitação do uso de uma listagem direta é que os acionistas da Slack, com a inclusão dos funcionários, não estão sujeitos a bloqueios que corriqueiramente ocorrem em um IPO. Normalmente, eles precisam aguardar 180 dias para poder vender suas ações, mas o método usado pela Slack não envolve tais restrições. Logo, a empresa provavelmente não verá a volatilidade de um IPO tradicional, explica John Mullins, professor associado da London Business School.

“No 181o dia, todos querem vender as ações para transformar o investimento em liquidez”, diz. “Então, no momento em que o período de bloqueio expira em uma IPO tradicional, há muita pressão de venda e, normalmente, as ações caem – a menos que haja algo para compensar isso, como um grande crescimento ou novos negócios. Aqui, não corremos esse risco.”

Uma estreia bem-sucedida do Spotify na bolsa, em abril de 2018, poderia ter estimulado mais empresas a rejeitar IPOs ao considerarem a transição para o mercado de ações. Se o bom desempenho da Slack for sustentado, ela poderá garantir a algumas empresas-unicórnio que o sucesso da listagem direta do Spotify não foi simplesmente um incidente isolado. Ainda assim, Spotify e Slack possuem duas qualidades vitais que muitas empresas desejam: reconhecimento de nome e dinheiro suficiente à disposição.

SAIBA MAIS: Startup de cofundador do Facebook chega a US$ 1,5 bi

Uma provável exceção é o Airbnb. A empresa de viagens de US$ 31 bilhões, que voltou atrás na possibilidade de se tornar pública este ano, pode ter mais clareza sobre essa decisão depois de observar como se deu a estreia no mercado de ações da Slack. Mesmo que a listagem direta se mostre menos volátil do que um IPO, como os investidores esperam, as ações podem acabar longe do preço de abertura. No ano passado, o Spotify encerrou o primeiro dia com queda de 10% em relação à precificação inicial.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).