Jeff Bezos é processado por difamação pelo irmão de sua namorada

ReproduçãoForbes
O processo está vinculado a um artigo publicado no “National Enquirer”, que expôs o relacionamento de Bezos com Lauren Sanchez

Jeff Bezos está sendo processado pelo irmão de sua nova namorada por difamação. O processo está vinculado a um artigo de janeiro de 2019 publicado no “National Enquirer”, que expôs o relacionamento do bilionário da Amazon com Lauren Sanchez, uma ex-apresentadora de televisão, enquanto ele ainda era casado com MacKenzie Bezos.

Michael Sanchez, um agente de Hollywood cujos ex-clientes incluem a especialista em notícias Scottie Nell Hughes e a cantora pop Mandy Moore, está processando Bezos e Gavin de Becker, consultor de segurança contratado por Bezos, por alegar falsamente que Michael Sanchez vazou fotos nuas do executivo-chefe da Amazon nos tabloides. Becker também falou para os repórteres que Sanchez estava envolvido em uma conspiração conservadora com assessores de Trump, Roger Stone e Carter Page e o governo da Arábia Saudita, para “derrubar” Bezos. O processo foi aberto na última sexta-feira (31) no tribunal estadual da Califórnia, no condado de Los Angeles.

“Meu cliente optou por resolver essa ação judicialmente e faremos isso em breve”, disse o advogado de Bezos, William Isaacson, sócio da Boies Schiller Flexner. Enoch Liang, advogado de Michael Sanchez, disse que o “processo fala por si só”.

Lauren Sanchez, em uma declaração fornecida por seu advogado Terry Bird, disse: “Michael é meu irmão mais velho. Ele secretamente forneceu minhas informações mais pessoais ao ‘The National Enquirer’, uma traição profunda e imperdoável. Minha família está sofrendo com esse novo processo infundado e falso, e realmente esperamos que meu irmão encontre paz.”

No processo, Michael Sanchez afirma que administrou a carreira de sua irmã por algumas vezes desde que ela se tornou âncora de televisão. Ele alega que desde que o relacionamento de sua irmã com Bezos começou em 2017, ele ajudou os dois a encobrir o caso “desenvolvendo e publicando narrativas falsas” com agências de notícias. Ele também afirma que os dois decidiram manter a relação em segredo após orientação de um médium no Novo México.

LEIA MAIS: Por que o iPad não é hoje o que Steve Jobs sonhou que fosse

Em outubro de 2018, alguns meses antes de o “National Enquirer” publicar sua história, ele alega que sua irmã perguntou se eles deveriam vazar informações sobre seu relacionamento com Bezos para Harvey Levin, fundador do tabloide de Hollywood “TMZ”. Ele afirma que aconselhou sua irmã a não fazer isso até terem informado seus respectivos cônjuges e filhos sobre a relação. Michael Sanchez alega que, para “limitar a reação contra Bezos e Sanchez”, ele firmou um acordo confidencial para cooperar com a American Media Inc., proprietária do “National Enquirer”, sem troca de dinheiro. O porta-voz da AMI não respondeu a um pedido de comentário.

Quando a história foi publicada em janeiro de 2019, Sanchez alega que sua irmã “entrou em um acordo adicional” com ele para fornecer gerenciamento de crises. No entanto, ele afirma que seu relacionamento com ela mudou depois que Bezos contratou o consultor de segurança Gavin de Becker para investigar o caso.

“O senhor De Becker se apegou à ideia de que Sanchez, em uma conspiração com seus amigos conservadores como Carter Page e Roger Stone, era o culpado e imediatamente começou a divulgá-lo para várias fontes de notícias, em flagrante desrespeito”, diz no processo de reivindicação. O processo alega que a divulgação resultou em artigos, incluindo uma história do Wall Street Journal de março de 2019 que afirmou que Michael Sanchez recebeu US$ 200 mil pela American Media para vazar detalhes do caso.

O processo é a saga mais recente do que se transformou em uma caçada internacional para descobrir se alguém invadiu o telefone de Bezos e vazou capturas de tela, mensagens de texto e nudes para o “National Enquirer”. Em fevereiro de 2019, Bezos publicou um post pessoal no blog afirmando que o vazamento e o hacking de seu telefone foram “motivados politicamente” pelo presidente Donald Trump e pelo governo saudita. Como dono do “Washington Post”, Bezos afirma que o governo saudita ficou irritado com a cobertura do jornal sobre o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi.

Bezos então contratou a FTI Consulting para realizar uma análise forense em seu telefone. A empresa afirma que um texto que Bezos recebeu do príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, via WhatsApp, continha um malware que dava acesso ao seu telefone. As conclusões foram entregues às Nações Unidas, que emitiram uma declaração de seus especialistas em direitos humanos de que essas alegações devem ser investigadas. A embaixada da Arábia Saudita não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).