WeWork nomeia veterano do setor imobiliário como CEO

Reprodução Forbes

WeWork já foi uma das startups mais valorizadas do mundo

A WeWork nomeou o executivo do setor imobiliário Sandeep Mathrani como seu novo CEO, anunciou a empresa ontem (2), em uma tentativa de impulsionar a startup após o fracasso da abertura de capital e a saída do ex-CEO Adam Neumann no ano passado.

Mathrani trabalha no setor imobiliário há mais de duas décadas e foi mais recentemente CEO do grupo de varejo da Brookfield Properties.

VEJA TAMBÉM: “Não acho que erramos tanto”, diz CEO do Goldman Sachs sobre a WeWork

O executivo leva conhecimento do mundo imobiliário à WeWork, diferente do ex-CEO que posicionou a empresa de aluguel de espaço de escritório, como uma startup voltada para tecnologia.

Ele substitui Artie Minson e Sebastian Gunningham, dois ex-executivos da WeWork que atuaram como coCEOs temporários depois que Neumann deixou o cargo em setembro de 2019.

Mathrani foi recrutado por Marcelo Claure, o novo presidente executivo da WeWork, que entrou como parte de um acordo de resgate com a Softbank, seu maior investidor, informou o “Wall Street Journal”. Claure, executivo do Softbank, permanecerá como presidente executivo.

“Estou honrado por me juntar à WeWork neste momento tão importante de sua história”, disse Mathrani em comunicado. “A empresa redefiniu como as pessoas e as empresas abordam a parceria com uma plataforma inovadora, uma equipe excepcionalmente talentosa e um potencial significativo se mantivermos nossos valores compartilhados e o foco em primeiro lugar”.

E AINDA: Saiba quem é o quase desconhecido cofundador da WeWork Miguel McKelvey

A WeWork já foi uma das startups mais valorizadas do mundo, mas a empresa teve problemas no ano passado após investidores questionarem sua governança corporativa e finanças antes do IPO amplamente antecipado. A oferta pública foi finalmente arquivada e o excêntrico CEO da WeWork na época, Adam Neumann, deixou o cargo após relatos da mídia, revelando seu estilo incomum de gerenciamento e decisões comerciais questionáveis.

Com o Softbank na retaguarda, a WeWork tem um plano de cinco anos para se tornar financeiramente estável, o que inclui atingir lucratividade até 2021. O plano envolveu demissões em massa, feitas no ano passado, e pode ter a venda de mais ativos não essenciais (já foram vendidas a empresa de software de gerenciamento de negócios Teem e participação na The Wing no mês passado.)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).