Bilionário tailandês prospera em áreas que bancos têm medo de entrar

Forbes Asia
Andre Koo Sr. construiu um império para si ao identificar empresas ou negócios aos quais os bancos não queriam emprestar dinheiro

Andre Koo Sr. deve à sua experiência em atividades de leasing sua inclusão na lista das 50 pessoas mais ricas de Taiwan, com um patrimônio líquido estimado em US$ 2,3 bilhões. Em 1997, ele assumiu o comando da Chailease Holdings, uma empresa listada em Taipei fundada por seu falecido pai, Jeffery Koo Sr., em 1977. Ao mesmo tempo em que também dirigia um conjunto de empresas financeiras de sua família, Koo transformou a Chailease em uma das empresas de leasing que mais cresce na Ásia, cujas ações subiram sete vezes nos últimos nove anos, para US$ 5,5 bilhões.

Seu segredo para o crescimento do negócio que movimenta, anualmente, US$ 1,7 bilhão em vendas, é identificar empresas pequenas ou especializadas demais para conseguir empréstimos bancários. “Somos muito bons em encontrar nichos de mercado”, diz Koo, 52 anos, dono de uma participação controladora na Chailease e um de seus diretores executivos. “Estamos muito confiantes de que podemos gerenciar muito bem os perfis de risco para esses mercados.”

LEIA MAIS: Ferrari fecha fábricas na Itália por duas semanas em resposta a coronavírus

No ano passado, a Chailease ganhou uma vaga na lista inaugural Best Over A Billion das 200 empresas com melhor desempenho da região, com US$ 1 bilhão ou mais em vendas. “A organização tem um histórico único e forte”, diz o analista da DBS Research Ken Shih em Hong Kong. Os resultados de 2019 da empresa nos três primeiros trimestres, divulgados no final de novembro, foram de US$ 386 milhões com receitas de US$ 1,3 bilhão.

Nos anos 1980, a Chailease alugou equipamentos de construção para empresas que lideravam a industrialização de Taiwan e, em seguida, expandiu-se por toda a Ásia, oferecendo a essas empresas, mediante aluguel, desde carros e aviões a equipamentos de cozinha e navios. Ao longo das décadas, a empresa construiu uma coleção de informações, que hoje chamamos de big data, sobre todos os setores que financiou. “Sua força principal são 30 anos de dados que ajudam a melhorar os modelos internos de risco de crédito”, diz Shih.

Agora, Koo está pronto para usar essas informações para expandir ainda mais os substanciais negócios da empresa no território chinês, apesar do surto de coronavírus e de uma onda crescente de padrões corporativos. Os empréstimos da Chailease na China continental cresceram 26% em 2019, para US$ 4,4 bilhões, ou mais de um terço do portfólio total da empresa, de quase US$ 13 bilhões. “Podemos desacelerar um pouco por causa da situação do vírus”, diz Kevin Liao, vice-presidente executivo. Embora o escritório da empresa em Wuhan esteja fechado (por enquanto), ele diz: “Esperamos um crescimento contínuo na China nos próximos 10 a 20 anos sem dúvida”.

Mas a Chailease é apenas um pequeno pedaço de um império familiar muito maior, iniciado há mais de um século pelo bisavô de Koo, Koo Hsien-jung.

A joia da coroa é o CTBC Bank, fundado pelo pai de Koo, Jeffrey Sr., em 1966, e dirigido por um tempo por seu irmão mais velho, agora com 55 anos. Com US$ 105 bilhões em ativos em 2018, é o maior banco privado de Taiwan em ativos. Há, ainda, o banco de investimentos China Development Financial Holdings, com US$ 100 bilhões em ativos, onde o segundo filho de Jeffrey Sr. e aluno da Wharton Business School Angelo Koo, 54 anos, atuou por cinco anos como presidente (e agora dirige uma de suas subsidiárias).

O caçula dos três filhos de Jeffrey Sr., Koo, seguiu um caminho diferente antes de se tornar presidente da Chailease. Atraído pela propaganda, convenceu seus pais a inscrevê-lo, aos 14 anos, na Academia Militar de Nova York, que tem, entre seus alunos mais notáveis, Donald Trump.

Uma vez lá, ele descobriu que não estava preparado para o rigor da escola militar. “Pensei em desistir várias vezes”, diz. Mas, hoje, ele se diz feliz por ter ficado: a academia é responsável por ter criado uma forte ética e disciplina no trabalho que o ajudaram a ter sucesso.

Koo seguiu os passos do pai para ganhar seu MBA na Stern School da NYU em 1994. Depois ficou em Nova York para trabalhar na empresa de investimentos imobiliários Colony Capital por um ano. “O [fundador] Thomas Barrack me mostrou o caminho e me animou com o setor imobiliário”, diz Koo. “Isso moldou o que eu queria fazer.”

O jovem então deixou a Colony para supervisionar os investimentos imobiliários de sua família nos EUA, incluindo os hotéis Hilton e Radisson em todo o país. “Essa foi a parte mais prazerosa e divertida da minha vida”, diz ele sobre seus dois anos na área de hospitalidade. Em 1996, porém, Jeffrey Sr. chamou seu filho mais novo de volta a Taiwan para se juntar a uma parte de seu império, a Chailease.

A primeira tarefa de Koo era saber mais sobre as divisões da marca Chailease. O empresa já estava preenchendo uma lacuna vital no ecossistema financeiro de Taiwan ao fornecer empréstimos a pequenas empresas que a maioria dos bancos evitava, por serem de alto risco e baixo retorno. À medida que a Chailease se expandia geograficamente, também começava a ampliar suas ofertas, adicionando planos de leasing com opção de compra e financiamento de contas a receber.

Quando Koo entrou, a Chailease tinha uma participação imponente de 40% do mercado de leasing de Taiwan. Mas ele descobriu que os lucros estavam sendo prejudicados por muitas unidades individuais, cada uma criada para satisfazer as regulamentações de um produto específico, mas depois competindo por clientes idênticos. “Havia muito atrito”, lembra.

Em 1998, Koo propôs fundir a unidade de financiamento comercial da Chailease com o negócio de leasing para reduzir a redundância. Jeffrey Sr. concordou com uma condição: que não houvesse demissões. Koo concordou, mas, como a maioria das fusões, a operação esquentou os ânimos e provocou uma onda de saídas. “Se você me perguntar, diria que a fusão foi um fracasso”, diz Koo. “Não pude manter a ordem.”

Em 2000, Koo contratou consultores que passaram três anos ajudando-o a revisar a Chailease e recebendo apoio de executivos e funcionários. A iniciativa funcionou: o executivo aumentou os lucros da Chailease 19 vezes desde que assumiu o controle, segundo Liao. Além disso, ele também deu continuidade aos esforços de seu pai de expandir para o Sudeste Asiático, começando na Tailândia em 1989. A Chailease acompanhou os fabricantes de Taiwan para o Vietnã em 2006, tornando-se em 2016 a maior empresa de leasing do país. Nos últimos anos, aventurou-se no Camboja, Malásia e Filipinas. A empresa planeja abrir escritórios na Indonésia e Singapura ainda este ano.

O sudeste da Ásia agora representa 15% do portfólio geral de leasing da Chailease, contribuindo com 4% do lucro líquido em 2019. “Eles desenvolveram um tipo de conhecimento específico para o financiamento da aviação de aeronaves, principalmente nos segmentos de médio porte”, diz Thierry Tea, presidente da empresa de fretamento aéreo PhilJets, com sede em Manila, que assinou um acordo com a Chailease em 2015.

O maior crescimento, no entanto, foi na China continental, que representa 37% do portfólio da companhia. Depois de entrar no mercado em 2005, Koo queria arrecadar fundos para a expansão, mas Taiwan, na época, proibia o investimento de recursos de IPO (oferta pública de ações) no continente. Por isso, Koo realizou a operação em Singapura, tornando a Chailease a primeira empresa de Taiwan a listar no país, vendendo uma participação de, aproximadamente, 27% em 2007 por US$ 170 milhões. Depois que Taiwan suspendeu as restrições, a Chailease saiu de Singapura, em 2011, e voltou a ser listada em Taiwan.

Agora com 50 escritórios comerciais na China continental, Koo quer expandir ainda mais, apesar da guerra comercial EUA-China e do coronavírus. Ele pretende dobrar a presença da Chailease para 120 escritórios até 2030 e aumentar a participação da China no portfólio para 50%. O seu nicho: as 40 milhões de pequenas e médias empresas (PMEs) chinesas. “Trabalhamos com negócios que pertencem ao meio da cadeia de suprimentos”, diz Koo.

O leasing já está crescendo rapidamente na China: o mercado de US$ 254 bilhões cresceu 20% em 2019, mas ainda corresponde a apenas 7% do total de investimentos, de acordo com os dados da consultoria britânica White Clarke no World Leasing Yearbook de 2020.

LEIA TAMBÉM: Angola Cables investe US$ 300 milhões em Fortaleza

A concessão de leasing na China também tem sido ajudada por uma restrição imposta desde 2016 aos chamados bancos paralelos – de empréstimos extrapatrimoniais de bancos a empréstimos corporativos e peer-to-peer. Embora a repressão tivesse como objetivo desacelerar o crescente endividamento chinês, ela também acabou com pequenas empresas de financiamento, levando aqueles que precisavam de recursos a operadores de leasing como a Chailease.

À medida que o crescimento da China desacelera, os padrões aumentam e as taxas de juros caem, mas Koo não parece se incomodar: a crescente demanda tem ajudado a manter as taxas de empréstimos altas, mesmo quando seus custos de financiamento caem. “A Chailease está bem posicionada para ter um forte poder de barganha”, diz Shih. E as inadimplências, mesmo aumentando 4%, para US$ 83 milhões, ainda são menos de 2% da exposição total da Chailease na China.

De fato, as taxas de inadimplência da empresa são baixas para os padrões globais. A Chailease diz que seu modelo proprietário para gerenciar riscos de crédito – usando seus 40 anos de dados – ajuda a gerenciar o risco padrão. A propensão de Koo à diversificação também é fundamental: a companhia não apenas conseguiu diversificar geograficamente, como também expandiu seu risco em vários setores. “Nenhum segmento isolado representa mais de 10% de seu portfólio”, diz Hsu da Fitch Ratings.

Um homem renascentista

Além da Chailease, Koo possui várias empresas de capital fechado nos setores de restauração, hospitalidade e design de interiores. Ele se orgulha especialmente de seus negócios de vinhos e macarrão com carne, que cresceram a partir de suas paixões pessoais.

“Eu amo vinho. Eu sempre gostei”, diz. Koo tem uma coleção de 50.000 garrafas, que armazena nas adegas de casa, do escritório e de vários outros locais.

Esse hobby o levou a fundar o Les Terroir de Chailease, que importa vinhos finos da Argentina, Califórnia e França para Taiwan. “Eu não compro as vinícolas porque é um tipo de negócio que faz perder dinheiro”, diz ele.

Além disso, há o prato nacional de Taiwan – o macarrão com carne. Koo foi criado em contato com uma receita aperfeiçoada pelo chef da família, Tang Wen-ghuan, que usa pernil refogado por oito horas em 23 especiarias. Em 2016, ele abriu o C.E.O. Beef Noodle, localizado perto do famoso arranha-céu de Taipei, Taipei 101, para vender o prato favorito da família Koo.

“Fomos nomeados como uma das 10 melhores lojas de macarrão com carne bovina em Taiwan”, diz ele, que também vende versões congeladas da sopa de macarrão “cinco tesouros” do chef Tang e tem planos de abrir filiais no exterior.

“Adoro o setor de serviços”, diz Koo, que não vê problema em equilibrar esses negócios com a Chailease. “Por que tenho que desistir da minha paixão pelo setor de serviços para assumir outras responsabilidades? Posso gerenciar as duas coisas.”

Raízes profundas

Andre Koo vem de uma das famílias de negócios mais importantes de Taiwan, cuja fortuna se estende por mais de um século, começando com seu bisavô, Koo Hsien-jung. Durante o domínio colonial japonês de Taiwan, ele se tornou o primeiro membro do país na câmara alta do parlamento japonês. O governo do Japão deu a Koo o monopólio de commodities importantes, incluindo sal, açúcar e ópio, e ele usou os lucros para criar o grupo. Os interesses do conglomerado acabaram se estendendo para áreas como cimento, petroquímica, manufatura, imóveis, commodities e serviços financeiros.

E TAMBÉM: American Airlines suspende voos para o Brasil

A família Koo continuou a prosperar depois que Taiwan ficou sob o controle de Chiang Kai-shek. O filho mais velho de Hsien-jung, Yue-fu, morreu em 1936, deixando o segundo filho Chen-fu assumir o comando quando o patriarca faleceu no ano seguinte. Chen-fu estabeleceu fortes laços com Chiang, já que sua esposa, Cecilia, era assessora íntima da madame Chiang Kai-shek.

O único filho de Yue-fu e o pai de Andre, Jeffrey Sr., começaram a ajudar seu tio Chen-fu a administrar o grupo na década de 1950. Depois de criarem, em 1966, o que se tornaria o CTBC Bank, e em 1977 a Chailease, eles estabeleceram a KGI Securities, a precursora da China Development Financial Holding. Jeffrey Sr. introduziu o primeiro cartão de crédito em Taiwan em 1944. Ele faleceu em 2012.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).