Executivo mais bem pago da indústria de entretenimento, Bob Iger abre mão de salário para aliviar impacto do coronavírus

O atual CEO da Disney, Bob Chapek, e outros também estão reduzindo seus pagamentos mensais

Madeline Berg
Compartilhe esta publicação:
Jeff Kravitz_FilmMagic
Jeff Kravitz_FilmMagic

O ex-CEO e diretor da Disney tem pagamento anual de mais de US$ 47 milhões

Acessibilidade


Parques temáticos, produções e cinemas fecharam, e a Disney, assim como outros estúdios de Hollywood, está perdendo bilhões graças ao coronavírus. Em resposta, o ex-CEO e atual diretor Bob Iger decidiu abrir mão de seu salário multimilionário, enquanto o atual CEO, Bob Chapek, concordou em cortar 50% do seu pagamento.

Iger é o executivo com o mais alto salário na indústria de entretenimento. Ele recebe US$ 47,5 milhões por ano –US$ 3 milhões são seu salário, US$ 21,8 milhões são um bônus, e US$ 19,6 milhões vêm de ações. Pelo menos esse foi seu pagamento ano passado, como diretor e CEO da Disney. De acordo com fontes internas, Iger está abrindo mão do pagamento, o que é apenas uma pequena parte de sua fonte de renda.
Além de não receber, Iger, que vale mais de US$ 690 milhões, doou US$ 500 mil à cidade de Los Angeles para ajudar na luta contra a Covid-19.

LEIA MAIS: O que Jorge Paulo Lemann e outros bilionários brasileiros estão fazendo no combate ao novo coronavírus

Chapek, que assumiu o cargo de CEO no começo de março, tem um salário de US$ 2,5 milhões com um bônus de US$ 7,5 milhões e um incentivo anual de US$ 15 milhões.

Os cortes também afetarão outros executivos da companhia. Os vice-presidentes terão uma redução salarial de 20%, VPs seniors enfrentarão um corte de 25% e VPs executivos terão redução de 30%.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Enquanto isso, funcionários dos parques e dos resorts continuarão recebendo por hora pelo menos até dia 18 de abril.

A Disney está sendo altamente impactada. A companhia anunciou dia 27 que seus parques, que são um negócio de US$ 26 bilhões, estarão fechados indefinidamente. São US$ 13 milhões perdidos por dia.

A companhia também atrasou o lançamento de filmes como “Mulan”, que tem previsão de US$ 85 milhões em ingressos na noite de estreia.

No dia 19, a Disney começou a tentar aumentar sua renda por dívidas, tentando compensar a perda vinda do fechamento dos parques e do atraso dos filmes.

A Disney perdeu US$ 36,9 bilhões em valor no último mês.

Pelo lado bom, o novo serviço da Disney, o Disney+, teve um aumento enorme na audiência agora que as pessoas estão ficando em casa. Entre dia 14 e 16 de março, o número de novos usuários triplicou comparado à semana anterior, de acordo com a firma de anáises Antenna.

/center>
Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Compartilhe esta publicação: