Bancos preparam pacote de socorro de R$ 50 bi a setores afetados pela crise

iStock
iStock

O valor final ainda será refinado e vai socorrer as empresas de energia, aéreas e a cadeia automotiva

Os bancos estão preparando um pacote, inicialmente de cerca de R$ 50 bilhões, para ajudar os setores mais atingidos pela crise provocada pelo novo coronavírus no país, apurou o Estadão/Broadcast. O valor final ainda será refinado e vai socorrer as empresas de energia, aéreas e a cadeia automotiva por meio de um consórcio de instituições financeiras, capitaneadas pelo BNDES.

Outros setores poderão, ainda, ser acoplados ao pacote de ajuda. É o caso do varejo, excluindo supermercados e farmácias, que seguem com as lojas abertas durante o período de pandemia, por serem serviços considerados essenciais. Para cada segmento, foi criado um grupo de trabalho entre bancos e representantes das empresas e as reuniões se intensificaram nesta semana.

“Uma solução para todos não serve porque cada setor tem a sua dificuldade, sua característica. Os R$ 40 bilhões para as empresas de médio e pequeno porte resolveram, mas para outros setores talvez não sejam suficientes”, disse o presidente do Bradesco, Octavio de Lazari, durante live, do jornal “O Estado de S. Paulo”, na tarde de ontem (15).

O caso mais adiantado é o socorro às elétricas. Estimado entre R$ 15 bilhões e R$ 18 bilhões, o pacote deve repetir o empréstimo feito em 2015 e sua estruturação está sendo chefiada pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). O sindicato de bancos já está quase definido e compreende pesos pesados como BNDES, Banco do Brasil, Bradesco, Itaú Unibanco e Santander. Dois ou três instituições de menor porte também devem aderir. Dentre esses, o Estadão/Broadcast apurou os nomes de Safra, Citi ou Votorantim, atual BV. “O valor está em R$ 16,9 bilhões, mas ainda será refinado entre os bancos”, diz um executivo próximo às conversas.

Setores

Para os demais setores, é o BNDES quem está à frente das tratativas com os bancos e a indústria automotiva deverá ser a primeira a ser contemplada com a ajuda, que tende a ficar em cerca de R$ 20 bilhões, conforme três fontes. O foco aqui não é tanto as grandes empresas, mas, principalmente a cadeia associada, que emprega um número elevado de pessoas.

Uma reunião entre bancos e empresas do setor automotivo ocorreu na manhã de ontem, segundo fonte, para acertar os detalhes. Trata-se de uma linha de crédito que deve ter como garantia os ativos existentes no Brasil, informou o presidente do Santander, Sergio Rial.

LEIA MAIS: Santander Brasil pode ser banco mais atingido por crise da Covid-19

No setor aéreo, ainda, de acordo com fontes, há problemas na negociação. A ideia inicial era que ocorresse por meio de bônus de subscrição. Cada empresa do setor – Latam, Azul e Gol – receberia injeção de R$ 3 bilhões do BNDES. No entanto, ainda não há consenso entre o banco de fomento e as aéreas do teto de participação que o banco poderá ter nas companhias. Com a entrada dos bancos privados no pacote, a expectativa é de que as negociações comecem a caminhar.

De acordo com o presidente do Santander, apesar desse impasse, é preciso que uma solução saia rapidamente para o setor aéreo que, assim como o automotivo, está “queimando caixa diariamente”. “As três empresas de aviação no Brasil estão queimando de R$ 70 milhões a R$ 100 milhões todos os dias. É muita coisa. A necessidade de velocidade é muito importante”, destacou Rial.

Outro setor muito afetado, varejo não alimentício, ao menos até aqui, é o menos avançado. O grupo de trabalho ainda não se reuniu, mas a solução de ajuda pode ser, assim como nas aéreas, uma combinação de “dívida com ações”, uma vez que as empresas têm ações listadas na Bolsa de Valores.

Compra de 11.300 respiradores

Iniciativas feitas por um conjunto de dez bancos no valor de R$ 284 milhões viabilizou a compra de 11.300 respiradores durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19) no Brasil, conforme informou hoje (16) a Federação Brasileira de Bancos (Febraban). O volume de recursos abrange duas iniciativas separadas e se soma a doações de R$ 1,3 bilhão já feitas pelas instituições financeiras durante a crise. Somente o Itaú Unibanco aportou R$ 1 bilhão.

Das novas iniciativas, foi formado na última terça-feira (14) um consórcio para garantir uma operação de aquisição de 4.800 respiradores por parte do Ministério da Saúde, conforme a Febraban. O valor da transação é de R$ 154,8 milhões, dados em garantia à pasta para permitir a capacitação técnica e operacional da Intermed para a fabricação dos equipamentos, nos próximos 90 dias e entrega dos respiradores em até seis meses.

“Para o Citi, é um imenso orgulho trabalhar com o governo e com outras instituições para, juntos, superarmos essa pandemia”, afirmou o presidente do Citi no Brasil, Marcelo Marangon, em nota do banco à imprensa.

Além dessa operação, na semana passada, o BTG Pactual doou R$ 129 milhões para a aquisição de outros 6.500 respiradores fabricados pela empresa Magnamed.

De acordo com o presidente da Febraban, Isaac Sidney, os bancos se articularam em prazo recorde e ofereceram condições diferenciadas para viabilizar as ações durante a pandemia. “A Febraban e os bancos a ela associados reafirmam seu empenho e compromisso com a sociedade nesse momento desafiador com severos reflexos na vida social e econômica”, afirma Sidney, em nota à imprensa. (Com Agência Estado)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]forbes.com.br).