Governo e BNDES discutem com bancos socorro a grandes empresas atingidas pela crise

Dívida conversível e empréstimos são instrumentos que podem ser usados para resgatar as companhias

Redação
Compartilhe esta publicação:
Reuters
Reuters

dívida conversível e empréstimos que até uma certa quantia de perda seriam cobertos pelo governo são instrumentos que podem ser usados para o resgate

Acessibilidade


O Banco de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) está discutindo com bancos privados os detalhes operacionais de resgates para setores duramente atingidos pela crise do coronavírus: companhias aéreas, montadoras, empresas de energia e grandes varejistas não essenciais, disseram duas fontes com conhecimento do assunto.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, participou ontem (14) de videoconferência com os presidentes-executivos dos maiores credores brasileiros – Bradesco, Itaú, Santander e Banco do Brasil – para discutir quais instrumentos seriam necessários. Os presidente do BNDES, Gustavo Montezano, e do Banco Central, Roberto Campos Neto, também participaram do encontro.

VEJA MAIS: BNDES anuncia pacote de R$ 55 bilhões para proteção de empregos

Governo e bancos poderiam usar dois tipos de instrumentos para resgatar empresas com dinheiro novo: dívida conversível e empréstimos que até uma certa quantia de perda seriam cobertos pelo governo, disseram as fontes.

O Tesouro garantiria aos bancos um determinado limite de inadimplência caso as empresas não pagassem a dívida no futuro, segundo as discussões.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Uma das fontes disse que as negociações ainda estão em andamento, pois os bancos entendem que poderiam cooperar, mas a maior quantidade de recursos para esses setores deve vir do governo, uma vez que os riscos são considerados altos.

Procurados, BNDES e Ministério da Economia não se manifestaram imediatamente.

O jornal “Valor Econômico” informou hoje (15) que o BNDES pretende coordenar um sindicato de bancos comerciais para o socorro de grandes empresas de setores em dificuldades por causa da pandemia de coronavírus. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: