Facebook falha em proteger direitos civis, diz auditoria

Dado Ruvic/Reuters
Dado Ruvic/Reuters

Auditoria revelou que o Facebook não fez o suficiente para proteger seus usuários contra discriminação, desinformação e incitação à violência

O Facebook não fez o suficiente para proteger seus usuários contra discriminação, desinformação e incitação à violência, disse uma auditoria externa de direitos civis hoje (8), aumentando a pressão sobre a empresa em meio a um boicote de anunciantes.

O relatório da auditoria, contratada pelo Facebook há dois anos, apontou o que os autores descreveram como uma série de decisões prejudiciais, incluindo um “terrível precedente” para não intervir em publicações do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, nas últimas semanas, o que poderia permitir que a plataforma fosse “usada como arma para reprimir a votação”.

LEIA MAIS: Facebook frustra anunciantes em meio a boicote contra discurso de ódio na plataforma

As descobertas ocorrem no momento em que cerca de 900 anunciantes, incluindo grandes marcas como a Coca-Cola, aderiram a um boicote promovido por grandes grupos de direitos civis dos EUA, incluindo a Liga Antidifamação.

“Muitos na comunidade de direitos civis ficaram desanimados, frustrados e irritados após anos de engajamento, nos quais imploraram à empresa que fizesse mais para promover a igualdade e combater a discriminação, além de proteger a liberdade de expressão”, escreveram os auditores.

O Facebook encomendou a auditoria em 2018 como parte de sua resposta a uma série de críticas sobre questões como privacidade de dados, repressão de eleitores, incitação à violência e falta de transparência na publicidade política. A auditoria foi liderada por Laura Murphy, ex-diretora do escritório legislativo da American Civil Liberties Union.

A empresa não indicou imediatamente as etapas específicas a serem tomadas em resposta às conclusões, mas emitiu uma declaração atribuída à vice-presidente de operações, Sheryl Sandberg, descrevendo a auditoria como um “processo realmente importante para a nossa empresa”.

“O Facebook se posiciona firmemente contra o discurso de ódio”, disse Sandberg. “O que ficou cada vez mais claro é que temos um longo caminho a percorrer.”

Os auditores disseram que o Facebook estava muito disposto a isentar os políticos de suas regras, permitindo a disseminação de informações falsas, de retórica prejudicial e divisiva e até enaltecimento da violência.

Organizadores do boicote contra a empresa se reuniram via videoconferência com o presidente do Facebook, Mark Zuckerberg, na terça-feira. Após a reunião, os ativistas disseram que “não viram compromisso para ação” em direção a mudanças por parte da empresa. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).