Conheça a história dos 15 anos do YouTube

Future Publishing/Getty Images

Em 14 de fevereiro de 2020, o YouTube celebrou seu aniversário de 15 anos. Mas, apesar de adolescente, a plataforma já tem uma vida pontuada por grandes acontecimentos e muita história para contar – e mostrar. Jawed Karim, Steven Chen e Chad Hurley, ex-funcionários do PayPal, formam o trio de fundadores. Hurley e Chen, certa vez, gravaram cenas de uma festa e não conseguiram compartilhá-los de forma eficiente com os amigos. Frustrados, decidiram criar um site de vídeos. Karim também teve decepção semelhante, em 2004, quando Janet Jackson expôs seu corpo acidentalmente no Super Bowl e não havia registro em vídeos na internet.

O primeiro vídeo publicado no YouTube é de 23 de abril de 2005: Me at the Zoo, uma sequência de 18 segundos que mostra Karim, bem tranquilo, dizendo que está “… em frente aos elefantes. O legal desses caras é que eles têm trombas muito, muito, muito grandes. Isso é legal. E é basicamente o que tenho a dizer.” Com quase 100 milhões de visualizações em meados de maio de 2020, o vídeo banal comprovava a viabilidade de um conceito que atrairia mais de 2 bilhões de usuários menos de duas décadas depois.

LEIA MAIS: YouTube lança programa para atrair anunciantes da TV

A ideia do trio não era exatamente original. Existiam várias outras plataformas com a mesma proposta na época do lançamento. O YouTube, porém, trazia facilidades como fazer o upload de vídeos sem muito conhecimento técnico, bem como o número de visualizações e a chance de incorporar vídeos em outros sites de forma simples.

Reprodução
Reprodução

Jawed Karim, um dos fundadores do YouTube, em frente a elefantes no zoológico de San Diego (EUA), no primeiro vídeo postado pela plataforma, dia 23 de abril de 2005

As marcas não demoraram a notar o potencial da plataforma. Em setembro daquele primeiro ano, Ronaldinho Gaúcho protagonizou o primeiro viral do YouTube: um comercial da Nike em que ele fazia mil estripulias com a bola e batia, de fora da área, sem deixar a bola cair, uma sequência de chutes no travessão. A ousadia atraiu mais de 1 milhão de visualizações.

Ainda em dezembro de 2005, o YouTube recebeu seu primeiro aporte, de US$ 3,5 milhões, da Sequoia Capital. O crescimento continuou exponencialmente e, em setembro de 2006, quando o site reportava mais de 700 milhões de visualizações por semana, foi comprado por US$ 1,65 bilhão pelo Google.

O acordo resultou de uma conversa em uma lanchonete entre Larry Page e Eric Schmidt, do Google, e Hurley e Chen, que no dia anterior tinham se encontrado com executivos do Yahoo e anteriormente tinham recebido o interesse de diversas outras empresas, incluindo a Microsoft.

Reprodução
Reprodução

O coreano Psy — o vídeo de 2012 ficou cinco anos como o mais assistido do site

Outro marco importante para a história do YouTube foi o vídeo de 2012, do rapper coreano Psy, “Gangnam Style”, que foi o mais assistido do site por cinco anos e ultrapassou 2.147.483.647 visualizações, o máximo que um vídeo poderia ter na plataforma até então. Com 3,6 bilhões de views, o vídeo ainda está entre os dez mais assistidos, mas o primeiro lugar é ocupado por “Despacito”, vídeo do cantor porto-riquenho Luis Fonsi com Daddy Yankee, que tem mais de 6,7 bilhões de visualizações.

VEJA TAMBÉM: Os youtubers mais bem pagos de 2019

O sucesso de conteúdo musical na plataforma levou à criação de ofertas como o YouTube Music, plataforma de streaming de música lançada em 2015, com mais de 20 milhões de assinantes pagos dos serviços que oferecem acesso ilimitado e sem anúncios. Em 2019, a plataforma divulgou pela primeira vez sua receita anual de publicidade, de US$ 15 bilhões, terminando um longo período de silêncio (desde sua aquisição) sobre a performance financeira do site. No primeiro trimestre de 2020, o YouTube gerou US$ 4,04 bilhões, um aumento de 33% em relação ao mesmo período do ano anterior.

YOUTUBERS BRASILEIROS QUE FIZERAM HISTÓRIA

KondZilla

Divulgação

Um dos maiores canais do mundo: mais de 30 bilhões de visualizações e 57,8 milhões de inscritos. Responsável por
lançar os principais nomes do funk no Brasil, é dele os dois primeiros videoclipes com mais de 1 bilhão de visualizações no Brasil.

Porta dos Fundos

A produtora de esquetes humorísticos criou seu canal em 2012 e, desde então, alcançou mais de 5 bilhões de visualizações. Tem mais de 16 milhões de inscritos.

Felipe Neto

Com conteúdos sobre games, mercado de mídias digitais, vlogs de humor e curiosidades, o canal criado em 2006 está entre os cinco maiores canais de entretenimento no YouTube, com mais de 38 milhões de inscritos.

Whindersson Nunes

Divulgação

Criado em 2013, é outro gigante do entretenimento no YouTube: mais de 39 milhões de inscritos. Whindersson produz vlogs de humor e em 2019 lançou a primeira série original do YouTube Originals no Brasil, sobre sua turnê internacional.

Manual do Mundo

Divulgação

Criado em 2008 por Mari Fulfaro e Iberê Thenório, o canal soma mais de 13 milhões de inscritos e é o maior canal de ciência e tecnologia em língua portuguesa do mundo: física, experiências, curiosidades científicas e dicas de sobrevivência.

Me Poupe!

Marcelo Spatafora

Criado por Nathalia Arcuri em 2015, o Me Poupe! é um dos maiores canais de finanças pessoais do mundo na plataforma, com mais de 5 milhões de inscritos, que acompanham os vídeos sobre como lidar melhor com dinheiro e empreendedorismo.

Desimpedidos

Um dos maiores canais de futebol do YouTube, com mais de 8 milhões de inscritos. Um de seus apresentadores, Fred, estrela o quarto projeto do YouTube Originals no Brasil, com a série Vai Pra Cima, Fred.

Reportagem publicada na edição 78, lançada em junho de 2020

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).